Menu
2019-08-30T13:40:24+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Novidades

Apple vai apresentar iPhone 11 em setembro; veja o que se sabe até agora

A expectativa é que sejam apresentados o iPhone 11, assim como dois novos smartphones, o iPhone 11 Pro e iPhone Pro Max

30 de agosto de 2019
11:56 - atualizado às 13:40
iPhone da Apple
iPhone da Apple - Imagem: Shuttestock

Entre as tradições que a Apple costuma manter, uma delas é o lançamento de um dos seus principais produtos, o iPhone. Desde 2012, todos os meses de setembro são reservados para mostrar ao mundo o produto que é um dos sonhos de consumo de muita gente.

E como não podia deixar de ser, a companhia deve fazer o lançamento do iPhone 11 no próximo dia 10 de setembro. Isso porque a Apple começou a enviar convites para a imprensa para um evento da companhia na data. As informações são do site Business Insider.

Ainda que o dia não tenha sido confirmado de fato, a expectativa é que sejam apresentados o iPhone 11, assim como dois novos smartphones, o iPhone 11 Pro e iPhone Pro Max.

Novidades

De acordo o site, os rumores são que o iPhone 11 venha com um sistema de câmera tripla em um quadrado, o que permitiria tirar fotos com uma grande angular e seria parecido ao sistema dos novos celulares da Samsung.

Outro ponto é que ele viria com uma ferramenta que permitiria que o cliente recarregasse o seu Apple Watch e os AirPods via wireless.

Outra possibilidade é o suporte à caneta eletrônica do iPad, o que tende a aproximar o lançamento à linha Galaxy Note, da Samsung. Dessa forma, a Apple deve apresentar uma versão miniaturizada da Apple Pencil para o celular, assim como mostram imagens vazadas.

Ainda que os iPhones venham com novidades, nenhum deles deve ser dotado de tecnologia 5G. A expectativa é que a companhia apresente modelos desse tipo apenas em 2020, segundo o site.

Além do lançamento do iPhone, a Apple também deve apresentar mais informações sobre os serviços da Apple TV Plus, que vai concorrer com a Netflix e Amazon Prime Video, ao fornecer um catálogo de séries, filmes, documentários e shows exclusivos e não originais.

A empresa também deve oferecer mais detalhes sobre o Apple Arcade, um serviço de assinatura voltado para games com mais de 100 jogos exclusivos e que ficará disponível offline.

De olho nos números

Mesmo depois de passar por tempos difíceis marcados pelo acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China, os papéis da Apple (código AAPL) apresentam alta de 33,54% no ano. Por volta das 10h55 desta manhã no horário de Brasília, eles estavam sendo negociados a US$ 209,04.

Mas a situação mais delicada não impactou tanto no balanço da companhia. Ao contrário do que apontavam as projeções para o balanço da Apple, a empresa capitaneada por Tim Cook reportou um conjunto de números relativamente sólido no segundo trimestre. 

Na ocasião, a queda nas vendas de iPhones foi compensada por um aumento nas receitas geradas com iPads, iMacs e serviços, e as perdas na China não foram tão grandes quanto o imaginado.

A receita líquida da Apple chegou a US$ 53,8 bilhões no trimestre encerrado em junho, cifra 1% maior que a contabilizada no mesmo período de 2018, de US$ 53,3 bilhões. O resultado ficou ligeiramente acima da média das estimativas de analistas consultados pela Bloomberg, que apontava para receita de US$ 53,35 bilhões.

Por outro lado, o lucro líquido da empresa da maçã caiu 12,8% na mesma base de comparação, para US$ 10,04 bilhões. O lucro por ação, métrica que é acompanhada mais de perto pelos analistas lá de fora, ficou em US$ 2,18 — abaixo dos US$ 2,34 vistos há um ano.

Mas, apesar da queda na comparação anual, o lucro por ação ainda ficou acima das projeções dos analistas, que esperavam um ganho de US$ 2,10, também de acordo com a média calculada pela Bloomberg.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

tensão

Preços do petróleo disparam após ataques na Arábia Saudita

Duas grandes refinarias da empresa petrolífera Aramco foram atacadas no último sábado, 14; oferta de petróleo no mundo pode sofrer uma queda de até 5%; neste domingo, contratos futuros chegaram a saltar 19%

após ataques

Petroleira saudita diz que pretende retomar um terço da produção até esta segunda

As atividades da Aramco, a estatal saudita, foram interrompidas devido a um ataque contra suas unidades no último sábado 14

guerra comercial

‘O objetivo de Washington é usar bullying e pressão’, diz embaixador da China no Brasil

Para Yang Wanming, comércio entre Brasil e China tende a sofrer no médio e longo prazos; ele diz que a guerra comercial arruinou a confiança do mercado internacional

a hora e a vez da americana

O que a Amazon, de Jeff Bezos, quer no Brasil?

Gigante varejista dos Estados Unidos avança no Brasil com lançamento do serviço Prime, mas o que isso significa para o setor do varejo e a concorrência?

tendência

Marfrig vai exportar carne vegetal para ao menos quatro países

Companhia brasileira anunciou no início de agosto a produção e comercialização de produtos à base de proteína vegetal, numa parceria com a americana ADM

tensão

Ataque à Aramco, na Arábia Saudita, pode afetar 5% da produção mundial de petróleo

Ataques à Aramco ocorrem em meio à escalada das tensões entre os rebeldes houthis, aliados do Irã, com a Arábia Saudita, apoiada pelos EUA

Proteção para a sua carteira

Ao escalar sua seleção de ações, pense duas vezes antes de colocar Vale e Suzano na defesa

As ações das exportadoras Vale e Suzano, clássicas opções defensivas para um cenário de dólar forte, acumulam desempenho negativo no ano, pressionadas pelos preços do minério e da celulose em baixa. Se esses papéis já não têm mais o mesmo apelo defensivo de antes, quais ativos da bolsa podem ocupar o miolo da zaga do seu portfólio?

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements