Menu
2019-06-14T09:33:49+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Pibinho

A economia não cresce? Tá difícil de arrumar emprego? Pode culpar Brasília

Índice de Atividade Econômica do Banco Central (BC) decepciona em abril, mas não deve fazer preço nos mercados. Quem manda nisso é a política

14 de junho de 2019
9:31 - atualizado às 9:33
Plenário do Senado
Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária para votar as medidas provisórias 871/2019, que combate irregularidades em benefícios previdenciários. Em destaque, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). - Imagem: Roque de Sá/Agência Senado

Decepção com indicadores de atividade virou rotina e hoje não foi diferente. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) mostrou retração de 0,47% em abril, marcando o quarto mês seguido de leitura negativa, algo que não se via desde meados de 2015.

Indo direto ao ponto e como já falamos outras vezes, isso tem pouca importância para o futuro dos nossos investimentos. O foco do mercado está aqui em Brasília, onde se aguardam os desdobramentos da reforma da Previdência.

A reforma não é a salvação da pátria, mas parece existir o consenso de que esse é o passo primordial para que outras medidas de governo e do setor privado sejam tomadas.

Como disse o ministro Paulo Guedes, ao comentar o pibinho do primeiro trimestre: “A economia não está respondendo. Respondendo a quê? Não fizeram nada ainda!”

Já passamos pela grande onda de revisões de crescimento e agora estamos vendo o pessimismo se retroalimentando no exato reverso do visto até o começo do ano. Após as eleições, tomados pela euforia de um governo de aspiração liberal, chegamos a ver projeções de crescimento de mais de 3% para esse 2019.

Agora, o pessoal do mercado e consultorias começa a se conformar com algo perto de 1% e já tem gente achando que o PIB pode ficar próximo de zero ou até mesmo negativo.

Quem vai ditar se isso é pessimista demais também é Brasília. Se a reforma passa na Câmara antes de agosto, podemos ver alguma reação do lado real começando na segunda metade do ano. Se ficar para setembro ou outubro, 2019 fica como mais um ano perdido de uma década perdida.

A decepção e a angústia com a falta de crescimento também esquentam os debates sobre o que o governo e o Banco Central (BC) deveriam fazer. Mas tanto Paulo Guedes, quanto Roberto Campos Neto já disseram que não têm vocação para “animador de PIB”, como foi Guido Mantega.

Guedes foi direto ao ponto e disse que é insanidade fazer as mesmas coisas e esperar resultados diferentes. Mesmas coisa aqui seria ceder aos pedidos por injeção de dinheiro, liberação de crédito via bancos públicos com juro subsidiado e programas pirotécnicos de investimento (lembram dos inúmeros PAC da mãe Dilma?).

Campos Neto também não parece disposto a ceder à pressão do mercado que vem derrubando as taxas futura de juros. O BC vem reafirmando que não troca inflação controlada por crescimento de curto prazo e ponto final.

Segundo o BC, tivemos choques que afetaram a economia no passado e a incerteza quanto às reformas tem de ser dissipada para termos uma retomada consistente da atividade.

Em recente entrevista, Campos Neto usou uma alegoria para explicar o que está acontecendo na economia brasileira e que ainda não está sendo bem compreendido.

Ele usou o exemplo das turbinas de um avião. Uma turbina é o mundo privado e outra é o público. Estamos desligando a turbina do mundo público, “mas, com credibilidade” vamos ligar a turbina do setor privado e fazer uma transferência de energia de uma para outra.

É essa mudança de modelo, que ainda está acontecendo, que ajuda a explicar, em boa parte, essa paradeira na atividade econômica. No entanto, quando ela acontecer com maior intensidade, poderemos ver uma retomada mais rápida, já que a turbina do setor privado tem maior produtividade que a do setor público.

O ponto crucial é a questão da credibilidade, que foi destacada por Campos Neto ao longo da já referida entrevista (foram 31 menções). O BC e o governo têm de sinalizar claramente ao setor privado que a turbina do setor público não será ligada novamente.

O que se pretende é uma saída da insanidade. Há um novo desenho de política econômica em marcha e, mantendo a alegoria do avião, não podemos abortar essa decolagem.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Nada de aumento

“Há zero possibilidade de aumentar a carga de impostos”, diz Waldery

Waldery explicou que a meta de déficit primário de 2019 está mantida em R$ 139 bilhões, mas lembrou que o saldo negativo deve ficar abaixo dos R$ 80 bilhões

Contas públicas

Governo central deve fechar 2019 com déficit abaixo de R$ 80 bi, diz Guedes

Guedes voltou a dizer que o sucesso do leilão da cessão onerosa também ajudou a fazer um resultado fiscal melhor, além de permitir um maior repasse de recursos para Estados e municípios. “O ano de 2019 foi interessante, porque conseguimos muita colaboração com Congresso nas reformas econômicas. Também houve muita colaboração do Judiciário”, completou

Novidades na cervejaria

Ambev anuncia Jean Jereissati como presidente da companhia em 2020

A partir de 1º janeiro de 2020, Jereissati Neto acumulará as funções de diretor-presidente e diretor de vendas e de marketing

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Game over? A vida com o dólar acima de R$ 4,20

A primeira vez que o dólar atingiu o patamar de R$ 4,20 foi em setembro de 2015. Eu me lembro de receber a notícia de uma forma bem inusitada, no meio da plateia de um evento voltado a grandes investidores. Enquanto o palestrante da vez tentava injetar alguma esperança sobre as perspectivas da economia brasileira em […]

Olho nos números

BMG não agrada mercado em primeiro balanço após IPO e ações caem

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram

Gestoras

JGP segue comprada em bolsa enquanto acompanha guerra de narrativas

Gestora discute tese de que a manufatura e o comércio global estão próximos ao fundo do poço e prestes a se recuperar

Mudança de coleção

Dona da Le Lis Blanc e Dudalina, a Restoque tenta pôr ordem na casa. O mercado está cético

Em meio a um processo de mudança de estratégia, a Restoque reportou mais um conjunto de resultados trimestrais desanimadores, o que fez suas ações chegarem às mínimas em mais de três anos

Mudanças à vista

Desoneração da cesta básica vai acabar, diz Tostes Neto

Para compensar o gasto com tributo, o governo deve devolver dinheiro aos mais pobres como adicional aos programas sociais

Briga de gigantes

Softbank planeja criar rival japonesa para competir com gigantes como Google e Amazon

O grupo anunciou acordo para a fusão de uma de suas subsidiárias conhecida como Yahoo Japan com a empresa Line Corp. Com isso, as duas companhias podem criar mais um “super app”

olho na reforma tributária

Governo confirma que quer tributar dividendos

Plano faz parte do projeto de reduzir imposto de empresas e elevar sobre as Pessoas Físicas; deve entrar em fases posteriores da reforma tributária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements