Menu
2019-04-05T10:23:45+00:00
Clima azedo lá fora

Cresce preocupação com efeitos da paralisação nos EUA e da indefinição do Brexit

Com esse pano de fundo, tem crescido a aposta dos investidores de que o Federal Reserve não deve subir os juros este ano, observa relatório do Instituto Internacional de Finanças (IIF)

20 de janeiro de 2019
8:27 - atualizado às 10:23
Bolsa de Nova York (NYSE) em setembro de 2011
Bolsa de NY (NYSE): guerra comercial e expectativa de desaceleração da economia mundial também contribuem para tensão nos mercados globais. - Imagem: Shutterstock

O começo de 2019 tem sido marcado por forte aumento da incerteza com o ambiente político nos Estados Unidos e na Europa, avalia neste sábado o Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelas 500 maiores instituições financeiras do mundo, com sede em Washington. Preocupações com as consequências políticas e econômicas da paralisação parcial do governo norte-americano, que já é a maior da história, estão "crescendo rapidamente", ressalta relatório.

No Reino Unido, as dúvidas sobre o que vai acontecer com o processo de separação da região da União Europeia, o Brexit, se avolumam e podem ter repercussões negativas na confiança de empresários e investidores, com repercussões que podem ir bem além da Europa, de acordo com o documento, assinado pelos economistas, Paul Della Guardia e Khadija Mahmood.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Estas preocupações políticas aliadas às dúvidas sobre como vão ficar as relações comerciais entre Washington e Pequim e renovados temores sobre a desaceleração da economia mundial têm tido forte influência no mercado financeiro mundial neste começo de 2019, especialmente nas bolsas de valores, que mostraram volatilidade alta nos últimos dias, ressalta o IIF. Com esse pano de fundo, tem crescido a aposta dos investidores de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) não deve subir os juros este ano, observa o relatório.

Um sinal de alerta sobre os rumos da atividade global pode ser observado nos balanços dos grandes bancos dos EUA, segundo o IIF. Um dos destaques foi o aumento das provisões para devedores duvidosos, o que revela preocupações destas instituições com os efeitos que a desaceleração da economia pode ter nas famílias e empresas. Além disso, alguns bancos estão prevendo crescimento mais moderado das receitas pela frente.

Em meio ao temor de desaceleração da economia mundial, o elevado endividamento de empresas representa uma crescente fonte de vulnerabilidade, alerta o IIF. Os passivos de companhias não financeiras atingiram 92% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial no terceiro trimestre de 2018, segundo os números mais recentes. O porcentual é recorde e parte importante do crescimento ocorreu pelo aumento das dívidas de empresas da China, segundo o relatório. Uma das razões para isso, avalia o IIF, pode ser o interesse de Pequim de estimular a atividade por meio do mercado de empréstimos, uma forma de ofuscar os efeitos negativos do conflito comercial com os EUA.

O crescimento do endividamento corporativo também ocorreu em empresas norte-americanas, que chegou a US$ 15 trilhões ao final do terceiro trimestre do ano passado - US$ 1,5 trilhão a mais do que era ao final de 2016, de acordo com o IIF.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Buscando oxigênio

Plano de recuperação do RS apresentado a Guedes tem impacto fiscal de R$ 60 bilhões em 6 anos

A expectativa do governador Eduardo Leite é de que o Estado possa aderir ao regime de recuperação fiscal ainda em 2019

Mudanças no órgão

Relator diz que nome do Coaf será mantido e haverá indicação apenas de servidores

Deputado Reinhold Stephanes Junior iniciou a leitura de seu relatório sobre a Medida Provisória nº 893, que trata do “novo Coaf”

Investindo em energia

BNDES aprova empréstimo de R$ 1,26 bilhão para complexo eólico da Engie na Bahia

Investimento total no complexo é de R$ 1,6 bilhão, incluindo as linhas de transmissão associadas

Mais um passo

Comissão especial da Câmara aprova texto principal da reforma da Previdência dos militares

Votação é terminativa, mas o projeto pode ir ao plenário da Casa se for apresentado um requerimento com 51 assinaturas

Falando de mercado imobiliário

Preço dos imóveis residenciais no país cresce 0,32% em setembro, diz Abecip

No acumulado dos últimos 12 meses, o preço dos imóveis teve aceleração, chegando a 2,55% em setembro ante 2,33% em agosto

QUINTA-FEIRA, ÀS 11H

Os 90 anos da crise de 1929: uma conversa ao vivo com Ivan Sant’Anna

Ivan Sant’Anna e a equipe do Seu Dinheiro farão uma transmissão ao vivo nesta quinta-feira (24), às 11h00, para discutir o crash da bolsa de Nova York — evento que está completando 90 anos

This time is different?

Dólar alto e juro baixo? Para Verde Asset essa é uma equação possível

Em artigo, gestora do renomado Luis Stuhlberger detalha o que poderia ser o novo normal da economia brasileira

E a crise continua...

Major Olimpio pedirá destituição do diretório comandado por Eduardo Bolsonaro

Episódio é mais um capítulo da disputa travada por bolsonaristas e o grupo do deputado federal Luciano Bivar, presidente da sigla, pelo comando do partido

No entra e sai de dólares

Fluxo cambial total em outubro até dia 18 é negativo em US$ 6,224 bilhões

Já o fluxo cambial do ano até 18 de outubro ficou negativo em US$ 19,195 bilhões

Agendado

Tasso Jereissati diz que votação da PEC paralela da reforma da Previdência na CCJ do Senado será em 6 de novembro

Projeto prevê a possibilidade de Estados e municípios aderirem às novas regras de aposentadoria e pensão no País

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements