Menu
2019-09-02T14:38:54+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Estado empresário

Estatais estaduais custaram R$ 14 bilhões em 2018

Levantamento inédito do Tesouro mostra que ao longo de 2018, 43,4% das estatais apresentaram prejuízo

2 de setembro de 2019
14:38
inflação-real
Real - Imagem: Shutterstock

O Tesouro Nacional montou um panorama inédito sobre as 258 empresas estatais estaduais. Indo direto à última linha do balanço, em 2018, essas empresas custaram R$ 14 bilhões aos contribuintes, pois os Estados injetaram R$ 16,1 bilhões nas suas empresas, via reforço de capital ou subvenções, e elas retornaram R$ 2,2 bilhões em dividendos.

“Quando os Estados recebem mais recursos por meio de dividendos do que transferem por meio de subvenções ou aumento de capital, pode-se dizer que as estatais contribuem para o resultado fiscal do Estado. No entanto, quando as saídas de recursos dos Estados são maiores que as entradas, podemos dizer que tais empresas oneram o resultado fiscal do Estado”, diz o Tesouro.

A ressalva do Tesouro é que 120 das 258 empresas (46,5%) não informaram valores para quaisquer dessas operações — sejam dividendos, subvenções ou aumentos de capital.

Em 2018, os únicos Estados que receberam mais recursos das estatais do que transferiram foram o Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Sergipe. As empresas do Estado de São Paulo, que receberam repasses líquidos no montante de R$ 10 bilhões, representaram 72% do resultado líquido negativo total.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Regiões e dependência

Das 258 estatais estaduais, 91 delas estão na região Nordeste (35,27% do total). A região sudeste, vem na sequência, com 56 empresas (21,71%); centro-oeste, com 41 empresas (15,89%); norte do país com 36 empresas (13,95%) e, por fim, a região sul com 34 empresas (13,18%).

Em termos relativos, 41% das empresas declaradas pelos Estados são dependentes, ou seja, 106 empresas do total de 258 não se sustentam sozinhas. O número de estatais por Estado varia de dois a 20, sendo que alguns deles possuem apenas empresas dependentes, e outros apenas não dependentes.

Dessa forma, São Paulo lidera o ranking com um total de 20 empresas, seguido por Minas Gerais com um quantitativo de 19 e, em terceiro lugar, Goiás com 16. Todas as 11 estatais do Estado do Rio de Janeiro são dependentes o mesmo acontece com as sete empresas do Acre.

Por setor

Abrindo por segmento empresarial, os setores de Desenvolvimento, de Saneamento e Financeiro são os mais representativos, com 32, 28, 22 empresas, respectivamente.

Entre os seguimentos com menor número de empresas, destacam-se os setores de Saúde e Telecomunicações (1 empresa), Mineração (4) e Pesquisa / Portos e Hidrovias (6).

O Estado empreendedor

No texto, o Tesouro lembra que a atuação do Poder Público na atividade econômica, por meio de suas empresas, apresenta-se como uma exceção e que é necessário avaliar a eficácia e a efetividade da atuação das estatais. Por isso, é importante observar lucros e prejuízos.

Ao longo de 2018, os números revelam que 43,4% das estatais obtiveram prejuízo. Ao se analisar especificamente as empresas não dependentes, tem-se que 31,9% delas tiveram perdas financeiras. Esse valor passa para 61,9% quando se leva em consideração apenas as estatais dependentes. Assim, o percentual de empresas com prejuízos financeiros em 2018 caracterizadas como dependentes é o dobro do total das não dependentes.

Por segmento, o setor que apresenta o maior lucro para o período foi o de Saneamento com um ganho total de aproximadamente R$ 5 bilhões de reais (R$ 4,995 bilhões). Logo em seguida, tem-se o segmento de Energia com um resultado de R$ 1,949 bilhão, acompanhado de perto pelos setores Financeiro (R$ 1,545 bilhão) e Desenvolvimento (R$ 1,496 bilhão).

Pelo outro lado, o setor de Transporte possui o pior resultado para o período com prejuízos de R$ 1,420 bilhão. Em seguida, o segmento de Pesquisa com R$ 192 milhões em perdas e o setor de Habitação com R$ 116 milhões de prejuízos.

O estudo apresenta uma série de gráficos e pode ser acessado aqui.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Nem tudo que reluz rende

Ouro de tolo? Saiba por que grandes fundos agora esperam a queda do metal

Com a redução das incertezas globais, as gestoras como a SPX, Kapitalo Investimentos, Truxt Investimentos, Novus Capital reduziram ou inverteram a posição na commodity

A Bula do Mercado

Mercado torce por boas novas

Investidor busca por notícias que apontem para acordo comercial de fase 1 entre EUA e China, enquanto tenta se desviar da turbulência política na América Latina

Adiós, hermanos

Petrobras deixa de negociar ações na bolsa de valores da Argentina

Companhia informou que os investidores argentinos que tenham ações da Petrobras poderão mantê-las na Caja de Valores ou vendê-las em mercados estrangeiros

um taxa a menos

Governo acaba com seguro obrigatório DPVAT

Medida foi assinada por Jair Bolsonaro e passa a valer já em 2020

Ponto polêmico

Excluído da MP da liberdade econômica, trabalho aos domingos volta

MP inclui a possibilidade na CLT, com a ressalva de que para os estabelecimentos do comércio deverá ser observada a legislação local

Desacelerou

Ministros de comércio dos Brics observam perda de impulso na economia mundial

Autoridades dizem concordar que a “liberalização do comércio é um elemento essencial para liberar o potencial de crescimento econômico

Seu Dinheiro na sua noite

Onde Bolsonaro encontra Dilma

Albert Einstein já dizia que é loucura repetir a mesma coisa esperando obter resultados diferentes. Pois o governo aposta em uma fórmula que já se mostrou equivocada no passado recente para tentar resolver um problema crônico do país: o desemprego. A desoneração da folha de pagamento, medida que foi adotada no governo Dilma, é um […]

Onda tecnológica

Fintechs de crédito são ‘sucesso absoluto’, diz diretor do BC

Autoridade monetária já concedeu licenças a dez SCD e quatro Sociedades de Crédito Entre Pessoas (SEP)

Programa Verde Amarelo

Bolsonaro assina medida que reduz custo para contratação de jovens

Programa atenderá jovens entre 18 e 29 anos que ainda não tiveram seu primeiro emprego. Custo da mão de obra cai entre 30% e 34% para as empresas que aderirem

Valeu, foi bom, adeus

Bolsonaro deve anunciar amanhã saída do PSL em reunião com deputados aliados

Segundo deputados do PSL, o presidente deve se manter, por enquanto, independente, até encontrar um novo partido

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements