Menu
2019-05-23T11:51:47+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mais mercado, menos bancos

Crédito total no país é de R$ 9,5 trilhões ou 138% do PIB e governo fica com quase metade disso

Banco Central passa a apresentar dados sobre o crédito ampliado, que além das operações feitas no sistema financeiro, agrega títulos públicos, privados e operações externas

23 de maio de 2019
11:51
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

O Banco Central (BC) passará a apresentar em base mensal estatísticas de crédito ao setor não financeiro no conceito ampliado, que abrange além das operações feitas por bancos e outras instituições financeiras, os créditos obtidos via emissão de títulos da dívida pública e privada, como debêntures, e aqueles concedidos por não residentes.

Os primeiros dados apresentados pelo BC, mostram uma relação crédito sobre o Produto Interno Bruto (PIB) bem maior do que aquela que estamos acostumados a ver mensalmente nas estatísticas da autoridade monetária.

No conceito ampliado, o crédito no país fechou 2018 em R$ 9,446 trilhões, o que representa 138,3% do PIB. Ao considerarmos apenas as operações feitas no âmbito do sistema financeiro nacional (SFN), o valor foi de R$ 3,473 trilhões, ou 50,9% do PIB, que é o número usualmente conhecido.

Entre 2016 e 2018, o crédito no âmbito do SFN teve crescimento nominal de 5,37%, enquanto a emissão de títulos da dívida avançou 30,5%, e os empréstimos classificados como dívida externa subiram 18,2%. Com isso, temos que o crédito ampliado cresceu 17,5% nesse mesmo período.

crédito pib

A abertura dos dados vai nos ajudar a observar um fenômeno que o próprio BC vem destacando em algumas de suas publicações, que trata de uma substituição do SFN pelo mercado de capitais, principalmente, no financiamento às empresas.

Há um esforço do BC e do governo em fazer um movimento para aprofundar o mercado de capitais como fonte de financiamento e toda essa agenda também conversa com as medidas de ajuste fiscal.

Os temas parecem desconexos, mas a coisa é mais ou menos assim. Como o governo gasta mais do que arrecada, se torna um firme demandante pelos recursos disponíveis na economia. Como tem risco de calote quase zero e títulos públicos são “quase dinheiro” (preferência pela liquidez), o tamanho do Estado no mercado de crédito promove o chamado “crowding out” do setor privado.

Com o Estado reduzindo sua necessidade de financiamento, tenderíamos a ver uma maior oferta de recursos para financiar o setor privado, que faria então o chamado "crowding in". Isso sem falar na taxa de juros. Pois com juros elevados, não tem nada melhor que emprestar para o governo, mas com Selic baixa e estável a coisa começa a mudar de figura.

Em suma, é o que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, vem advogando em praticamente todos os seus discursos públicos: "O mercado precisa se libertar da necessidade de financiar o governo e se voltar para o financiamento ao empreendedorismo."

Quem fica com esse dinheiro?

Pouco mais da metade desses quase R$ 9,5 trilhões, ou 56% para ser mais exato, estão com empresas privadas, públicas e famílias. Já o governo consome os 44% restantes, entre administração pública federal, estadual e municipal. O que reforça os argumentos acima.

Em dezembro de 2018, o maior componente do crédito total foi o de títulos públicos, respondendo por 35% do total, seguido pela carteira do SFN, com 34%. A dívida externa representou 22% do crédito total, enquanto o mercado de capitais e os outros empréstimos corresponderam a 6% e 2%, respectivamente.

Abrindo os dados para empresas e famílias, temos R$ 5,3 trilhões em crédito no fim de 2018, ou 77,7%  do PIB. Aqui, a carteira do SFN domina, respondendo por 59% do saldo total. A segunda fonte de financiamento mais relevante é o crédito fornecido por não residentes, com 26%. O mercado de capitais e os outros empréstimos responderam, na ordem, por 11% e 4%, respectivamente.

Já o crédito ampliado ao governo geral, que compreende recursos para custeio e investimento da administração pública (excluída as empresas estatais), foi de R$ 4,1 trilhões em dezembro de 2018, ou 60,6% do PIB.

Segundo o BC, sua maior parcela corresponde aos títulos emitidos no mercado doméstico, com 90%, e adquiridos por residentes e não residentes. As operações de crédito do SFN representam somente 3% desse total.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Abrindo os dados

Dentro do grupo títulos da dívida, estão os papéis emitidos no mercado doméstico por pessoas jurídicas não financeiras e por entidades do setor público, excluídos aqueles detidos por não residentes, que são classificados na dívida externa.

Aqui temos debêntures e instrumentos de securitização, como Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) e direitos creditórios em carteira de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC).

Há uma natural prevalência dos títulos públicos, que fecharam 2018 somando R$ 3,326 trilhões, ou 48,7% do PIB. Mas observado os demais componentes observamos crescimento relevante e superior ao da dívida pública, que aumentou 28,8% desde 2016.

No segmento de títulos privados, onde entram as debêntures, o valor era de R$ 371 bilhões, ou 5,4% do PIB, ante R$ 256 bilhões no fim a de 2016, avanço de 45%.

Em instrumentos de securitização (CRI, CRA e FIDC), o avanço no período foi de 34%, de R$ 167 bilhões para R$ 224 bilhões, ou 3,3% do PIB.

Dívida externa

O conceito aqui abrange ao saldo dos recursos captados no exterior mediante a contratação de empréstimos ou a emissão de títulos. São as operações de crédito concedidas por não residentes para residentes.

Em 2018, a dívida externa total fechou em R$ 2,052 trilhões, ou 30% do PIB. Desse total, tínhamos R$ 1,332 trilhão em empréstimos, contra R$ 1,110 trilhão, em 2016. Outros R$ 312 bilhões em títulos emitidos no mercado externo (R$ 212 bilhões em 2016) e mais R$ 407 bilhões em títulos emitidos no mercado local (R$ 413 bilhões em 2016).

A íntegra do estudo pode encontrada aqui. Esse estudo faz parte da divulgação do Relatório de Economia Bancária, que será apresentado na íntegra na terça-feira da próxima semana. Os dados mais aguardados do REB são os referentes ao spread bancário e à concentração e concorrência no sistema financeiros.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

mal estar

‘Promessa’ de liberar recurso causa desgaste entre membros do governo

Área econômica do governo está incomodada com a postura de ministros e até do vice-presidente de antecipar valores e se comprometer com novos desbloqueios

O caminho para um acordo

Vice-ministro chinês vai visitar Washington para preparar negociações

Liao vai chefiar uma delegação de autoridades chinesas, segundo a agência de notícias oficial Xinhua News, mas Pequim não detalhou a agenda do vice-ministro na capital dos Estados Unidos

Epidemia na Ásia

Coreia do Sul inicia abate de porcos após confirmação de febre suína

Cerca de 4 mil porcos de três fazendas da região afetada serão abatidos ainda nesta terça. Também haverá um esforço de limpeza em outras unidades produtivas das cercanias

não é bem assim...

Oi diz que desconhece interesse da Telefônica, após reportagem

Companhia encaminhou um ofício para a B3; reportagem dizia que tele espanhola estaria interessada nos ativos da companhia brasileira – em especial, nas redes de telefonia e dados móveis, que integram as tecnologias 3G e 4G

A bula do mercado

Ataques na Arábia Saudita impõem incerteza aos mercados

Analistas ainda tentam determinar os efeitos do incidente ocorrido no final de semana sobre o petróleo

Entrevista

Esqueça Brasília, quem dita o rumo do Brasil e do mundo é a China, diz Volpon do UBS

Em livro recém-lançado, economista do UBS e ex-diretor do BC, Tony Volpon, também nos conta que a crise financeira não foi culpa dos homens de olhos azuis nem da tal ganância dos mercados

Entrevista

Bolsonaro: Petrobras não deve mudar o preço dos combustíveis

Presidente falou que tendência é seguir preço internacional, mas que como movimento é atípico, Petrobras manterá preços. CPMF saiu de vez dos planos

Jogando para o mercado

Infraero: venda de fatia em 4 aeroportos deve ocorrer em 2020

Companhia está em fase de contratação da consultoria que fará a avaliação dos ativos para colocá-los no mercado

Seu Dinheiro na sua noite

Um evento pode mudar tudo (ou não)

Se você tivesse a oportunidade de perguntar a qualquer analista de mercado na última sexta-feira o que esperar para os preços do petróleo, ele provavelmente responderia “queda”. Havia de fato todas as razões para acreditar na baixa. A guerra comercial entre Estados Unidos e China, o risco de recessão da economia internacional e o excesso […]

Pagando as contas

Tesouro diz que União honrou R$ 633,71 milhões em dívidas de GO, MG, RJ e RN em agosto

Nos primeiros oito meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,252 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União desses quatro Estados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements