Menu
2019-06-21T19:03:10+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Nada muda (ufa!)

Fitch reafirma rating do Brasil em “BB-“, com perspectiva estável

Nota do País segue limitada pelas fraquezas nas finanças, perspectivas de crescimento fracas, corrupção e um ambiente político turbulento

21 de maio de 2019
12:38 - atualizado às 19:03
Fachada da Fitch Ratings
Fachada da Fitch Ratings - Imagem: Shutterstock

A Fitch reafirmou nesta terça-feira, 21, o rating do Brasil em "BB-", com perspectiva estável.

Em sua decisão, a agência de classificação de risco colocou na mesa uma série de obstáculos para que a nota do País volte a subir. O primeiro deles são as "fraquezas estruturais" nas finanças públicas, que se acentuaram pelo alto endividamento do governo.

Para a Fitch, o cenário nacional fica ainda mais turbulento diante das perspectivas de crescimento "fracas", um ambiente político "difícil" e várias questões relacionadas à corrupção.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Todos esses fatores ganham ares mais negativos diante da ineficácia da política econômica nacional, além das dificuldades do governo em fazer progresso nas reformas.

Pelo lado positivo, o rating soberano brasileiro segue apoiado tanto pela diversidade econômica como pelas instituições civis consolidadas no País. A Fitch também leva em conta fatores como a renda per capita mais alta do que a mediana dos países com rating "BB".

Além disso, a agência destaca que a capacidade do País de absorver choques externos é apoiada por sua taxa de câmbio flexível, pelos baixos desequilíbrios externos, por reservas internacionais robustas, uma posição "forte" soberana líquida, mercados domésticos de dívida "profundos e desenvolvidos", bem como por uma parcela baixa de dívida em moeda estrangeira em relação ao total da dívida do governo.

Tudo vai para a conta

A manutenção da nota pela Fitch nos faz lembrar que o Brasil está uns bons degraus abaixo do grau de investimento em todas as agências de classificação de risco. Desde que perdeu seu selo de bom pagador de suas dívidas - em 2015 na Standard&Poor's e na Fitch e em 2016 na Moody's - o país não consegue entrar em um processo de recuperação dessas notas e inclusive chegou a amargar novas quedas nos últimos anos.

Na Moody's, por exemplo, a nota atual do país é "Ba2", com perspectiva estável, dois patamares abaixo do grau de investimento, que é "Baa3". Já na Fitch e na S&P, a situação é ainda mais complicada: com a nota "BB-" em ambas as agências, o Brasil está três níveis abaixo da nota mínima para o grau de investimento, que é a "BBB-".

*Com agências de notícias.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Seu Dinheiro na sua noite

Tupi or not tupi

Há quase um século, o escritor Oswald de Andrade redigia o Manifesto Antropofágico, o clássico (e divertidíssimo) texto no qual defende a valorização de uma cultura verdadeiramente brasileira. A ideia não era se opor à influência estrangeira, mas devorá-la. A zoeira com o monólogo de Shakespeare em Hamlet (“To be, or not to be”) sintetiza […]

No júri

Petrobras tem vitória no Carf em processo envolvendo R$ 5,1 bilhões

Processo administrativo fiscal trata da cobrança de CIDE-Importação sobre remessas ao exterior para pagamento de contratos de afretamento

Crédito mais barato

Caixa apresenta nova modalidade de financiamento com juros atrelados ao IPCA

Taxas de juros da nova modalidade vão oscilar entre 2,95% a 4,95% ao ano mais a variação do IPCA. A demanda estimada pelo produto está na casa de R$ 50 bilhões

Vai tranquilo

Maia sobre reforma tributária: “não estamos com pressa”

Presidente da Câmara diz querer estabelecer um debate sobre o tema de forma tranquila e profunda

De mudança e sob nova direção

Após governo mandar Coaf para o BC, Ricardo Liáo é nomeado novo presidente do órgão

Indicação é vista como uma forma de garantir certa continuidade na administração do Coaf

Sem sinal

Oi perde quase metade do valor na bolsa em apenas quatro dias

Com mais de 37,5 milhões de clientes no país, Oi passa a ser avaliada em apenas R$ 4,4 bilhões na B3; só hoje, as ações ordinárias da operadora registraram uma desvalorização de 27%, cotadas a R$ 0,73

DE OLHO NO GRÁFICO

Queda do Ibovespa, S&P e as ações para ficar de olho

No De Olho no Gráfico de hoje, Fausto Botelho fala de suas expectativas para o Ibovespa, o S&P, o Nasdaq, o dólar e o desempenho das ações para as quais tem recomendação de venda

Primeiro texto

Relator da reforma da Previdência no Senado diz estar fazendo esforço para entregar relatório na sexta-feira

A presidente da CCJ, Simone Tebet, já havia dito que essa era a previsão, sendo que a leitura do documento será feita no dia 28

Siga o dinheiro

Fluxo do gringo na bolsa em 2019 ainda é positivo e eu posso provar

Dados disponibilizados pela B3, que mostram saída de R$ 19 bilhões até 15 de agosto, não contabilizam valores movimentados em ofertas de ações

um passo atrás

‘Não quero submeter meu filho ao fracasso’, diz Bolsonaro sobre Embaixada

Presidente admitiu a possibilidade de desistir da nomeação de seu filho, após “guerra de pareceres” no Senado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements