Menu
2018-09-22T12:15:26-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Infraestrutura

BNDES aposta fichas em novo fundo com gestor privado

Novo FIDC do banco terá patrimônio aproximado de R$ 500 milhões. Entenda o processo de criação

18 de setembro de 2018
16:29 - atualizado às 12:15
Investimentos
Fundo de infraestrutura terá patrimônio aproximado de R$ 500 milhões - Imagem: Mind and I/Shutterstock

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deu o pontapé inicial nesta terça-feira (18) para a criação de seu mais novo Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC). Ele será voltado para aplicações em infraestrutura e o edital com as informações sobre o novo negócio está no site da instituição.

Com patrimônio de aproximadamente R$ 500 milhões, o fundo terá um gestor privado, que será escolhido através de uma chamada pública. A ideia é receber propostas de gestores interessados até o próximo dia 9 de outubro. O processo seletivo deverá ser concluído até novembro.

Injeção de capital

O novo fundo investirá em debêntures incentivadas de projetos de infraestrutura, conforme os termos do artigo 3º da Lei nº 12.431/2011, garantindo benefício fiscal aos investidores pessoa física.

O BNDES quer aumentar a base de investidores e incrementar a liquidez de títulos de infraestrutura, além de securitizar parte de sua carteira vendendo ativos em que a missão institucional do banco já foi concluída.

"A estratégia do BNDES está em linha com o compromisso de desenvolvimento do mercado de capitais de renda fixa e financiamento privado de longo prazo, viabilizando o funding e a implementação dos projetos que reduzem gargalos e geram empregos em infraestrutura", declarou o banco de fomento, em nota oficial.

O FIDC parte de um portfólio pré-existente, com ativos de "boa qualidade de crédito", que atualmente compõem a carteira de debêntures de projeto do BNDES. O banco defendeu esse portfólio afirmando que ele contribui para a mitigação do risco de originação de ativos e de desenquadramento na lei que proporciona o benefício tributário para os cotistas do fundo.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Mais uma opção

Empresa protocola na Anvisa pedido para uso emergencial da Sputnik V

Neste domingo, Anvisa se reunirá para tratar de pedidos para uso de vacinas CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford

Seguro obrigatório

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela Caixa

Banco agora é o responsável pela gestão dos recursos do seguro e pelo pagamento das indenizações. A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Impasse

Guedes monta operação ‘apara arestas’ para manter Brandão à frente do Banco do Brasil

Por enquanto, o presidente do BB está no “limbo” na avaliação de funcionários do próprio banco, sem uma manifestação pública do presidente e de Guedes

IPO

Espaçolaser pode arrecadar até R$ 3 bilhões em estreia na B3

Maior rede de clínicas de depilação do País lançou ontem sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies