Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

17 de janeiro de 2019
13:00 - atualizado às 14:54
Imagem: Shutterstock

A cotação do dólar caminha para o terceiro pregão de alta e explicações não faltam. Temos a ausência de notícias sobre as reformas, cenário externo menos amigável e conversas nas mesas de operação sobre um firme fluxo de saída.

Todas são boas, mas quero me ater aqui no que podemos ver: a movimentação de fundos, estrangeiros e bancos no mercado futuro, pois é lá que a formação de preço acontece.

Os investidores podem montar posições compradas (aposta de alta) e vendidas (aposta de queda) em dólar. A posição também pode ser uma forma de hedge (proteção) para exposição em outros mercados, como juros, bolsa, balcão e à vista. Portanto, avaliações sobre ganhos e perdas são feitas sempre em tese.

O que as posições sugerem, nesses últimos dois dias, é uma realização de lucros por parte dos fundos de investimento, que vinham em firme movimento de venda de contratos futuros de dólar desde o fim do ano passado, quando o dólar estava a R$ 3,87. Na outra ponta, temos os estrangeiros reduzindo a posição comprada, ou realizando prejuízos.

São essas trocas de posições ao longo dos próximos dias que devem continuar ditando o rumo do dólar, que hoje chegou a subir mais de 1%, testando a linha de R$ 3,77. No lado técnico, o dólar não conseguiu se firmar abaixo do R$ 3,68, tido como patamar importante a ser rompido para novas pernadas de baixa como vimos na abertura do ano. No lado posto, o primeiro ponto observado está ao redor de R$ 3,78, que marca a média móvel de 200 dias.

As variações dos últimos dias apenas confirmam a imprevisibilidade do câmbio, especialmente no curto prazo, tendo em vista que circularam pelo mercado projeções de dólar a R$ 3,20 nos últimos dias. Para quem acredita nessa possibilidade, toda alta é oportunidade de venda. Quem está na ponta oposta, reforça a compra.

Desde o pregão de segunda-feira, dia 14, a posição vendida dos fundos em dólar futuro caiu em US$ 727 milhões, de US$ 12,5 bilhões para US$ 11,8 bilhões. Os bancos também atuaram na ponta de compra, mas de forma menos expressiva, US$ 142 milhões.

Na ponta oposta, os estrangeiros reduziram a posição comprada em US$ 823 milhões, para US$ 4,85 bilhões, de US$ 5,7 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Exposição líquida

Além dos contratos futuros de dólar outra forma de exposição cambial são os contratos de cupom cambial (DDI, juro em dólar). Considerando esses ativos, temos que os fundos seguiam vendidos em US$ 33,8 bilhões até o pregão de ontem, contra US$ 34,5 bilhões na abertura da semana.

Os estrangeiros estavam comprados em US$ 34,1 bilhões, em comparação com US$ 34,9 do dia 14, e os bancos seguem com uma posição pouca expressiva de US$ 2,23 bilhões (2,39 bilhões na segunda).

Ibovespa futuro

No mercado de índice futuro do Ibovespa, principal índice de ações da B3, o investidor estrangeiro segue reduzindo sua “aposta” de queda. Depois de marcar 164.902 contratos vendidos, maior em mais de uma década, em 9 de janeiro, a posição recuou brevemente a 152.628 contratos.

Na ponta de compra estão os fundos com 142.102 contratos, também um pouco menor que os 158.264 do dia 9.

Uma forma de ler as posições no Ibovespa futuro é como uma proteção (hedge) às oscilações no mercado à vista. O investidor está comprado em bolsa no mercado à vista e vai proteger essa exposição no mercado futuro vendendo contratos de Ibovespa.

No entanto, o mercado também opera o Ibovespa futuro com um ativo em si, podendo montar apostas de alta (comprado) ou de queda (vendido).

Na semana passada, discutimos se o estrangeiro estava ou não pessimista com a bolsa brasileira.

Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu