Menu
Clima azedo lá fora

Cresce preocupação com efeitos da paralisação nos EUA e da indefinição do Brexit

Com esse pano de fundo, tem crescido a aposta dos investidores de que o Federal Reserve não deve subir os juros este ano, observa relatório do Instituto Internacional de Finanças (IIF)

20 de janeiro de 2019
8:27
Bolsa de NY (NYSE): guerra comercial e expectativa de desaceleração da economia mundial também contribuem para tensão nos mercados globais. - Imagem: Shutterstock

O começo de 2019 tem sido marcado por forte aumento da incerteza com o ambiente político nos Estados Unidos e na Europa, avalia neste sábado o Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelas 500 maiores instituições financeiras do mundo, com sede em Washington. Preocupações com as consequências políticas e econômicas da paralisação parcial do governo norte-americano, que já é a maior da história, estão "crescendo rapidamente", ressalta relatório.

No Reino Unido, as dúvidas sobre o que vai acontecer com o processo de separação da região da União Europeia, o Brexit, se avolumam e podem ter repercussões negativas na confiança de empresários e investidores, com repercussões que podem ir bem além da Europa, de acordo com o documento, assinado pelos economistas, Paul Della Guardia e Khadija Mahmood.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Estas preocupações políticas aliadas às dúvidas sobre como vão ficar as relações comerciais entre Washington e Pequim e renovados temores sobre a desaceleração da economia mundial têm tido forte influência no mercado financeiro mundial neste começo de 2019, especialmente nas bolsas de valores, que mostraram volatilidade alta nos últimos dias, ressalta o IIF. Com esse pano de fundo, tem crescido a aposta dos investidores de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) não deve subir os juros este ano, observa o relatório.

Um sinal de alerta sobre os rumos da atividade global pode ser observado nos balanços dos grandes bancos dos EUA, segundo o IIF. Um dos destaques foi o aumento das provisões para devedores duvidosos, o que revela preocupações destas instituições com os efeitos que a desaceleração da economia pode ter nas famílias e empresas. Além disso, alguns bancos estão prevendo crescimento mais moderado das receitas pela frente.

Em meio ao temor de desaceleração da economia mundial, o elevado endividamento de empresas representa uma crescente fonte de vulnerabilidade, alerta o IIF. Os passivos de companhias não financeiras atingiram 92% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial no terceiro trimestre de 2018, segundo os números mais recentes. O porcentual é recorde e parte importante do crescimento ocorreu pelo aumento das dívidas de empresas da China, segundo o relatório. Uma das razões para isso, avalia o IIF, pode ser o interesse de Pequim de estimular a atividade por meio do mercado de empréstimos, uma forma de ofuscar os efeitos negativos do conflito comercial com os EUA.

O crescimento do endividamento corporativo também ocorreu em empresas norte-americanas, que chegou a US$ 15 trilhões ao final do terceiro trimestre do ano passado - US$ 1,5 trilhão a mais do que era ao final de 2016, de acordo com o IIF.

Comentários
Leia também
Com governo em crise

“Estamos determinados a mudar o rumo do país”, diz Bolsonaro no Twitter

Segundo presidente, o governo está fiscalizando recursos, diminuindo gastos, propondo endurecimento penal e a reforma da Previdência

Crise no governo

Magoado, Bebianno não vai poupar filho de Bolsonaro

A interlocutores, Bebianno tem deixado clara sua mágoa com a atitude do vereador do Rio de Janeiro que tentou lhe cunhar a pecha de mentiroso

No Twitter

Trump diz que fará reuniões e ligações importantes sobre acordo comercial com a China

Na última sexta-feira, Trump comunicou que americanos e chineses estariam “muito próximos” de um “acordo muito bom”

Entrevista

“Sem investimentos será difícil continuar”, diz presidente da GM no Brasil

Segundo Carlos Zarlenga, negociações com funcionários, fornecedores, concessionários e governos para atrair novos projetos estão dando certo

Reformar é preciso

Guedes vence primeira batalha da Previdência, mas guerra será longa

Força da reforma parcialmente apresentada está no tempo de transição de 12 anos, mais curto que o previsto no texto enviado por Michel Temer

Bon Vivant

Hospedagem com tons de realeza: conheça os mimos dos hotéis ‘6 estrelas’ do Brasil

Hotéis mais luxuosos do país apostam em experiências exclusivas, vinhos e charutos raros, além de uma boa dose de romantismo

Caso Coaf

MP teria informação de que advogado de Flávio Bolsonaro atuou no caso Queiroz, diz jornal

Motorista de senador, Victor Alves teria mantido contato direto com o ex-motorista em nome de Flávio nos primeiros dias, quando o caso veio à tona

Small cap

A prova de fogo da Linx para emplacar seu sistema de pagamentos, o Linx Pay

Para esclarecer como será feita a distribuição da nova solução e quais são as perspectivas para o futuro da empresa, conversei com o presidente da companhia, Alberto Menache

Após 'briga' com setor agropecuário

Equipe econômica vai revisar 37 medidas antidumping

De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), estão em revisão 37 medidas antidumping e outras 39 vencem ao longo de 2019

Suspeita de lavagem de dinheiro

Raquel Dodge pede ao STF que mande para o TRE inquérito que envolve Kassab e JBS

No inquérito, a PF identificou pagamentos de R$ 23,1 milhões da JBS a Kassab e disse ver indícios de lavagem de dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu