Menu
2019-06-17T20:04:55+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Novo comando

Gustavo Montezano é indicado para lugar de Levy no BNDES

Atual secretário-adjunto da Secretaria de Desestatização, Montezano já foi sócio do Banco Pactual. Ministério da Economia agradece dedicação de Levy

17 de junho de 2019
19:06 - atualizado às 20:04
BNDES Gustavo Montezano
Presidente do BNDES, Gustavo Montezano - Imagem: Hoana Gonçalves/Ascom ME

Por meio de nota, o Ministério da Economia informou que Gustavo Montezano deverá suceder a Joaquim Levy no comando no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Até então, Montezano trabalhava como secretário-adjunto da Secretaria de Desestatização, comandada por Salim Mattar, que esteve entre os cotados para o cargo.

Segundo o Ministério da Economia, a indicação foi encaminhada para deliberação do Conselho de Administração do BNDES.

Ainda de acordo com o Ministério, Montezano tem 38 anos, é graduado em engenharia pelo Instituto Militar de Engenharia (IME) e mestre em Finanças pelo Ibmec. O indicado tem 17 anos de carreira no mercado financeiro. Foi sócio do Banco Pactual, tendo atuado como diretor-executivo da área de commodities em Londres e anteriormente como responsável pela área de crédito, resseguros e "project finance".

Levy pediu demissão no domingo depois que o presidente Jair Bolsonaro falou que estava “por aqui” com ele, após a indicação de um diretor que já tinha trabalhado em administrações petistas.

Também em nota, o Ministério da Economia, “agradece a Joaquim Levy pela dedicação demonstrada enquanto presidente do BNDES.”

Desafios

Sendo aprovada sua indicação, Montezano terá de fazer algo que o presidente Jair Bolsonaro vem pedindo faz tempo que é "abrir a caixa preta" do BNDES. O termo virou mote de campanha e desde então aparece com recorrência nas falas do presidente quando ele critica os empréstimos feitos para Cuba, Venezuela e outros países e "empresas amigas" durante os governos do PT.

Levy foi cobrado por essa abertura e apresentou uma formulação mais amigável aos dados sobre todas as operações do BNDES com seus maiores clientes.

A "caixa preta" está aberta desde 2015, quando o banco ampliou o volume de informações sobre seus contratos, trazendo taxas de juros, prazos e garantias. Não haveria muito mais informações a dar, pois demais dados são protegidos pela lei do sigilo bancário.

Além de satisfazer essa demanda do presidente, Montezano terá de acelerar a devolução de recursos que foram aportados pelo Tesouro. A demora ou relutância de Levy em fazer a devolução na velocidade deseja por Paulo Guedes e equipe estaria entre os motivos de insatisfação com o agora ex-presidente.

Há também uma demanda para que seja acelerado o processo de venda de participações de empresas que estão na carteira do BNDES Par, braço de participações do banco, que passam de R$ 100 bilhões.

Não era novidade que tinha atrito entre Levy e Guedes, mas a forma como Levy deixou o cargo surpreendeu de forma negativa em função da exposição pública e da motivação ideológica. O próprio Levy já tinha sido ministro de Dilma Rousseff e secretário de Lula, por exemplo. Pode-se criticar seu trabalho e seus métodos, mas petista ou "inimigo do Brasil" ele nunca foi.

A CPI do BNDES, que está em funcionamento quase permanente no Congresso (perdi a conta de quantas ocorreram), já tinha aprovado a convocação de Levy. Agora foi definida a data de sua audiência, dia 26 de junho.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

5º MAIS RICO DO MUNDO

Carlos Slim, o bilionário que lucrou com um monopólio e virou o ‘dono do México’

Com conglomerado de mais de 200 empresas, empresário acumulou fortuna de US$ 60 bilhões, que equivale a 6% do PIB do país, e se tornou o quinto homem mais rico do mundo.

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Dá para se arrepender?

Opção do saque do FGTS será reversível

A ideia é que a nova opção de saque permita ao trabalhador resgatar uma parcela em troca de abrir mão da retirada de todo o fundo caso seja demitido sem justa causa

o novo sempre vem

Novo Mercado, nível 1 ou 2: Diga-me a governança da ação e eu te digo quais são os direitos do investidor

Segmento da B3 estabeleceu maior nível de governança entre as empresas e amenizou conflitos entre minoritários e controladores; são hoje 142 empresas no Novo Mercado

De olhos bem abertos

Dez bancos serão investigados por supostos abusos na oferta de consignado a idoso

As empresas têm dez dias para apresentar defesa e, posteriormente, se confirmados os indícios de infração, poderão ser multadas em até R$ 9,7 milhões. As notificações estão formalizadas no Diário Oficial da União (DOU) em despachos do DPDC, órgão da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Segurança Pública

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements