Menu
2019-04-20T10:58:07+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

O que preocupa gestores de US$ 12 trilhões e uma oportunidade para o Brasil

O país tem que abocanhar trilhão ou menos centenas de bilhões desse dinheiro que está à procura de retornos atrativos

20 de abril de 2019
5:17 - atualizado às 10:58
investimento brasil
Imagem: Shutterstock

Recebi do Instituto Internacional de Finanças (IIF) uma pesquisa feita com grandes investidores institucionais, que seguem preocupados com uma desaceleração na China e efeitos da guerra comercial. No entanto, também é possível verificar uma boa oportunidade para o Brasil, já que eles se mostram dispostos a fazer novos aportes no setor de infraestrutura.

A IIF congrega 450 membros de mais de 70 países, dentre eles há investidores institucionais como fundos de pensão e fundos soberanos, que tomam decisões de investimento com maturação de anos e anos. Eles não são numerosos, mas concentram um volume de recursos relevante. No caso em questão foram ouvidos 17 deles, mas que são responsáveis por mais de US$ 12 trilhões, algo como seis vezes o PIB do Brasil.

Outro resultado interessante da pesquisa é que entre as principais preocupações dessa classe de investidor estão pontos que o Brasil tenta melhorar, justamente para atrair investimentos.

São eles: marco regulatório alinhado às práticas internacionais, um ambiente de negócios mais amigável e um mercado financeiro mais desenvolvido. Além disso, também é demandado um estoque de projetos críveis, o desenvolvimento de mercados secundários e maior proteção aos credores.

Essas demandas todas conversam com o trabalho que vem sendo feito pelos Ministérios da Infraestrutura, Economia e Banco Central (BC).

Na Infraestrutura, os técnicos reavaliam o formato de contratos e, dando sequência a um trabalho iniciado no governo Michel Temer, já conseguem leiloar portos, aeroportos e ferrovias.

Na Economia, o grande desafio é a reforma da Previdência, mas em paralelo estão sendo desenhadas medidas para melhorar o ambiente de negócios, reduzindo burocracias, e diminuir entraves para o funcionamento do mercado.

O BC de Campos Neto tem uma agenda de democratização, que busca ampliar a capacidade do mercado financeiro em prover recursos para o setor produtivo. Diminuir barreiras de entrada e rever custos de regulação são coisas que estão acontecendo.

Um sinal positivo nesse sentido foi a rápida autorização dada pelo governo para que o Banco Inter tenha até 100% de capital estrangeiro. Pedidos como esse chegavam a ficar anos nas gavetas da Casa Civil.

Além disso, o país prepara uma das maiores rodadas de leilão de petróleo do mundo. O bônus de assinatura do excedente do pré-sal será de R$ 106 bilhões, mas há também ganhos posteriores em investimentos e recolhimento de royalties e impostos.

A pesquisa mostra que as agendas de investidor e investido conversam. A grande questão é o “timing”, o quão rápido o Brasil consegue avançar nessa agenda liberal e de abertura econômica.

Estamos vendo que no que depender do Congresso nada será fácil, então o governo e os Ministérios têm de acelerar as ações que não passam pelo campo político. Como já disse Paulo Guedes, o Brasil tem pressa e não se pode ficar esperando apenas a aprovação da Previdência.

O país tem que abocanhar trilhão ou menos centenas de bilhões desse dinheiro que está e estará à procura de retornos atrativos em um mundo de juro baixo e no qual outros competidores emergentes sofrem crises infindáveis ou já estão no fim de ciclo.

Emergentes

A pesquisa também mostra um melhor no apetite dos grandes investidores por ativos de mercados emergentes em comparação com a sondagem anterior, de 2018. O foco está em ativos denominados em moedas fortes, como emissões externas.

Já o apetite por ações e dívida soberana deve ter crescer moderadamente nos próximos 12 meses, mesmo com esses investidores antecipando uma redução na demanda por ativos de países desenvolvimentos (ações e dívida) em função da crescente preocupação com a qualidade do crédito.

Outro tema em voga entre esses investidores são investimentos com foco ambiental, social e de elevada governança (ESG). Segmento que também tem grande potencial por aqui.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

dinheiro no bolso

36,9 milhões de correntistas da Caixa já sacaram recurso do FGTS

Saque de até R$ 500 por conta ativa ou inativa do fundo tem sido feito de forma escalonada, dependendo da data de aniversário de trabalhador

novas funções

Relator de MP que permite saque do FGTS vai ampliar forma de aplicação do fundo

Hoje, a lei só permite que o dinheiro seja usado para financiar moradias, saneamento e infraestrutura

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements