Menu
2018-10-24T14:13:43-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Crédito subsidiado

Sabe quanto o ‘bolsa empresário’ contribuiu para o investimento no país? Zero

A conclusão é de um estudo publicado pelo Ipea. A estimativa é que o custo de programas como o PSI supere os R$ 300 bilhões. Isso considerando só o dinheiro que saiu dos nossos impostos para bancar as taxas de juros camaradas às empresas

24 de outubro de 2018
12:27 - atualizado às 14:13
BNDES
Subsídios dos empréstimos concedidos pelo BNDES serão pagos por nós até 2060Imagem: Shutterstock

Para um programa batizado oficialmente de Programa de Sustentação do Investimento (PSI), o mínimo que se esperava era que pelo menos ele cumprisse esse objetivo. Mas a política de concessão de empréstimos pelo BNDES a taxas subsidiadas - mais conhecida como “bolsa empresário” - não só não contribuiu para a taxa de investimentos da economia brasileira como pode até ter atrapalhado.

A conclusão é de um estudo publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A estimativa é que o custo de programas como o PSI seja da ordem de R$ 300 bilhões. Isso considerando só o dinheiro que saiu dos nossos impostos para bancar as taxas de juros camaradas aos empresários. Essa conta, que equivale a dez vezes o orçamento anual do Bolsa Família, ainda está em aberto e só será quitada definitivamente em 2060.

Os efeitos do uso do BNDES e dos demais bancos públicos para estimular a economia são amplamente debatidos entre os economistas. Como repórter que cobre o mercado de capitais, acompanhei esse tema de perto. Ate porque me cansei de assistir a empresas com plenas condições de captar recursos de investidores recorrerem às linhas mais baratas do BNDES.

Isso é ruim por dois motivos. Pelo mau uso do dinheiro público, que poderia ser empregado em áreas mais carentes, como saúde e educação, e por reduzir as opções de investimento disponíveis no mercado. No lugar de pegar dinheiro no BNDES, uma empresa poderia, por exemplo, obter os mesmos recursos com uma emissão de debêntures no mercado.

Com a demanda das empresas suprida pelo dinheiro de investidores como eu e você, o banco de fomento poderia atuar em projetos necessários para o país, mas que não encontram demanda no mercado. Foi isso que aconteceu, aliás, neste ano, quando as captações de recursos no mercado de capitais atingiram R$ 169 bilhões, uma alta de 24%.

Sobe e desce

Os defensores do bolsa empresário defendem que os empréstimos baratos concedidos pelo BNDES estimularam a geração de empregos e os investimentos na economia. Então, vamos à história. O PSI foi criado em julho de 2009, ainda no meio da hecatombe provocada pela crise financeira internacional. Mas o que deveria ser apenas uma saída emergencial até o restabelecimento do canal do crédito na economia durou até o fim de 2015.

No período em que vigorou o programa, o BNDES manteve uma média de R$ 234 bilhões em empréstimos ao ano, em valores corrigidos pela inflação. O início do PSI coincidiu com um forte aumento no nível de investimentos em relação ao PIB, o que deu a sensação de sucesso da política.

Mas essa recuperação que ocorreu em 2010 pouco ou nada tem a ver com a atuação do BNDES, segundo Roberto Ellery, professor da Universidade de Brasília (UnB) e um dos autores do estudo, ao lado de Antônio Nascimento Junior e Adolfo Sachsida.

“A taxa de investimentos provavelmente aumentaria nessa época mesmo se não existisse o PSI”, diz Ellery.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores compararam a taxa de investimentos no Brasil com outros 23 mercados emergentes logo após a crise de 2008. E constataram que, na média, houve um desempenho semelhante ao do país. Ou seja, outros países também apresentaram uma recuperação dos investimentos depois da freada na crise financeira.

A principal diferença no comportamento da taxa de investimentos brasileira em relação à média dos outros países foi que, depois da retomada inicial, houve uma forte queda nos anos seguintes, mesmo com o PSI a pleno vapor até 2015.

Os pesquisadores também fizeram um exercício sobre como se comportaria a taxa de investimentos do país sem o bolsa empresário. E concluíram que a trajetória do indicador seria semelhante, e com uma queda até menor nos últimos anos.

Para onde foi o dinheiro?

Mas se o bolsa empresário não ajudou a estimular e nem mesmo a sustentar os investimentos, onde todo o dinheiro do programa foi empregado?

O mais provável é que os recursos tenham sido destinados a investimentos que seriam feitos de qualquer jeito, segundo Ellery. Ou seja, a existência ou não do programa não estimulou as empresas a investirem mais.

“O empresário provavelmente apenas substituiu uma fonte de financiamento mais cara por uma mais barata para um investimento que já estava planejado”, diz.

Para o professor da UnB, o programa de empréstimos baratos do BNDES não só não ajudou a fazer o investimento aumentar como pode ser o responsável pela queda verificada nos últimos anos. Isso porque pode ter estimulado uma antecipação de investimentos pelas empresas.

“Um empresário do setor de transportes que esperava substituir a frota dentro de cinco anos pode ter antecipado a decisão para se aproveitar das condições favoráveis do financiamento.”

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Reflexos da pandemia

Com coronavírus, lucro do Iguatemi cai 77,5% no 1º tri, para R$ 12,5 milhões

Operadora de shopping centers viu queda nas vendas, na receita líquida e no Ebitda com fechamento da maioria das lojas no fim de março por conta da pandemia

Atualização do Ministério da Saúde

Brasil tem 391.222 casos confirmados e 24.512 mortes pelo coronavírus

Segundo Ministério da Saúde, 158.593 pacientes foram recuperados

Projeto de ajuda a Estados

Bolsonaro diz não poder mais socorrer Estados e insiste na reabertura da economia

“Nós não podemos continuar socorrendo Estados e municípios que devem no meu entender de forma racional começar a abrir o mercado”, afirmou

seu dinheiro na sua noite

Magalu à prova de coronavírus

No último dia 18 de março, o Ibovespa amargou uma queda de 10,35%, depois de passar pela sexta vez no mês por um circuit breaker – a paralisação que acontece toda vez que o principal índice da bolsa cai mais de 10% durante um pregão. Nesse mesmo dia, as ações do Magazine Luiza registraram uma […]

Condição para socorro financeiro

MP que concede reajuste salarial a policiais e bombeiros no DF é publicada

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro disse que deve sancionar o projeto de socorro a Estados e municípios até amanhã; edição de medida provisória era uma das condições para a sanção

Energia elétrica

Aneel retira de pauta reajuste da Cemig e prorroga vigência de tarifas atuais

Com isso, as tarifas atuais serão prorrogadas até 30 de junho

Pessimismo aumenta

IIF passa a prever que PIB do Brasil terá contração de 6,9% em 2020

Em relatório divulgado nesta terça-feira, 26, a instituição explica que a crise terá efeitos duradouros para o País

Mais alívio no câmbio

R$ 5,35: com uma ajuda do exterior, o dólar zerou os ganhos no mês e virou para queda

O clima tranquilo visto nos mercados globais abriu espaço para mais uma queda no dólar à vista — a sexta nas últimas sete sessões. Com isso, a moeda americana voltou aos níveis do fim de abril, afastando-se cada vez mais do patamar dos R$ 6,00

Títulos públicos

Tesouro Direto tem emissão líquida recorde de R$ 1,57 bilhão em abril

Com a emissão recorde, o estoque do programa fechou abril em R$ 60,24 bilhões, um aumento de 3,1% em relação ao mês anterior (R$ 58,44 bilhões)

Em meio à pandemia

56,6 milhões de brasileiros já receberam auxílio emergencial, diz Caixa

Todos receberam o pagamento da primeira parcela do benefício, no valor total de R$ 39,9 bilhões, enquanto 44,2 milhões de brasileiros também já receberam a segunda parcela, em um total de R$ 30,9 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements