Menu
Vinícius Bazan
Crypto News
Vinícius Bazan
É engenheiro e entusiasta de criptomoedas na Empiricus
2019-04-20T15:37:12+00:00
UMA ILHA ABERTA PARA A NOVA TECNOLOGIA

Por que Malta está se tornando um polo de criptomoedas?

Enquanto outras nações maiores estão adotando uma postura de “esperar para ver” sobre os criptoativos, a ilha de Malta criou uma regulação para receber essa indústria e fomentar sua expansão

3 de novembro de 2018
5:01 - atualizado às 15:37
Ilha de Malta
Vista para a ilha de Malta - Imagem: Shutterstock

Talvez um dos momentos mais emblemáticos da história recente do mercado de criptomoedas tenha acontecido no início de setembro de 2017.  Após o incrível rali pós-hardfork que culminou na criação do Bitcoin Cash (BCH) em agosto, o bitcoin beirava a então máxima histórica em US$ 5 mil.

Pena que a alegria durou pouco… Alguns dias depois o mercado seria atropelado pelas notícias do cerco chinês às criptomoedas. "A China está banindo todas as corretoras de bitcoin e criptoativos em Pequim" era tema em todos os sites dedicados a cripto. Logo o mergulho se iniciou e o que era uma marca histórica para o preço do bitcoin se transformou em uma queda de quase 40% em poucos dias.

Olhando para trás, o efeito negativo (a queda brusca nos preços) da sequência de notícias não foi provocado pelo que estava escrito nos sites em si, mas pela incerteza que ela adicionava ao mercado. E se tem algo que desde sempre acompanha o mercado de cripto, essa coisa é a incerteza regulatória. Já se passaram quase dez anos da concepção do bitcoin - alguns menos se pensarmos na constituição de um mercado, de fato - e ainda há muito chão até haver mais clareza na maioria dos países.

Agora, se essa incerteza provoca calafrios nos empreendedores e investidores do mundo cripto, uma nação, em especial, está trabalhando em cima disso e aproveitando para se destacar nesse ecossistema. Se você pensou nas potências de tecnologia, como EUA com seu Vale do Silício ou Israel - saiba que estou falando de uma nação pequenina : Malta.

A ilha de menos de 500 mil habitantes próxima à Itália ganhou notoriedade nos últimos meses quando o assunto é blockchain e criptoeconomia. A pergunta que fica é: por que Malta está se tornando uma referência para o mercado de criptomoedas?

É justamente sua flexibilidade regulatória e receptividade à inovação que ajuda Malta a abrir suas portas para empresas desse ecossistema.

Regulação pró-cripto

Enquanto outras nações estão adotando uma postura de "esperar para ver" em relação aos criptoativos, o governo maltês recentemente criou a Autoridade de Inovação Digital de Malta (MDIA, na sigla em inglês) para ser a instituição reguladora dessa indústria e criar uma estrutura formal para isso.

Entre junho e julho, o parlamento aprovou três leis voltadas a criptomoedas e blockchain, com o objetivo de criar um escopo regulatório para empresas ligadas a cripto, incluindo corretoras (exchanges) e ofertas de novas moedas (ICOs).

Um documento de 36 páginas intitulado "Malta, uma líder na regulação de DLT", em tradução livre, explica como o país está se posicionando em relação às tecnologias de registro distribuído (DLT, em inglês). Segundo o documento:

"A proliferação de tecnologias novas e emergentes terá sérios impactos na maioria das indústrias, como serviços financeiros, educação e saúde, logística, transporte e administração pública [...]. Malta precisa ser líder nessa área sendo proativa, aberta a negócios, atraindo empreendedores e investidores de todo mundo."

Assim, Malta deseja se tornar um hub internacional para inovações em tecnologias digitais. E o trabalho vem dando certo.

No radar das gigantes

Grandes empresas do mercado de blockchain e criptoativos já estudam abrir escritórios na ilha. Um dos casos que mais chamou a atenção da mídia foi o da gigante Binance, hoje a exchange de maior volume negociado no mundo, segundo site CoinMarketCap, anunciando em março deste ano que criaria uma operação em Malta.

Binance, uma das grandes exchanges globais de criptomoedas - Imagem: Shutterstock

A Binance atualmente opera apenas trocas cripto-cripto, não sendo possível comprar criptoativos com dinheiro fiduciário (dólares, euros, reais). A fim de expandir sua atuação e inclusive bater de frente com exchanges que já aceitam trocas dinheiro-cripto como a Coinbase, a exchange chinesa deve aproveitar a flexibilidade de Malta.

Em tempos em que as brigas entre corretoras de criptomoedas e bancos estão ainda mais aquecidas, encontrar um ambiente aberto a esse tipo de negócio é música para os ouvidos.

Paralelamente, a exchange vem trabalhando com a Bolsa de Valores de Malta (MSX) para a futura criação de uma plataforma de negociação de security tokens (tokens que possuem a característica de valor mobiliário), tema que tem ganhado cada vez mais corpo no mercado.

Assim, ao oferecer uma regulação mais clara, um bom ambiente empresarial e benefícios do ponto de vista fiscal, Malta vem, pouco a pouco, se tornando um ambiente atrativo para o desenvolvimento de empresas da nova economia.

Como o próprio ministro das finanças do país disse em uma coletiva de imprensa: a nação não vai perder a oportunidade de tirar vantagem das inovações nesse ecossistema.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Risco de rompimento

Vale realiza obras para conter lama da barragem de Cocais

Deslizamento na mina de Gongo Soco pode provocar abalo sísmico suficiente para provocar o rompimento da barragem

Negociações

Samuel Moreira quer apresentar relatório sobre reforma da Previdência em 15 dias

Rodrigo Maia sinalizou ao governo que vai encampar a proposta final do relator

Não é só na Educação...

Bloqueio de verba foi superior a 40% em 300 projetos

O governo federal congelou todo o Orçamento previsto neste ano para políticas em áreas sensíveis; cerca de 140 projetos estão com 100% dos recursos bloqueados, a maioria na área de infraestrutura

Seu Dinheiro no Domingo

A semana do tsunami

Semana foi pródiga em eventos com elevado poder de destruição e terminou com uma enigmática mensagem distribuída por Bolsonaro

Relações exteriores

Governo vê pouca chance de entrada do Brasil na OCDE

No encontro da OCDE de maio, os representantes dos EUA informaram que não “tinham instrução” sobre a chegada de novos membros

Dois anos de Joesley Day

Os bastidores da relação dos donos da JBS com o poder

No livro “Why not”, a jornalista Raquel Landim fala sobre a trajetória da gigante das carnes

Caso Queiroz

Justiça determina acesso a notas fiscais de Flávio Bolsonaro

Medida consiste em ampliação de quebra de sigilo bancário; Receita terá que encaminhar ao MP do Rio as notas de bens e serviços adquiridos pelo senador entre 2007 e 2008

Para além da lagosta e do vinho

Em cenário de cortes, STF prevê mais gastos

Entre os gastos previstos, estimados em R$ 29,5 milhões, estão a compra de veículos blindados, a troca de aparelho de telefone fixo, a reforma no gabinete da presidência do tribunal, além de refeições com lagosta e vinho

Congresso

‘Não haverá nova proposta da Previdência’, diz líder do governo na Câmara

Após conversa com o relator da reforma na Comissão Especial, Samuel Moreira, Major Vitor Hugo disse não acreditar que os deputados enviem uma proposta própria, mas sim um substitutivo para facilitar mudanças no texto atual

QUE BOLSA É ESSA?

O gigante Itaú, definitivamente, não está adormecido

O retorno sobre patrimônio líquido anualizado (ROE, da sigla em inglês) ficou em 23,6% – nada mau para um gigante que vem sendo atacado por todos os lados… Mas boa parte das fintechs moderninhas ainda não gera resultado, quanto mais caixa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu