Menu
Alexandre Mastrocinque
Que Bolsa é essa?
Alexandre Mastrocinque
É economista, contador e especialista em investimento em ações
2019-02-27T15:06:25+00:00
Que Bolsa é essa?

Magazine Luiza pode dobrar as metas e os críticos?

Preço da ação multiplicou 183 vezes de dezembro de 2015 para cá – e não me surpreenderia se o mercado revisasse esses números para cima. A expectativa é de que o lucro dobre novamente até 2021, num crescimento anual de 26%. É hora de comprar?

27 de fevereiro de 2019
11:54 - atualizado às 15:06
Luiza Trajano magazine luiza
A empresária Luiza Helena Trajano, presidente do conselho de administração do Magazine Luiza - Imagem: WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO

No fim do ano passado, falei por aqui que, por uma questão de preço, fazia mais sentido olhar para a Magazine Luiza (MGLU3) de longe. Múltiplos muito esticados, expectativas de crescimento bem agressivas e um potencial aumento da competição (leia-se Amazon) me deixaram receoso com o caso.

Olhando para o retorno negativo de 2,9% (Ibovespa deu +13,5%) no período, até posso dizer que estava certo. Mas, quando bati o olho nos resultados do quarto trimestre de 2018 (4T18), percebi que talvez tenha subestimado a capacidade de execução da família Trajano.

As vendas nas mesmas lojas físicas, que medem o avanço das vendas desconsiderado o maior número de unidades, cresceram a bagatela de 16,1% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Já o e-commerce cresceu impressionantes 57%!!!

No agregado, as vendas totais chegaram perto dos R$ 20 bilhões no ano, contra pouco mais de R$ 14 bilhões em 2017 (+36%). Junto com as vendas, o Ebitda bateu R$ 1,2 bilhão em 2018  (+21% ) e o lucro líquido ficou em R$ 597 milhões, crescimento de 54% ante 2017.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O canal digital já responde por 36% de todas as vendas, mas a varejista continua abrindo lojas – foram 96 novas ao longo de 2018, para fechar o ano com 954 unidades físicas. As lojas são parte importante do plano de digitalização da companhia, pois funcionam como um canal de distribuição (retirada na loja) e são fundamentais para o último passo da entrega, conhecido como “last mile” no jargão em inglês.

E pensar que teve bons gestores dando risada do plano de “abrir lojas físicas para aumentar as vendas online” anunciado há alguns trimestres.

Nem tudo é perfeito, claro. Com foco no atendimento, preço, logística e conversão de vendas, as margens sofreram um pouco – a margem Ebitda saiu de 8,6% em 2017 e fechou 2018 em 8%, mas nada que me faça perder o sono.

Operacionalmente, levando em consideração minha experiência e a de amigos próximos (amostra pequena, confesso), a Luiza está, de fato, bem à frente da concorrência. O site pode não ser uma maravilha, mas funciona (teve lojista que ficou sem site por algumas horas durante a Black Friday, por exemplo). Os preços são altamente competitivos e o serviço é imbatível. Sejam as mensagens via Whatsapp, que te informam a cada etapa do processo, ou o atendimento ao cliente pelo telefone, a diferença é brutal.

Tudo isso aparece não só nos preços das ações, como em praticamente todas as linhas do balanço – de 2014 para cá, os lucros cresceram 365%, o que equivale a 47% ao ano!

Dá pra crescer mais?

É claro que não dá para crescer a essa taxa por muito tempo: em alguns anos, as vendas seriam maiores do que o PIB de Nárnia. Mas, ainda tem bastante espaço – a companhia é relativamente pequena e o e-commerce brasileiro cresce a taxas agressivas, o que faz com que a Magazine Luiza cresça a taxas bem maiores do que o mercado. É o tal do ganho de participação ou market share.

O mercado acredita que os lucros podem dobrar novamente até 2021, num crescimento anual de 26%, que não justifica o múltiplo de preço/lucro (P/E, da sigla em inglês) de 55x, já que nos dá um Peg Ratio (P/E ajustado pelo crescimento) de 2,1x – o justo seria algo em torno de 1x. (Se você boiou agora, neste texto eu explico melhor como ler um balanço e encontrar as métricas que apontam se uma ação está cara ou barata.)

O “problema” é que há algum tempo os números do balanço vêm melhores do que o consenso e pegam os vendidos no contrapé – é preciso coragem (loucura!?) para apostar na queda de uma ação que viu seu preço multiplicar 183 vezes de dezembro de 2015 para cá – e não me surpreenderia se o mercado revisasse esses números para cima.

Amiga da Dilma que é, a Luiza segue dobrando a meta.

Dito tudo isso, continuo achando melhor esperar por um momento melhor para comprar, mas cada vez mais MGLU3 se mostra aquele papel caro que fica cada vez mais caro. Por outro lado, com esse tanto de crescimento embutido no preço, só é preciso um trimestre ruim para uma grande correção de preços. Paciência e canja de galinha...

Eu, como não tenho pressa, prefiro esperar um pouquinho, por mais que possa estar vendo o cavalo selado passando pela segunda vez na minha frente.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Corrida contra o tempo

Câmara e Senado devem votar hoje MP que permite capital estrangeiro em áreas; Gol e Azul sobem na bolsa

MP do setor aéreo foi editada no fim do ano passado por Michel Temer e permite que estrangeiros possam deter até 100% do capital das aéreas brasileiras

Mais perto do que se imagina

Sem reformas, País deve violar “regra de ouro” em 2020 e ter recessão, diz OCDE

Organização acredita que não aprovação das reformas resultaria em custos de financiamento mais altos e consequentemente um crescimento mais baixo

A volta da esquerda?

Quatro a cada 10 norte-americanos apoiam o socialismo, diz pesquisa

Levantamento da Gallup mostra que 43% das pessoas acreditam que o socialismo é algo bom para o País, enquanto para 51% ainda é algo ruim; números contrastam com pesquisa de 70 anos atrás

Fraudes em fundos de pensão

Justiça ratifica denúncia de Operação Rizoma contra desvios no Postalis e Serpros

Entre os acusados estão o empresário Milton Lyra, o “operador do MDB”, o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e o empresário Arthur Mario Pinheiro Machado

Blog da Angela

Grandes fundos emprestaram uma bolada de dinheiro para o governo. Por que isso é ruim?

Patrimônio de fundos sob gestão dos maiores administradores do país está comprometido em 80% com títulos públicos; ações respondem por 3,5% e aplicações no exterior por 0,5% do total

Bateu o pé

Presidente da Comissão Especial reafirma calendário da reforma da Previdência e diz que relatório sai até dia 15

Prazo para apresentação de emendas, que encerraria nesta quinta-feira, 23, deve ser adiado para o dia 30

De olho no gráfico

É hora de comprar Ambev, BB, Petrobras e outras blue chips da Bolsa?

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Aliança ambiciosa

EDP e Engie assinam memorando para criação de joint venture no setor eólico

Em nota, a EDP informa que as duas empresas combinarão seus ativos eólicos offshore e os projetos em desenvolvimento na recém-criada joint venture, que deve estar em operação até o fim de 2019

Câmbio

BC rola mais US$ 1,25 bilhão em leilão linha com compromisso de recompra

Operações foram anunciadas na sexta-feira. Ontem, rolagem também foi de US$ 1,25 bilhão e ainda teremos mais uma operação amanhã

Nada muda (ufa!)

Fitch reafirma rating do Brasil em “BB-“, com perspectiva estável

Nota do País segue limitada pelas fraquezas nas finanças, perspectivas de crescimento fracas, corrupção e um ambiente político turbulento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements