Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2019-06-03T19:40:58+00:00
Seu Dinheiro na sua noite

Um pouco de rock pra animar

3 de junho de 2019
19:40
O Melhor do Seu Dinheiro
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Seja na política ou na música, nos negócios ou na literatura, no mercado ou na dramaturgia, carreiras longas, polêmicas persistentes e histórias que se arrastam correm o risco de oscilar entre altos e baixos, sucesso e esquecimento, glamour e decadência, momentos de marasmo e reviravoltas que voltam a atrair os holofotes.

Falando sobre isso com meus colegas hoje na redação, me lembrei logo do Grateful Dead, uma das minhas bandas favoritas, que tem uma das mais longas e prolíficas carreiras da história do rock, mas que nem por isso eu considero inteiramente brilhante. É claro que eu não tenho nem idade para ter acompanhado a carreira dos caras, que começou nos anos 1960 e só terminou com a morte do guitarrista Jerry Garcia em 1995. Mas eu conheci a discografia mais ou menos na ordem (eu tenho essa mania), então os altos e baixos ficaram evidentes para mim.

Os primeiros álbuns, lançados mais ou menos até 1974, eu acho sensacionais. Mas confesso que nunca me empolguei muito com o trabalho deles na segunda metade dos anos 1970. E os fãs devem concordar, já que a fase em que eles mais venderam discos foi de 1969 a 1972. Eu só volto a gostar da fase dos anos 1980, que culminou com o lançamento do excelente “In the Dark” em 1987, quando o Dead experimentou o auge da sua longeva carreira, já com uma base de fãs renovada.

Ultimamente temos visto por aí uma porção de histórias irregulares como essa, que alternam momentos bons e ruins com outros beeeem parados. Mas hoje eu não vim aqui falar de reforma da Previdência, Brexit, leilão da Avianca nem compra da Netshoes, mas sim de uma história que começou agitada lá em 2016, e vem andando em círculos há algum tempo: a venda da Via Varejo pelo Grupo Pão de Açúcar.

O repórter Victor Aguiar comparou esta verdadeira saga a uma daquelas séries que, assim com a carreira do Dead, começam empolgantes, perdem força, mas depois passam por uma reviravolta que torna a coisa toda interessante novamente. É que hoje a novela ganhou um novo capítulo que promete finalmente destravar esse processo de venda. Confira todos os detalhes na matéria do Victor.

Alívio ao dólar

Em dia cheio nos mercados, o dólar caiu abaixo de R$ 3,90 pela primeira vez desde meados de abril, acompanhando o movimento da moeda americana frente às principais divisas globais. Internamente, a queda foi reforçada pela confiança de que o governo Bolsonaro voltou às boas com o Congresso Nacional, que segue animando os investidores por aqui. Com forte pressão externa, contudo, o Ibovespa registrou leve queda, fechando o pregão aos 97.020 pontos. O Victor Aguiar explica todos os detalhes sobre os mercados na nossa cobertura especial.

O que o bitcoin e o BNDES têm em comum?

Que o bitcoin desperta o interesse dos investidores, isso já não é novidade. E também faz algum tempo que vários segmentos da economia têm estado de olho na tecnologia que nasceu para viabilizar a criptomoeda: o blockchain. A mais nova entidade a apostar nessa ferramenta é ninguém menos que o BNDES. Isso mesmo. O banco quer deixar para trás a fama de “caixa-preta” e promover mais transparência nos seus financiamentos usando o blockchain em vários projetos. Neste link você confere a quantas anda essa iniciativa.

Um passo maior do que as pernas

Um dos erros mais comuns dos investidores é tentar dar um passo maior do que a perna. Me explico: tem muita gente que mal entrou no mercado financeiro e já quer partir para operações complexas e ativos de alto risco. Calma, lá! É muito fácil cair em ciladas quando você não sabe onde está pisando. Para ser um bom investidor, você precisa dar tempo ao tempo e começar do zero. Na sua coluna de hoje, o mestre Ivan Sant’Anna se dedica a ensinar como dar um passo de cada vez. Recomendo muito a leitura!

Muito além da reforma da Previdência

Quando falamos que a reforma da Previdência é crucial para a retomada do crescimento brasileiro, ou mesmo para o futuro das próximas gerações, não estamos exagerando. Afinal, seu objetivo é evitar um colapso nas contas públicas. Mas muita gente graúda do mercado anda nos lembrando de que a reforma é o básico, e de que somente ela não será suficiente para o Brasil voltar a crescer. Desta vez, foi Gesner Oliveira, sócio e executivo da GO Associados, que deu a letra sobre aquilo que ele acredita ser fundamental para a economia andar. E ainda mostrou as contas do impacto da medida: R$ 400 bilhões no PIB. Confira na matéria do Eduardo Campos.

E vai cortando…

O mercado parece já ter abandonado grandes expectativas para o PIB brasileiro neste ano, e o 14º corte seguido nas projeções do Boletim Focus, divulgados nesta manhã, mostram isso. Acontece que tem gente ainda mais pessimista com relação ao nosso crescimento: a Tendências Consultoria fez um corte daqueles nas suas estimativas e já espera uma alta inferior a 1% para o PIB em 2019, menos do que o crescimento de 1,13% esperado pelo mercado. Mas engana-se quem pensa que a tesourada parte só das instabilidades na política nacional, como você pode conferir nesta matéria.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

em busca do primeiro bilhão

Como Rihanna se tornou a artista feminina da música mais rica do mundo

Cantora pop acumulou uma fortuna de US$ 600 milhões, mas para isso ela teve de investir mais do que em música

segue o jogo

Caso Levy não atinge a Câmara, diz Rodrigo Maia

Maia fez o comentário em entrevista à emissora BandNews ao ser questionado sobre o pedido de demissão do agora ex-presidente do BNDES Joaquim Levy

Cortar ou não cortar?

Ex-diretores do BC se dividem sobre juros

Os que defendem ao menos um aceno ao corte no comunicado dão ênfase à avaliação da modelagem que considera a longa permanência da taxa de desemprego elevada e a ociosidade da economia

No vermelho

Economia parada deixa brasileiro refém das dívidas

Início de ano costuma ser um período de aperto no orçamento por causa do acúmulo de contas a pagar, mas neste ano o movimento está mais forte por causa da estagnação da economia

direto do posto

Etanol recua em 17 Estados e no DF, diz ANP; preço médio cai 0,80% no país

Na média dos postos brasileiros pesquisados pela ANP houve recuo de 0,80% no preço médio do etanol na semana passada ante a anterior, de R$ 2,859 para R$ 2,836.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements