Menu
2019-10-14T14:39:10+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
olho nos números

Prévia da inflação de agosto tem menor taxa para o mês desde 2010

IPCA-15 variou 0,08%; no ano, o índice acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, informa o IBGE

22 de agosto de 2019
12:44 - atualizado às 14:39
inflação consumo eletrônico
Imagem: Shutterstock

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) variou 0,08% em agosto, ficando próximo à taxa de 0,09% registrada em julho, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quinta-feira, 22.

Esse é o menor índice para um mês de agosto desde 2010 (-0,05%). No ano, o IPCA-15 acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, resultado abaixo dos 3,27% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2018, a taxa foi de 0,13%.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, quatro apresentaram deflação de julho para agosto. O grupo dos transportes, teve queda de 0,78%. Alimentação e bebidas caiu 0,17% e saúde e cuidados pessoais 0,32%. No lado das altas, o destaque ficou com habitação, 1,42%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Os demais grupos ficaram entre a queda de 0,07% em vestuário e a alta de 0,82% em artigos de residência.

Veja a variação de todos os grupos:

  • Alimentação e bebidas: -0,17%
  • Habitação: 1,42%
  • Artigos de residência: 0,82%
  • Vestuário: -0,07%
  • Transportes: -0,78%
  • Saúde e cuidados pessoais: -0,32%
  • Despesas pessoais: 0,27%
  • Educação: 0,07%
  • Comunicação: 0,44%

Transportes

Em transportes, a gasolina apresentou queda pelo segundo mês consecutivo, a - 1,88%. O segundo maior impacto negativo no IPCA-15 de agosto também veio desse grupo: as passagens aéreas apresentaram queda de 15,57%, contribuindo com -0,07 p.p. no índice do mês.

Ainda em transportes, o resultado do item ônibus interestadual (1,92%) reflete o reajuste, a partir de 1º de julho, de 3,20% no coe?ciente para cálculo do valor da passagem referencial para cada mercado.

Já nos ônibus intermunicipais (0,06%), destaca-se o reajuste de 4,48% nas passagens intermunicipais de longo curso em Porto Alegre (1,24%), em vigor desde 1º de agosto.

Habitação

O resultado do grupo Habitação (1,42%) foi influenciado, principalmente, pelo item energia elétrica (4,91%), que acelerou em relação à taxa registrada em julho (1,13%), com alta pelo 7º mês consecutivo.

Após a vigência, no mês anterior, da bandeira tarifária amarela, que onera as contas de luz em R$ 1,50 a cada 100 quilowatts-hora consumidos, passou a vigorar, em agosto, a bandeira vermelha patamar 1, em que há cobrança adicional de R$ 4,00 para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

Todas as regiões pesquisadas apresentaram altas, que vão desde os 2,64% registrados em Goiânia até os 7,51% observados em São Paulo, onde houve reajuste de 7,03% em uma das concessionárias, em vigor desde 4 de julho. Em Belém (2,87%), também houve reajuste nas tarifas, de 1,94%, a partir de 7 de agosto.

Alimentação e bebidas

Após a ligeira alta de 0,03% em julho, o grupo alimentação e bebidas apresentou queda de 0,17% em agosto, especialmente em função do comportamento da alimentação no domicílio (-0,45%).

A principal contribuição negativa no grupo veio do tomate (-14,79%), com -0,05 p.p. Adicionalmente, a batata-inglesa (-15,09%), as hortaliças e verduras (-6,26%) e o feijão-carioca (-5,61%) também registraram queda em agosto.

No lado das altas, o destaque ficou com as frutas e com a cebola que subiram 2,87% e 15,21%, respectivamente.

Saúde

Em saúde e cuidados pessoais (-0,32%), a queda observada no IPCA-15 de agosto decorre especialmente de dois fatores. A desaceleração do item plano de saúde (0,03%) reflete a apropriação da fração mensal do reajuste de 7,35% autorizado, em 23 de julho, pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) com vigência retroativa a maio, a ser aplicado nos planos individuais novos – aqueles com contratos vigentes a partir de 1999.

O resultado é a fração mensal do reajuste, descontando a variação apropriada nos meses de maio, junho e julho. Além disso, o item higiene pessoal (-1,83%) apresentou queda pela primeira vez neste ano, após 7 meses consecutivos de alta, e contribuiu com -0,05 p.p. no índice do mês.

Regiões

Entre os índices regionais, seis das 11 regiões pesquisadas apresentaram deflação de julho para agosto, conforme mostra a tabela a seguir.

O menor resultado foi registrado no município de Goiânia (-0,29%), em função da queda observada nos preços da gasolina (-5,63%).

Já o maior índice ficou com a região metropolitana de São Paulo (0,31%), influenciado pela alta de 7,51% no item energia elétrica.

Metodologia

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados entre 13 de julho a 13 de agosto de 2019 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 13 de junho a 12 de julho de 2019 (base).

O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia.

A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

um taxa a menos

Governo acaba com seguro obrigatório DPVAT

Medida foi assinada por Jair Bolsonaro e passa a valer já em 2020

Ponto polêmico

Excluído da MP da liberdade econômica, trabalho aos domingos volta

MP inclui a possibilidade na CLT, com a ressalva de que para os estabelecimentos do comércio deverá ser observada a legislação local

Desacelerou

Ministros de comércio dos Brics observam perda de impulso na economia mundial

Autoridades dizem concordar que a “liberalização do comércio é um elemento essencial para liberar o potencial de crescimento econômico

Seu Dinheiro na sua noite

Onde Bolsonaro encontra Dilma

Albert Einstein já dizia que é loucura repetir a mesma coisa esperando obter resultados diferentes. Pois o governo aposta em uma fórmula que já se mostrou equivocada no passado recente para tentar resolver um problema crônico do país: o desemprego. A desoneração da folha de pagamento, medida que foi adotada no governo Dilma, é um […]

Onda tecnológica

Fintechs de crédito são ‘sucesso absoluto’, diz diretor do BC

Autoridade monetária já concedeu licenças a dez SCD e quatro Sociedades de Crédito Entre Pessoas (SEP)

Programa Verde Amarelo

Bolsonaro assina medida que reduz custo para contratação de jovens

Programa atenderá jovens entre 18 e 29 anos que ainda não tiveram seu primeiro emprego. Custo da mão de obra cai entre 30% e 34% para as empresas que aderirem

Valeu, foi bom, adeus

Bolsonaro deve anunciar amanhã saída do PSL em reunião com deputados aliados

Segundo deputados do PSL, o presidente deve se manter, por enquanto, independente, até encontrar um novo partido

Esfarelando

Biscoito murcho: ações da M. Dias Branco caem após (mais um) trimestre ruim

A M. Dias Branco encerrou o terceiro trimestre com um lucro líquido de R$ 134,5 milhões, cifra 42,6% menor na base anual. Esse dado, somado a outras informações preocupantes do balanço, trouxe preocupação ao mercado

Mudanças no radar

Petrobras conquista mais prazo com ANP para vender campos em terra

Novos prazos da estatal agora são dezembro, para a maioria dos campos, e junho de 2020 para ‘uma pequena quantidade’

Taxa de 1% ou mais

Fundos DI mais caros perdem da inflação, mas concentram 60% dos cotistas

Fundos com taxa de administração de 1,0% ao ano ou mais rendem menos que poupança e inflação, mas concentram quase 2 milhões de cotistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements