Menu
2019-05-06T17:02:42+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Não há alternativa

Crescimento da economia vem com a reforma da Previdência, diz Guedes

Segundo ministro, que falou ao lado de Bolsonaro, o Brasil é prisioneiro de uma armadilha de baixo crescimento

6 de maio de 2019
16:47 - atualizado às 17:02
Bolsonaro e Paulo Guedes
Presidente Jair Bolsonaro e ministro da Economia, Paulo Guedes. - Imagem: Eduardo Campos/Seu Dinheiro

Ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que com a aprovação da reforma da Previdência, o Brasil retoma seu caminho de crescimento econômico sustentado.

“O Brasil é prisioneiro de uma armadilha de baixo crescimento e vamos escapar disso com as reformas. A reforma da Previdência abre um horizonte de 10 a 15 anos de recuperação do crescimento”, disse.

Guedes deu as declarações depois de uma reunião de cerca de uma hora com Bolsonaro, que foi ao Bloco P da Esplanada dos Ministérios para ter com o ministro e com os secretários. Segundo Bolsonaro, outras visitas a ministérios ocorrerão, para dar suporte e ouvir eventuais críticas.

Ainda de acordo com Guedes, que tinha sido questionado sobre as revisões para baixo nas estimativas do PIB, assim que a reforma for aprovada há uma disparada nas zonas de investimento interno, que atraem, também, os investimentos externos.

“Nós vamos começar a simplificar e reduzir os impostos. Vamos fazer a descentralização para recursos para Estados e municípios e o Brasil, de julho em diante já está crescendo de novo. Essa é a verdade, a verdade do crescimento”, afirmou.

Bolsonaro sobre reformas

Questionado sobre a campanha de propaganda em defesa da reforma da Previdência, Bolsonaro disse que a outra alternativa, se o Brasil continuar tendo déficit é imprimir moeda, mas ponderou, questionado Guedes, que o vem atrás é a inflação.

Outra saída, segundo Bolsonaro é conseguir empréstimos externos. “Será que querem emprestar para nós? E a que taxa de juros?”

“Não temos alternativa. A reforma da Previdência é o primeiro grande passo para conseguirmos a nossa liberdade econômica”, disse Bolsonaro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

É tudo um time só

O presidente também foi perguntado sobre o ministro da Secretaria Especial, general Santos Cruz, que está sob ataque nas redes sociais e sofre duras críticas de Olavo de Carvalho.

Segundo Bolsonaro, o ministro não pediu demissão e segue trabalhando normalmente. “De acordo com a origem do problema a melhor resposta é ficar quieto, pois temos coisas muito, mas muito mais importantes para discutir no Brasil. Aqueles que por ventura não tenham tato político estão pagando preço junto à mídia. Mas não existe grupo de militares, nem grupo de Olavos. É tudo um time só”, afirmou.

Minha Casa, Minha Vida

Questionado sobre o orçamento para o programa Minha Casa, Minha Vida, Guedes disse que o presidente sabe de sua importância, mas com 70 mil unidades devolvidas, e outras 60 mil não tendo sido terminadas, “é um programa que precisa passar por reavaliações”, pois “tem algum problema no programa. Estamos seguindo enquanto fazemos a reavaliação”.

Segundo Guedes, a Caixa segue o cronograma de liberação de recursos e não houve nenhum contingenciamento.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

mandou o recado

Restante da agenda ficará para 2020, diz novo líder do governo no Congresso

Foco da articulação em 2019, destacou, será terminar a votação da reforma da Previdência no Senado e concluir a avaliação do Orçamento de 2020

Racha no PSL

Esperava mais respeito e gratidão, diz Joice Hasselmann

Joice Hasselmann (PSL-SP) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro usou a Presidência da República para interferir no Legislativo. “O próprio presidente estava ligando e pressionando deputados para assinar uma lista”, disse.

mudança de planos

Governo adia reforma tributária e prioriza redução de R$ 30 bi em gastos

Com dificuldade para articular uma ampla agenda de reformas até o fim do ano, equipe econômica decidiu enxugar o pacote de medidas estruturais

Em crise

Crise EUA e China ameaça o mundo, diz chefe do FMI

A perspectiva global é precária, afirma Georgieva na apresentação de sua agenda política imediata. O conjunto de riscos, acrescenta, está ligado em primeiro lugar a uma possível ampliação das tensões no comércio e a crescentes vulnerabilidades financeiras.

situação complicada

16 Estados tiveram piora nas contas ou ficaram estagnados em 2018

Lista foi elaborada segundo o critério “solidez fiscal” – definido como a capacidade de o governo administrar as contas públicas

de olho no desempenho

Produção de petróleo da Petrobras cresce 16,9% no terceiro trimestre

Segundo especialista, resultado abre caminho para que outras empresas se interessem pelo investimento no Brasil. 

em meio a disputa tarifária

Resultado trimestral de PIB da China tem avanço mais lento em 27 anos

Indicador avançou 6% no terceiro trimestre de 2019; resultado foi ligeiramente abaixo de expectativas de analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, que previam alta de 6,1%.

hora da partilha

Bolsonaro sanciona lei que divide recursos do megaleilão do petróleo

Leilão do excedente de petróleo da chamada cessão onerosa está marcado para 6 de novembro e tem previsão de arrecadar R$ 106,6 bilhões

sem EUA por ora

Crise no PSL deixa indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada em suspenso

Auxiliares de Bolsonaro afirmam que, apesar da peregrinação, Eduardo não conseguiu convencer um número suficiente de senadores a apoiarem seu nome

clima tenso

Flávio e Eduardo Bolsonaro são destituídos de diretórios do PSL

Destituições são mais um capítulo da crise interna do partido que opõe parlamentares que apoiam Bivar aos aliados do presidente da República

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements