Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-12-22T09:40:48-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Projeto diretor de gestão

Com foco maior em geração, Eletrobras divulga seu plano de negócios para o período de 2019 a 2023

Empresa planeja investimentos totais de R$ 30,175 bilhões sendo que, somente em 2019, devem ser investidor R$ 5,675 bilhões

22 de dezembro de 2018
9:40
energia elétrica
Maiores investimentos serão feitos em 2021, com R$ 6,393 bilhõesImagem: Shutterstock

A Eletrobras divulgou na noite desta sexta-feira, 21, seu Plano Diretor de Negócios e Gestão (PDGN) para o período 2019-2023. No período, a empresa prevê investimentos totais de R$ 30,175 bilhões sendo que, somente para 2019, a expectativa é investir R$ 5,675 bilhões. O maior montante, no entanto, está previsto para 2021, de R$ 6,393 bilhões.

Do total de aplicações previstas, R$ 12 bilhões serão direcionados para a Usina Nuclear Angra 3. Já os investimentos corporativos somarão R$ 28,246 bilhões e os aportes em Sociedades de Propósito Específico (SPE) serão de R$ 1,929 bilhão.

Geração leva a maior fatia

Com orçamento de R$ 17,845 bilhões, o setor de geração de energia da Eletrobras deverá receber a maior fatia do bolo. Nessa conta estão somados os investimentos diretos e em SPEs. Já para o segmento de transmissão, a previsão é de 10,618 bilhões em cinco anos, e em infraestrutura, os aportes previstos são de R$ 1,711 bilhão.

Essa divisão se explica porque a estatal tem um plano de crescimento importante em geração e principalmente transmissão em 2019. Em geração, a companhia pretende fechar com 2.037 MW no próximo ano, ante 828 MW ao final do terceiro trimestre deste ano. Já em transmissão, o plano é aumentar em quase 10 vezes o tamanho das linhas, passando de 222 km ao final de setembro para 2.158 km em dezembro de 2019. Neste sentido, a empresa pretende revisar o WACC de Geração e Transmissão, além da tarifa de transmissão.

Outra meta importante estabelecida pela companhia é a de alavancagem, medida pela relação dívida líquida/Ebitda ajustado. A Eletrobras quer que o indicador fique abaixo de 3 vezes ao final do próximo ano, ante 3,3 vezes em setembro deste ano.

A Eletrobras também colocou nos objetivos a contenção dos custos com pessoal e material (PMSO), com a meta de 1,25 para 2019, ante 1,36 no terceiro trimestre deste ano. Na frequência de acidentes com afastamento, a estatal quer diminuir de 2,83 para 1,33. Ainda no quesito redução de custos, a Eletrobras lembra que realizará um Plano de Demissão Consensual (PDC) para desligamento de 2.187 empregados, com economia estimada de R$ 574 milhões por ano, a um custo próximo de R$ 731 milhões.

No plano também estão previstas as reestruturações societárias da Eletrosul, CGTEE, Eletronorte, Amazonas Geração e Transmissão, além da consolidação do Centro de Serviço Compartilhado. O plano prevê também a conclusão do plano de desinvestimentos até o final de 2019, além da incorporação de SPEs em que a Eletrobras tenha participação majoritária e encerramento das que não apresentarem viabilidade econômica financeira.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Ao Vivo

Apple apresenta novos modelos de MacBook Pro e Airpods; acompanhe o lançamento

Apresentado pelo CEO da companhia, Tim Cook, este é o segundo evento da empresa para lançamento de produtos neste ano

Benefício perto do fim

Sem substituto para o Bolsa Família, Bolsonaro afirma que definição sobre extensão do auxílio emergencial sai nesta semana

O presidente não revelou quantas serão as novas parcelas do benefício, mas afirmou que o valor já foi decidido pelo governo no último sábado

Movimentando o mercado

Fleury (FLRY3) compra Laboratório Marcelo Magalhães; saiba mais sobre aquisição, a segunda maior na história do grupo

O grupo pagará R$ 384,5 milhões pela empresa, que, com 64 anos de história, é referência em medicina diagnóstica no estado de Pernambuco

DIA DE ESTREIA

Getnet (GETT11) ganha vida própria e estreia na B3 com o pé direito; ações ordinárias e preferenciais disparam mais de 100%

As units (GETT11), papéis com maior liquidez, subiam cerca de 59,45%, cotadas a R$ 7,51. Como parte da cisão de SANB11, integrante do Ibovespa, as ações já integram o principal índice da bolsa brasileira

Venda de ativos

A Oi (OIBR3 e OIBR4) está mais perto da virada com um sinal verde do Cade

As ações da Oi (OIBR3 e OIBR4) sobem nesta manhã, reagindo ao sinal verde dado pelo Cade para a venda de parte da V.tal/InfraCo ao BTG

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies