Menu
2019-04-19T13:01:54+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Por que a política tem tanta influência na bolsa brasileira?

Nas últimas semanas, canetadas presidenciais mexeram com o Ibovespa. Entenda por que quem investe em ações no Brasil tem que ficar mais de olho na política do que o normal

19 de abril de 2019
8:00 - atualizado às 13:01

Quem investe na bolsa brasileira sabe que é bom manter sempre um olho na política de Brasília. Nas últimas semanas, por exemplo, os acionistas da Petrobras tiveram a sua parte na estatal diretamente afetada pelas canetadas presidenciais. Depois que Bolsonaro interveio na questão do reajuste dos preços do diesel, as ações despencaram e a companhia perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado em apenas um dia.

Tal tipo de acontecimento não é estrangeira aos investidores brasileiros. A política tem grande influência na nossa bolsa, e não apenas da maneira mais óbvia. No vídeo a seguir, eu explico por quê:

Veja o texto na íntegra do vídeo sobre por que a política afeta tanto a bolsa brasileira

Quem investe no mercado de ações brasileiro costuma estar sempre com um olho em Brasília. Os acontecimentos políticos têm muita influência na bolsa, pelo menos no curto prazo. Mas isso não acontece só pelas razões mais óbvias. Política e mercado de ações: e eu com isso?

A política talvez não seja o fator de maior peso no desempenho das empresas brasileiras e das ações negociadas em bolsa. Mas você já deve ter percebido que Brasília e alguns governos estaduais têm grande influência nos preços das ações e no desempenho do Ibovespa, ao menos no curto prazo.

Em época de eleição isso fica mais evidente. Os altos e baixos do mercado se tornam mais fortes às vésperas de um pleito presidencial, principalmente dos mais indefinidos, o que tende a aumentar a incerteza acerca do destino da economia.

A política afeta a bolsa não só pelos motivos mais óbvios, como a tomada de decisões que afetam a economia e as empresas de um setor ou outro. No caso da bolsa brasileira, tem mais um fator: a presença de muitas estatais federais e estaduais, além de empresas altamente expostas ao cenário político.

Algumas delas, inclusive, têm grande peso no Ibovespa, como Petrobras e Banco do Brasil. Também é o caso dos grandes bancos privados, muito suscetíveis ao que acontece no mundo da política. A postura do governo federal tende a afetar o desempenho das ações dessas companhias e, consequentemente, do Ibovespa como um todo. O mesmo vale pras ações das estatais ligadas a governos estaduais.

Se desconsiderarmos outros fatores que mexem com os preços das ações, governos percebidos como mais intervencionistas e estatizantes tendem a pesar negativamente pras ações dessas empresas, enquanto que governos mais liberais e afeitos a privatizações tendem a beneficiá-las. Isso porque o mercado entende que em cenários de menor intervenção, essas empresas vão poder buscar o lucro com mais afinco.

Gostou do vídeo? Então não deixa de assinar o canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho pra receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias pra outros vídeos no campo dos comentários.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

quase lá

Natura afirma estar em discussões avançadas com a Avon para compra da empresa

Em nota, a companhia afirmou que as empresas estão negociando os termos e condições contratuais finais para a conclusão do negócio

expectativa

Consumidores esperam inflação de 5,4% em 12 meses a partir de maio, diz FGV

Fundação diz que, considerando-se o diferencial histórico entre as previsões dos consumidores e da inflação medida pelo IPCA, por exemplo, os números ainda compatíveis com uma inflação oficial na meta

vai aliviar

China anuncia corte de impostos para fabricantes de microchips

Medida visa ajudar setor em um momento de pressão dos Estados Unidos nas negociações comerciais

Botando os pontos nos is

Governo Bolsonaro altera Decreto de Armas após polêmica com fuzis

Decisão veio após a fabricante de armas Taurus divulgar que o decreto assinado pelo presidente dava margem para que pessoas comuns adquirissem o fuzil T4

vem modernização por aí

Scania fará novo aporte de R$ 1,4 bi na fábrica do ABC

Maior parte do novo montante será aplicada na modernização da fábrica – que no ano passado já foi totalmente remodelada – e na produção de veículos movidos a combustíveis alternativos

A agenda segue

Câmara avança com a própria reforma tributária, sem esperar pelo texto da equipe de Guedes

Felipe Francischini convocou a votação para as 14h e espera liquidar o assunto ainda esta semana para deixar o caminho livre para o próximo estágio

Paciência zero

Maia diz que não aceitará ataques do executivo contra legislativo

Maia teve acesso a um material compartilhado pelo líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo, em um grupo do Whatsapp. A charge compartilhada associava a negociação do governo com o Congresso a sacos de dinheiro

tá (quase) liberado

Câmara aprova MP que autoriza investimento até 100% estrangeiro em aéreas

Medida volta com a franquia mínima de bagagem que pode ser despachada gratuitamente; texto deve ser analisado pelo Senado e votada nesta quarta-feira, 22

deu ruim

Maia rompe com líder do governo na Câmara após mensagem por WhatsApp

O presidente da Câmara criticou abertamente o líder do governo na Casa, Major Vitor Hugo no final de uma reunião do colégio de líderes de partidos nesta terça-feira, 21.

dilema

Pode ser preciso cortar juros para cumprir meta de inflação, diz dirigente do Fed

James Bullard disse que a instituição pode considerar formas de recentralizar a inflação e as expectativas de inflação na meta de 2%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements