Menu
2019-06-07T18:49:06+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
sem tempo para 'reforminha'

Guedes pode deixar o cargo se não houver apoio à Nova Previdência: ‘se não fizermos a reforma, o Brasil pega fogo’

Em entrevista à revista Veja, Guedes disse que se houver uma mudança radical na proposta ele renunciará ao cargo e que é preciso aprovar uma reforma que garanta uma economia mínima de R$ 800 bilhões

24 de maio de 2019
9:35 - atualizado às 18:49
O ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, debate a reforma da Previdência (PEC 6/19).
Paulo Guedes - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

O ministro da economia Paulo Guedes parece confiante em uma aprovação da reforma da Previdência nos próximos 90 dias, mas a ideia de um texto desidratado, com mudanças profundas na proposta original não está nos planos do ministro e pode decidir o seu destino no governo

Em entrevista à revista "Veja", Guedes disse que se houver uma mudança radical na proposta ele pode renunciar ao cargo. O ministro garante que Bolsonaro está completamente empenhado em aprovar a proposta da forma como foi enviada ao Congresso, mas que se sentir que está sozinho na defesa do texto e que a "mídia está a fim só de bagunçar" é hora de sair do governo. “Pego um avião e vou morar lá fora", disse à revista.

"Eu não sou irresponsável. Eu não sou inconsequente. Ah, não aprovou a reforma, vou embora no dia seguinte. Não existe isso. Agora, posso perfeitamente dizer assim: ‘Olha, já fiz o que tinha de ter sido feito. Não estou com vontade de ficar, vou dar uns meses, justamente para não criar problemas, mas não dá para permanecer no cargo’".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Além disso, Guedes também destacou que uma 'reforminha', com economia menor que R$ 800 bilhões (contra o R$1,2 trilhão pretendido pela equipe econômica), não resolveria os problemas da Previdência e só remendaria a situação atual, anunciando um caos que poderia chegar já em 2020.

Paulo Guedes ainda comentou a situação atual da Previdência, que tem um déficit que cresce R$ 40 bilhões ao ano. O cenário assusta os mercados e os investidores a sair do país. "Se não fizermos a reforma, o Brasil pega fogo. A velha Previdência quebrou. Não vamos ter nem dinheiro para pagar aos funcionários. Vai ser o caos no setor público, tanto no governo federal como nos estados e municípios", avisa.

Em um diagnóstico de curto prazo, o ministro da Economia prevê: o Brasil pode enfrentar problemas semelhantes ao de seus vizinho sul-americanos. "Podemos virar uma Argentina, com 30% a 40% de inflação. A médio prazo, antes de o governo acabar, uma Venezuela, com desabastecimento, inflação alta, dólar explodindo, zero investimento, desemprego elevado, atraso de salário, atraso de pagamentos a aposentados e pensionistas.”

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements