Menu
2019-10-14T14:30:42+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Fim da guerra está próximo?

‘Vamos chegar lá’, diz Trump sobre acordo comercial com a China

Presidente dos Estados Unidos ressaltou, no entanto, que o acordo fica mais difícil a medida que o tempo passa

26 de agosto de 2019
14:25 - atualizado às 14:30
Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump - Imagem: shutterstock

Referindo-se a um possível acordo com a China para encerrar a atual guerra comercial, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que o seu país vai "chegar lá".

"Acho que vamos fazer um acordo com a China e acho que faremos um acordo com o Irã, também", disse, acrescentando a possibilidade de um novo pacto sobre a produção de armas nucleares no país persa.

Em entrevista coletiva na reunião de cúpula do G7, na cidade francesa de Biarritz, o americano enfrentou questionamentos sobre se o seu governo teria realmente sido procurado em telefonemas pelo vice-premiê chinês, Liu He, mas insistiu que houve "várias ligações" com Pequim. "A China quer muito fazer um acordo", repetiu.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Por outro lado, Trump sustentou que, "quanto mais tempo a China esperar para fazer um acordo, mais difícil será" retirar as barreiras tarifárias atualmente em vigor e acertar um entendimento.

"Eu não sei se a China tem uma escolha sobre fazer um acordo ou não", comentou. Também insinuou que, "em breve", os EUA terão recolhido US$ 100 bilhões em receita com as tarifas sobre importações chinesas.

Com idas e vindas abrangendo uma miríade de temas geopolíticos, Trump reagiu positivamente à sugestão pelo presidente da França, Emmanuel Macron, de uma reunião com o presidente do Irã, Hassan Rouhani.

"Se as circunstâncias estivessem certas, eu certamente me reuniria com ele", assentiu Trump.

A entrevista coletiva conjunta de Trump e Macron, anfitrião desta edição da cúpula do G7, foi permeada também sobre perguntas relativas a um convite pelo francês para que o ministro de Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif, comparecesse ao evento em Biarritz. Macron respondeu ter informado Trump antes de fazer o convite.

De volta ao comércio, o presidente americano comentou que fará "um acordo muito justo" com a União Europeia e que, diante do acordo em princípio com o Japão, não está, "neste momento", considerando impor tarifas a importações deste país asiático.

Macron na torcida

Ainda sobre o tema comercial entre as duas maiores economias do mundo, o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou ser o um "desejo profundo" que os Estados Unidos e a China cheguem a um acordo que encerre a atual guerra comercial. "Quanto mais rápido houver um acordo, mais rápido vai se dissipar a incerteza", disse o anfitrião do evento em entrevista coletiva conjunta com o presidente americano, Donald Trump.

Macron ressaltou como Trump "mostrou claramente a sua disposição" de firmar um acerto com Pequim e reconheceu que esse assunto rendeu "longas discussões" entre os líderes das sete maiores economias do mundo. Segundo o francês, essas conversas serviram para esclarecer "o que é legítimo e o que os EUA consideram injusto" no comércio global.

Com Trump ao seu lado, Macron teceu vários elogios ao americano, destacando conversas "produtivas" e "eficientes" que ele teria promovido desde que chegou a Biarritz. "Decidimos que queremos reformar as regras do comércio internacional", resumiu o francês.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Sem crise

Sabesp tem lucro líquido de R$ 1,209 bilhão no 3º trimestre, alta de 113,9%

A Sabesp reportou forte expansão no lucro líquido e no Ebitda no terceiro trimestre deste ano, impulsionada pelo início das operações em Santo André e Guarulhos

Más notícias

A Braskem fechou o trimestre no vermelho e viu sua receita cair 18% em um ano

Empresa cujas ações têm o pior desempenho do Ibovespa no ano, a Braskem reportou um prejuízo líquido de mais de R$ 800 milhões no terceiro trimestre

Vídeo

Como levar a inflação em conta na hora de investir

Ela pode corroer a sua rentabilidade! Saiba por que você deve tomar cuidado com a inflação na hora de investir, até mesmo quando ela está baixa

O vai e vem dos mercados

Bolsas de Nova York fecham sem direção única, com S&P 500 em patamar recorde de fechamento

O índice Dow Jones fechou estável, em 27.784,61 pontos, o Nasdaq teve leve recuo de 0,04%, a 8.479,02 pontos, e o S&P 500 subiu 0,09%, a 3.096,82 pontos

Seu Dinheiro na sua noite

Show dos atrasados

Uma importante tradição da internet brasileira foi quebrada neste ano. Estou falando do #ShowDosAtrasados do Enem. As imagens de pessoas desesperadas chegando para a prova depois do horário simplesmente não aconteceram. Mas, no mercado financeiro, os atrasados de sempre não decepcionaram. Que o diga a agência de classificação de risco Fitch, que decidiu hoje manter […]

Investimento em ação

Petrobras inicia produção de petróleo e gás natural na plataforma P-68

Plataforma, do tipo FPSO, está localizada a aproximadamente 230 km da costa do Estado do Rio de Janeiro

220% do PIB

Dívida de países emergentes vai a US$ 71,4 trilhões e tem novo recorde histórico

Dados do IIF mostram que Chile, Coreia do Sul e Argentina foram os mercados onde os passivos mais aumentaram na comparação ano a ano

Definindo estratégias

Em encontro do PT, Lula diz que partido não nasceu para ser sigla de apoio

Comentário foi feito em meio a discussões de que o PT poderia compor candidaturas de outros partidos de esquerda nas eleições municipais do ano que vem

320% do PIB

Dívida global bate novo recorde a US$ 250 trilhões

Levantamento é do Instituto Internacional de Finanças (IIF) que estima que endividamento vai continuar subindo até o fim do ano

Tesourada mexicana

Banco Central do México corta taxa de juros em 25 pontos-base, para 7,5%

Decisão foi tomada por maioria, mas dois dirigentes votaram por um corte maior, a 7,25% ao ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements