Menu
2018-12-22T09:40:48-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Projeto diretor de gestão

Com foco maior em geração, Eletrobras divulga seu plano de negócios para o período de 2019 a 2023

Empresa planeja investimentos totais de R$ 30,175 bilhões sendo que, somente em 2019, devem ser investidor R$ 5,675 bilhões

22 de dezembro de 2018
9:40
energia elétrica
Maiores investimentos serão feitos em 2021, com R$ 6,393 bilhõesImagem: Shutterstock

A Eletrobras divulgou na noite desta sexta-feira, 21, seu Plano Diretor de Negócios e Gestão (PDGN) para o período 2019-2023. No período, a empresa prevê investimentos totais de R$ 30,175 bilhões sendo que, somente para 2019, a expectativa é investir R$ 5,675 bilhões. O maior montante, no entanto, está previsto para 2021, de R$ 6,393 bilhões.

Do total de aplicações previstas, R$ 12 bilhões serão direcionados para a Usina Nuclear Angra 3. Já os investimentos corporativos somarão R$ 28,246 bilhões e os aportes em Sociedades de Propósito Específico (SPE) serão de R$ 1,929 bilhão.

Geração leva a maior fatia

Com orçamento de R$ 17,845 bilhões, o setor de geração de energia da Eletrobras deverá receber a maior fatia do bolo. Nessa conta estão somados os investimentos diretos e em SPEs. Já para o segmento de transmissão, a previsão é de 10,618 bilhões em cinco anos, e em infraestrutura, os aportes previstos são de R$ 1,711 bilhão.

Essa divisão se explica porque a estatal tem um plano de crescimento importante em geração e principalmente transmissão em 2019. Em geração, a companhia pretende fechar com 2.037 MW no próximo ano, ante 828 MW ao final do terceiro trimestre deste ano. Já em transmissão, o plano é aumentar em quase 10 vezes o tamanho das linhas, passando de 222 km ao final de setembro para 2.158 km em dezembro de 2019. Neste sentido, a empresa pretende revisar o WACC de Geração e Transmissão, além da tarifa de transmissão.

Outra meta importante estabelecida pela companhia é a de alavancagem, medida pela relação dívida líquida/Ebitda ajustado. A Eletrobras quer que o indicador fique abaixo de 3 vezes ao final do próximo ano, ante 3,3 vezes em setembro deste ano.

A Eletrobras também colocou nos objetivos a contenção dos custos com pessoal e material (PMSO), com a meta de 1,25 para 2019, ante 1,36 no terceiro trimestre deste ano. Na frequência de acidentes com afastamento, a estatal quer diminuir de 2,83 para 1,33. Ainda no quesito redução de custos, a Eletrobras lembra que realizará um Plano de Demissão Consensual (PDC) para desligamento de 2.187 empregados, com economia estimada de R$ 574 milhões por ano, a um custo próximo de R$ 731 milhões.

No plano também estão previstas as reestruturações societárias da Eletrosul, CGTEE, Eletronorte, Amazonas Geração e Transmissão, além da consolidação do Centro de Serviço Compartilhado. O plano prevê também a conclusão do plano de desinvestimentos até o final de 2019, além da incorporação de SPEs em que a Eletrobras tenha participação majoritária e encerramento das que não apresentarem viabilidade econômica financeira.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Estrada do futuro

Como as empresas mentem para você sobre o crescimento exponencial

A palavra “exponencial” está batida. Todo mundo se diz exponencial. O Google é exponencial, a Amazon é exponencial… então toda empresa de tecnologia é exponencial? Não. Entenda as diferenças

Mais uma opção

Empresa protocola na Anvisa pedido para uso emergencial da Sputnik V

Neste domingo, Anvisa se reunirá para tratar de pedidos para uso de vacinas CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford

Seguro obrigatório

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela Caixa

Banco agora é o responsável pela gestão dos recursos do seguro e pelo pagamento das indenizações. A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Impasse

Guedes monta operação ‘apara arestas’ para manter Brandão à frente do Banco do Brasil

Por enquanto, o presidente do BB está no “limbo” na avaliação de funcionários do próprio banco, sem uma manifestação pública do presidente e de Guedes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies