Menu
2019-04-05T09:53:58-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Europa manteve suas taxas

Presidente do BC europeu afirma que novas altas de juros dependerão do desempenho da economia

Declaração de Mario Draghi ocorreu após o anúncio da decisão do BCE em manter sua taxa de juros de refinanciamento em 0% e de depósitos em -0,4

13 de dezembro de 2018
14:31 - atualizado às 9:53
mario-draghi
Mario Draghi também defendeu reformas estruturais nos países do bloco - Imagem: Shutterstock

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, afirmou que o cronograma para o aumento da taxa de juros na zona do euro depende de dados macroeconômicos e do estado da economia. Ele voltou a dizer, porém, que o atual nível dos juros deve se manter até o verão de 2019 no Hemisfério Norte.

Em coletiva de imprensa realizada após o anúncio da decisão de política monetária do BCE, que optou por manter sua taxa básica de juros - a de refinanciamento - em 0% e a de depósitos em -0,4%, Draghi foi questionado sobre as expectativas do mercado para uma nova elevação de juros. "É a leitura que eles fazem sobre a perspectiva econômica", defendeu.

O dirigente defendeu, também, que com o objetivo de reduzir vulnerabilidades e aumentar a produtividade na zona do euro, reformas estruturais nos países do bloco devem ser feitas, mas destacou que a força do mercado de trabalho na região é refletida no aumento dos empregos e avanço dos salários.

Ainda segundo Draghi, os riscos para a inflação na zona do euro "continuam perto do que eram antes". Na avaliação do BCE, o indicador deve mostrar diminuição nos próximos meses na região, mas a inflação subjacente deve crescer no médio prazo, apoiada por políticas da instituição.

E os reinvestimentos, como ficam?

Draghi comentou que o BCE não chegou a discutir, em sua mais recente reunião de política monetária, um prazo específico para terminar os reinvestimentos em ativos, que nada mais são do que a reposição de bônus amadurecidos.

O presidente do BCE afirmou ainda que os dados recentes da atividade na zona do euro foram "mais fracos do que o esperado" e ressaltou que "estímulos significativos" à economia ainda são necessários. Segundo o dirigente, os "indicadores sugerem um ímpeto mais fraco" à frente para economia e destacou, ainda, que a política continua "muito acomodatícia".

Além disso, depois de confirmar o término das compras líquidas de ativos neste mês, parte do programa de afrouxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês), Draghi reforçou que o QE está de forma permanente na "caixa de ferramentas" monetárias do BCE e pode voltar a ser utilizado se for necessário.

A equipe do BCE tem monitorado o impacto das baixas taxas de juros na lucratividade de instituições financeiras. Draghi defendeu que elas são compensadas por outros estímulos, como as compras líquidas de ativos. Ao mesmo tempo, ele reforçou que "nossa intenção é manter a liquidez tão disponível quanto seja preciso".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

pandemia

Covid-19: número de mortes sobe para 361,8 mil no Brasil

Nas últimas 24 horas, foram registradas mais 3.459 mortes no país

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies