Menu
2019-07-30T17:05:40+00:00
Falta muito

Abimaq: “liberação de FGTS é ‘band aid’ para caso que requer quimioterapia”

Diretor de Competitividade da associação afirma que o governo não precisa aumentar os investimentos para alavancar a economia

30 de julho de 2019
17:05
FGTS
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

No curto prazo o Brasil precisa aumentar os investimentos públicos para levar a economia à retomada do seu crescimento e não apenas aumentar o consumo, disse nesta terça-feira, 30, o diretor de Competitividade da Associação da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Mário Bernardini.

Para ele, que faz questão de lembrar que o Brasil já teve sua experiência malsucedida no estímulo à demanda apartada do investimento na oferta, liberar recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é aplicar "um 'band aid' em um paciente cujo caso requer quimioterapia".

"Não diria que o governo está dando um tiro no pé ou cometendo um erro. Apenas que é insuficiente e se esgota em si mesmo", disse, acrescentando que o FGTS vai colocar no mercado R$ 20 bilhões a R$ 25 bilhões - o governo fala em R$ 30 bilhões - que depois acabam.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Segundo Bernardini, tomando como base a liberação de recursos do FGTS e do PIS/Pasep no governo Temer, é sabido que metade dos recursos vai para pagar dívidas, o que é muito bom porque desalavanca as famílias, e que só metade vai para o consumo.

"Essa parte que vai para o consumo é muito pouco. Acho que isso é um band aid para um caso que precisa de quimioterapia. E a quimioterapia, neste caso, é investimento público em infraestrutura escolhendo aqueles setores que têm mais conteúdo em construção civil, que responde mais à fila do desemprego, e tocando as coisas que já estão prontas", afirmou Bernardini.

Não é preciso inventar nada, de acordo com o diretor da Abimaq. De acordo com ele, tem um monte de obras que estão começadas e paradas e que basta o governo concluí-las para elas darem efeitos. "A relação custo-benefício é favorável até que durante um ano, um ano e meio se teria condições e um ambiente em que os investimentos privados internos e externos se sentissem confortáveis para começarem a substituir o investimento público", disse.

Para Bernardini, as duas coisas não são excludentes. Uma complementa a outra e neste momento a partida tem que ser dada pelo investimento público.

De acordo com o diretor da Abimaq, a retomada de crescimento é mais importante no curto prazo do que as reformas a que o governo tem tanto se dedicado, já que os impactos das reformas da Previdência e tributária são para o médio e longo prazo.

"Mas o governo precisa deixar a ideologia de lado e investir em infraestrutura. Não faz por uma questão de sua ideologia liberal. Temos quase 30 mil obras iniciadas e não acabadas para concluir. Não estamos pedindo para inventar coisas novas. É só acabar as obras começadas", reiterou.

O diretor da Abimaq diz que o que mais preocupa é o desemprego porque deságua no aumento da violência. Para ele, do jeito que a situação se encontra a retomada do emprego não virá antes de dois anos. E o País, segundo ele, não aguenta esperar mais dois anos com 13 milhões de pessoas desempregadas. "O governo deveria deixar a ideologia de lado, abrir uma exceção e promover investimentos públicos até que os investimentos privados possam ser retomados", sugeriu.

A questão do desemprego no Brasil para Mario Bernardini é apavorante porque contribui cada vez mais para o aumento da criminalidade. Isso porque, de acordo com ele, o maior número de desempregados está entre os mais jovens. "Que esperança esse jovem tem? Vai ser adotado pelo tráfico porque o traficante dá ao jovem um salário. E o que o governo está fazendo?", criticou Bernardini.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

olho nos números

Prévia da inflação de agosto tem menor taxa para o mês desde 2010

IPCA-15 variou 0,08%; no ano, o índice acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, informa o IBGE

atenção

Confiança do consumidor sobe em agosto, mas ainda há cautela, diz FGV

Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,1 ponto no mês em comparação a julho, chegando a 89,2 pontos

segue a tensão

China promete novamente contramedidas em reação a tarifas dos EUA

Segundo o porta-voz, apesar da decisão do presidente americano, Donald Trump, de adiar algumas das cobranças, as tarifas violaram um consenso entre as potências

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Prudência

Cautela no exterior faz Ibovespa operar em queda; dólar sobe a R$ 4,05

O Ibovespa aparece no campo negativo e volta ao patamar dos 100 mil pontos, pressionado pelo tom de maior precaução que toma conta dos ativos globais

Câmbio

BC vende US$ 550 milhões em leilão à vista de dólar

Com venda integral do lote ofertado, não teremos, hoje, o leilão de swap tradicional. Mercado trocou swap por dólar de verdade

no documento

BCE discutiu pacote de estímulos monetários em reunião de julho, mostra ata

Banco Central Europeu também considerou examinar formas de fortalecer sua orientação futura (“forward guidance”) paras os juros

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Bienvenido ao paraíso dos especuladores

Enquanto (quase todos) os bancos centrais do mundo reduzem os juros, há uma taxa em escalada aqui do lado. A Argentina subiu seu juro para 74% ao ano diante do pânico dos investidores com a vitória da esquerda nas eleições primárias no início do mês. Poxa, 74% ao ano na renda fixa é uma bolada, […]

será que vai?

Guedes não mostrou proposta de privatização da Petrobras, diz Bolsonaro

Ontem, reportagem disse que o governo quer concluir a venda da estatal até 2022; as ações da Petrobras dispararam

mais um que passou

Câmara aprova projeto que permite posse de arma em toda a propriedade rural

Projeto segue para Bolsonaro sancionar ou vetar; regra atual diz que posse só é permitida na sede da propriedade

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements