Menu
2019-04-20T15:22:00+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
O novo boom do mercado?

Pequenas no valor, gigantes no retorno: as ações que podem dar um banho no Ibovespa no próximo ano

Em dez anos, as ações que fazem parte do índice conhecido como small caps apresentaram valorização de 283%, enquanto o mais importante índice da Bolsa obteve alta de 180% no mesmo período

24 de dezembro de 2018
6:54 - atualizado às 15:22
DB1C8CCC-D869-4F38-96CE-C7C86763CB4B

Basta uma rápida andada pelas mesas de restaurantes do Itaim Bibi, região financeira de São Paulo, para ver que uma das maiores apostas dos grandes investidores para o próximo ano está na nossa Bolsa de Valores. Eu mesma já nem sei mais quantas conversas ouvi por aí sobre isso. Mas a dúvida que fica é onde estão as grandes oportunidades?

Se tiver disposto a se arriscar para obter retornos mais elevados, as small caps ou empresas com menor valor de mercado como Vulcabras, Fleury, por exemplo, podem ser uma boa opção para os próximos anos. É isso o que aponta relatório divulgado neste mês pela equipe da corretora de valores, Spinelli, com quem eu fui conversar.

Mas o que será que há de tão atrativo nessas empresas? Apesar do nome complicado, no longo prazo, o índice que reúne as 77 principais ações de small caps na B3 (conhecido como SMLL) obteve alta de 283%, desde a sua criação em 2008. Para fins de comparação, no mesmo período, o Índice Bovespa teve crescimento de 180% e o CDI de 166%. Nada mal, não?

Boas perspectivas

Mesmo com os resultados ruins no acumulado dos últimos 12 meses do índice de small caps em relação ao Ibovespa, a vantagem de apostar agora nas small caps é que os preços estão descontados. Há também uma expectativa mais positiva para o cenário brasileiro do que para o lado internacional, o que é positivo para esse tipo de aplicação, segundo o que me contou o analista-chefe da Spinelli, Glauco Legat.

Para ele, tanto a consolidação fiscal quanto as reformas estruturais – que estão na pauta do próximo governo – podem fazer com o país cresça de maneira mais sustentável sem gerar inflação, pelo menos por um período.

Já do lado internacional, a situação é bem diferente. Legat me disse que não há um cenário muito construtivo, mas sim indicativos cada vez maiores de que a economia norte-americana está no chamado "late cycle", fase em que a pressão inflacionária é maior e as taxas de crescimento são menores.

"Não há incentivo para ficar exposto no mercado acionário norte-americano. O lado macro está prejudicado e os múltiplos das empresas estão caros. Se ocorrer uma desaceleração da economia mundial, o Brasil pode ser uma das válvulas de escape dos investidores", disse Legat.

Com uma visão mais negativa para o cenário externo, a ideia é que as ações atreladas ao Ibovespa não estejam tão atrativas quanto às de small caps. Em nossa conversa, ele destacou que a vantagem é que as empresas de menor valor estão mais concentradas em setores como consumo, construção civil e indústria, que podem crescer bastante e que estão com os papéis descontados por conta da crise. Já as ações do Ibovespa estão mais voltadas para fora e sofreriam mais com fatores exógenos.


Reforma ou não

Mas para que o cenário brasileiro seja favorável a investimentos de maior risco, os especialistas afirmam, com unanimidade, que a reforma da previdência precisa passar no Congresso. Se isso não ocorrer, é possível que o cenário seja o oposto. Foi o que apontou o gestor da 3R Investimentos, Tomás Awad, durante um bate-papo que tivemos.

Hoje, a gestora possui um fundo fechado (3R RE FIA) em que toda a alocação de ações é feita em small caps, mais especificamente em incorporadoras. Na visão de Awad, o “boom” das small caps deve vir com a chegada do estrangeiro. Mas para isso é preciso sinalizar de maneira mais clara que ela será votada e como ela será na prática.

Para ele, “a primeira onda” deve ser de investidores internacionais em busca de papéis mais líquidos de estatais ou de bancos. Em seguida, os estrangeiros devem buscar ações com menor liquidez como as small caps, o que seria a “segunda onda”, de acordo com o gestor.

As melhores tacadas

Na hora de escolher as três ações mais atrativas, Awad aposta em empresas como Linx, Fleury e Vulcabras. O interessante é que os papéis ainda estão descontados e por isso seriam grandes oportunidades de investimento.

No caso da primeira, a Linx é uma companhia que produz software voltado para o varejo. O destaque é que a empresa deve capturar a recuperação do setor varejista como um todo e também deve obter maior relevância agora que entrou para o mercado de pagamentos, de acordo com o que ele me contou.

A segunda é o laboratório de medicina diagnóstica Fleury. O especialista afirma que é uma ótima empresa com forte crescimento orgânico e que deve se beneficiar do envelhecimento gradativo da população brasileira.

A Vulcabras é uma empresa de calçados que está bem posicionada para capturar o crescimento do setor de consumo. Além disso, na opinião de Awad, o acordo feito com a marca Under Armor fará com que ela tenha acesso ao novo mercado e que os seus produtos consigam ser acessados por quase todas as faixas de renda da população.

No acumulado do ano, por exemplo, as ações do Fleury apresentaram queda de mais de 30% (maior percentual entre as três empresas analisadas). Na última sexta-feira (21), os papéis da empresa encerraram cotados a R$ 19,73.

Xô, empresas ruins!

Investir em ações de empresas de menor valor pode trazer grande retorno, mas também é bem mais arriscado. Por isso, eu acredito que uma boa forma de aplicar nesse tipo de empresas seja via fundos. Como as companhias são menores e correm o risco de quebrar, o melhor é ter ao seu lado a ajuda de pessoas com experiência no segmento.

Ao entrar em um fundo, a vantagem é que o investidor consegue diversificar melhor a sua cesta de ações. Afinal, se fosse comprar uma por uma e quisesse ter variedade, seria preciso investir em cerca de dez ou mais ações, o que aumentaria e muito o valor pago com corretagem e taxa de custódia. Gastos mais caros do que os que você poderia ter em um fundo... Logo, eles são a minha opção preferida para quem vai começar.

Mas nem tudo são flores. Por conta do risco associado a esse tipo de investimento, é preciso ter um olhar apurado para identificar companhias ruins. Para entender melhor como descobrir empresas que escondem surpresas desagradáveis, fui conversar com o gestor da Trígono Capital, Werner Roger, responsável por um fundo que investe em small caps.

Para ele, a análise é fundamental para entender o desempenho da companhia antes, durante e depois de uma crise. Por exemplo, é importante ver se a dívida da empresa é duas ou três vezes menor do que o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização). Assim, é possível verificar se ela é capaz de pagar o que deve e ainda gerar dividendos para os acionistas.

Durante o nosso papo, ele ainda destacou que "para entrar nesse mercado, o horizonte de investimento deve ser entre três e cinco anos. O ideal é buscar companhias sólidas e verificar se a volatilidade dos resultados que a companhia apresentou nos últimos cinco anos foi em torno de 30%, em média".

O investidor também deve saber o momento ideal de entrar e de sair. Ou seja, ele deve ir atrás da ação que será a "próxima Magazine Luiza", antes do papel valer isso, e ser disciplinado para manter o ativo durante a baixa para vendê-lo na alta.

No fundo, para entrar no mercado de small caps, é preciso refletir se você está disposto a investir em um ativo de risco e se aquilo é adequado para o seu perfil. Arrisque-se apenas quando estiver preparado para arcar com as perdas. Senão, o melhor é desistir e buscar ativos mais líquidos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De olho nos valores

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

A pesquisa mostrou que, no mês, todas as dez capitais pesquisadas tiveram alta nos preços médios: Brasília (0,04%), Fortaleza (0,06%), Salvador (0,08%), Porto Alegre (0,16%), Rio de Janeiro (0,18%), Belo Horizonte (0,19%), Curitiba (0,19%), Goiânia (0,22%), Recife (0,38%) e São Paulo (0,68%)

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin em nova alta e S&P no sinal amarelo

Fausto Botelho está estupidamente otimista com o bitcoin, que pode ter uma nova onda de valorização. Já o S&P, principal índice americano, pode trazer um terremoto para o resto do mundo

De olho nos próximos recebidos

Preparação de atendimento pela Caixa contribuiu para adiamento de saque do FGTS

Em 2017, para que 25,9 milhões de trabalhadores retirassem R$ 44 bilhões das contas inativas (de contratos anteriores) do FGTS, a Caixa preparou um esquema de atendimento que previu a abertura das agências mais cedo e nos fins de semana no período, que foi de 10 de março a 31 de julho

Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

A hora é agora

Como consultar o seu saldo do FGTS

Medida que injeta até R$ 30 bilhões na economia deve ser anunciada na próxima semana. Saiba como consultar o seu saldo do FGTS

Novidades na prateleira

RCI Brasil, das montadoras Renault e Nissan, passa a oferecer CDB com liquidez diária e rentabilidade de 102% do CDI

A desvantagem é que o valor inicial de aplicação do investimento é um pouco alto. No caso do Banco Sofisa, por exemplo, o valor inicial de aplicação é de R$ 1. Já no Inter e no C6 Bank, a aplicação inicial é de R$ 100

Aos números

Economia com reforma da Previdência após 1º turno fica em R$ 914,3 bilhões

Impacto fiscal ao longo de 10 anos sobe a R$ 933,5 bilhões, considerando aumento CSLL sobre os bancos. MP de fraudes pode render outros R$ 200 bilhões

alteração na agenda

Anúncio sobre FGTS fica para a próxima semana, diz Onyx

Segundo o ministro, as equipes técnicas do Ministério da Economia ainda trabalham em cima dos ajustes necessários

dinheiro na mão

Economistas recomendam sacar recursos do fundo

Aprovada a medida do governo para o saque das contas do FGTS, a orientação dos especialistas é para que os trabalhadores quitem débitos ou invistam

controvérsia

Setor de construção critica liberação de saques do FGTS

Recursos para o trabalhador devem diminuir o total disponível para a construção, o que pode aumentar o déficit habitacional do País, diz vice-presidente de sindicato

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements