Menu
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Foi editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo e do portal IG.
PAPAI NOEL NÃO VEIO

Em vez de rali, Wall Street vive pesadelo de Natal

Os índices Dow Jones teve sua maior quedas já registrada na véspera do Natal, de 2,9%, nos seus 122 anos de história

24 de dezembro de 2018
18:59 - atualizado às 19:41
Decoração de Natal em frente à bolsa de Nova York em dezembro de 2018 - Imagem: Shutterstock

A crise política envolvendo o governo de Donald Trump levou Wall Street a um dia de pesadelos na véspera do Natal. Nessa época do ano, muitos investidores esperam um "rali de fim de ano", puxados por boas notícias do varejo. Desta vez, os sinais negativos de Trump ao mercado derrubaram as bolsas de valores e derrubaram os rendimentos dos Treasuries, os títulos do Tesouro americano.

Os índices Dow Jones teve sua maior quedas já registrada na véspera do Natal, de 2,9%, nos seus 122 anos de história. Já o S&P 500 perdeu 2,7%, o pior desempenho na véspera de Natal desde 1933, de acordo com o site Market Watch. Já a bolsa eletrônica Nasdaq caiu 2,2% nesta segunda-feira, em dia de pregão com horário reduzido.

Sinais negativos

Uma sequência de notícias ruins tomou conta do noticiário no meio do feriado e deixou os investidores apavorados.

Trump X Fed

Donald Trump voltou a criticar abertamente a atuação do Federal Reserve (Fed), quebrando um protocolo entre os presidentes americanos de respeitar a autonomia do banco central do país.

Governo paralisado

O impasse envolvendo a liberação da verba para construção de um muro na fronteira com o México adiou a votação do orçamento dos EUA. Isso provocou uma paralisação parcial das atividades do governo federal desde sábado. Neste domingo, assessores de Trump admitiram que o problema pode se estender até janeiro.

Está tudo bem... só que não

O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, tentou dar um alento aos mercados, mas o tiro saiu pela culatra. Ele afirmou no Twittter que esteve em contato com autoridades de grandes bancos americanos para assegurar o funcionamento normal dos mercados. Em vez de tranquilizar os investidores, a afirmação deixou o mercado ainda mais desesperado.

Crise impactou Treasuries

O caos nos mercados chegou também nos rendimentos do Treasuries, os títulos do Tesouro americano. O rendimento do T-note de dois anos caiu para 2,569%, enquanto o título de dez anos cedeu para 2,736%. Já o yield do T-bond de 30 anos recuava para 2,995%.

Bolsas da Europa sentiram

As bolsas europeias também sofreram com a crise nos Estados Unidos e fecharam em queda. O estrago só não foi maior porque os mercados europeus fecharam antes de Trump dar sua alfinetada no Fed pelo Twitter.

No Brasil, a bolsa de valores estava fechada nesta segunda-feira e só retoma as atividades na quarta-feira (26).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Nada animador

Tesla derrete na bolsa de Nova York após anunciar corte de 7% no quadro de funcionários

Após o anúncio feito pelo CEO da empresa, Elon Musk, através de um email, os papéis da montadora registravam queda de 12% na Nasdaq

Caso Queiroz de volta?

Marco Aurélio Mello dá sinais de que vai rejeitar a suspensão das investigações envolvendo Flávio Bolsonaro

Ministro do STF disse que a “lei vale para todos” e lembrou que, em casos semelhantes, negou seguimento aos processos

Indo pro mercado

Governo de São Paulo anuncia que fundo imobiliário do Estado sairá em março

Segundo o governador João Doria, comercialização do fundo terá início em março deste ano

Nova fase da petroleira

Petrobras anuncia enterro de empréstimos feitos junto aos bancos públicos

Presidente da estatal, Roberto Castello Branco, disse que a petroleira não pegará mais dinheiro com BNDES e Banco do Brasil

Testando a equipe

Por que Davos será decisivo para Bolsonaro?

Sem a presença de Trump, Macron, Macri e Xi Jinping, presidente brasileiro terá um espaço privilegiado no evento

Estreia do novo governo

Discurso de Bolsonaro em Davos defenderá reformas e pilares do liberalismo de Guedes

Apesar do rascunho do discurso já estar pronto, a versão final só deve sair após uma ajudinha de Paulo Guedes

Seu mentor de investimentos

O que você precisa de fato entender na hora de investir seu dinheiro

Nos mercados mundo afora, pouco importa se você é um expert da tecnologia ou das commodities. Na hora H, o que vale mesmo é saber de preço

Ministro da Casa Civil

Para Onyx, família Bolsonaro é vítima de tentativa de desgaste

Vice-presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, atendeu a um pedido da defesa de Flávio Bolsonaro e determinou a suspensão da investigação sobre movimentações de Queiroz

Tá ruim? Injeta dinheiro que melhora!

Mercado azedou? A bolsa caiu? Chama o Fed!

Mudança de discurso do Banco Central americano explica boa parte desse rali das bolsas de valores neste começo de 2019. A questão é: isso vai durar?

Impactou nos papéis

Copel e Sanepar não devem ser vendidas, diz governador do Paraná

Ratinho Júnior sugeriu que as empresas poderiam seguir o exemplo da Compagas, que já conta com uma parceria com grupos privados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu