Menu
2018-09-22T12:15:26-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Infraestrutura

BNDES aposta fichas em novo fundo com gestor privado

Novo FIDC do banco terá patrimônio aproximado de R$ 500 milhões. Entenda o processo de criação

18 de setembro de 2018
16:29 - atualizado às 12:15
Investimentos
Fundo de infraestrutura terá patrimônio aproximado de R$ 500 milhões - Imagem: Mind and I/Shutterstock

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deu o pontapé inicial nesta terça-feira (18) para a criação de seu mais novo Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC). Ele será voltado para aplicações em infraestrutura e o edital com as informações sobre o novo negócio está no site da instituição.

Com patrimônio de aproximadamente R$ 500 milhões, o fundo terá um gestor privado, que será escolhido através de uma chamada pública. A ideia é receber propostas de gestores interessados até o próximo dia 9 de outubro. O processo seletivo deverá ser concluído até novembro.

Injeção de capital

O novo fundo investirá em debêntures incentivadas de projetos de infraestrutura, conforme os termos do artigo 3º da Lei nº 12.431/2011, garantindo benefício fiscal aos investidores pessoa física.

O BNDES quer aumentar a base de investidores e incrementar a liquidez de títulos de infraestrutura, além de securitizar parte de sua carteira vendendo ativos em que a missão institucional do banco já foi concluída.

"A estratégia do BNDES está em linha com o compromisso de desenvolvimento do mercado de capitais de renda fixa e financiamento privado de longo prazo, viabilizando o funding e a implementação dos projetos que reduzem gargalos e geram empregos em infraestrutura", declarou o banco de fomento, em nota oficial.

O FIDC parte de um portfólio pré-existente, com ativos de "boa qualidade de crédito", que atualmente compõem a carteira de debêntures de projeto do BNDES. O banco defendeu esse portfólio afirmando que ele contribui para a mitigação do risco de originação de ativos e de desenquadramento na lei que proporciona o benefício tributário para os cotistas do fundo.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Direto na conta

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial

Nascidos em janeiro receberão nas contas poupança digitais

ESTRADA DO FUTURO

As ações de tecnologia estão caras ou baratas? Saiba como os analistas fazem as contas

Com o tempo, a análise dessas empresas migrou da abordagem de tradicional para um modelo de probabilidades e grandes números

Pandemia

Número de óbitos por covid-19 passa de 434 mil; casos passam de 15,5 milhões

Mais de 2 mil mortes e 67 mil novos casos foram registrados nas últimas 24 horas

Polui menos

Petrobras bate recorde de vendas de diesel S-10

Impacto ambiental do derivado é menor

Acabou a mamata?

Congresso reage a supersalários da cúpula do governo

Medida beneficia diretamente o presidente Jair Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies