🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Na terra do Rei Charles III

Reino Unido vai às urnas para desbancar governo conservador. Mas os trabalhistas vão reverter o Brexit?

Partido Trabalhista promete respeitar a vontade do povo, mas flerta com ideias de aproximação com europeus

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
4 de julho de 2024
12:31 - atualizado às 11:33
Bandeira do Reino Unido amassada
Tradição diz que o partido mais votado nas eleições do Reino Unido nomeia o primeiro-ministro Imagem: Vectors Icon/Pexels

O Reino Unido vai às urnas nesta quinta-feira (4), enquanto o atual Partido Conservador tenta desafiar meses de pesquisas que sugerem que ele sofrerá uma derrota histórica para o Partido Trabalhista, de centro-esquerda.

O primeiro-ministro Rishi Sunak anunciou a votação há seis semanas, pegando os políticos e o público de surpresa. A maioria esperava que a eleição acontecesse mais para o final do ano, dando mais tempo para o recente declínio da inflação e a redução das taxas de juros atingirem os bolsos dos eleitores.

Vários partidos menores estão competindo para ganhar assentos na Câmara dos Comuns, a câmara baixa do parlamento do Reino Unido, com 650 membros, incluindo os Democratas Liberais, os Verdes, o Partido Nacional Escocês, o Plaid Cymru, o Partido Unionista Democrático e o Reform UK, de Nigel Farage.

As eleições serão realizadas na Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

Tradição para nomear o primeiro-ministro

No sistema político do Reino Unido, o partido que aumentar sua fatia no voto popular não necessariamente significa ganhar mais assentos parlamentares — e é quase certo que os Conservadores ou os Trabalhistas, liderados por Keir Starmer, receberão as rédeas do poder. Isso pode ser por meio da vitória com maioria absoluta ou pela formação de um governo de coalizão.

A tradição diz que o líder do partido com mais assentos na Câmara dos Comuns nomeia o primeiro-ministro.

Pesquisas políticas apontam há quase dois anos para uma vitória retumbante do Partido Trabalhista, embora o partido precise de um ganho histórico de quase 13% na votação nacional para obter até mesmo uma maioria parlamentar estreita, de acordo com Hannah Bunting, palestrante em política britânica na Universidade de Exeter.

Se acordo com Hannah, essa seria uma oscilação maior do que a alcançada por Tony Blair, do Partido Trabalhista, sobre John Major, em 1997, segundo a rede de TV CNBC.

Dança das cadeiras

Uma forte liderança trabalhista aparece reforçada em uma importante pesquisa divulgada pela YouGov no início desta semana. No entanto, políticos e o próprio Partido Trabalhista alertam que nenhum resultado é garantido e que a pesquisa pode ser imprecisa.

Mais de 100 assentos são considerados muito próximos de serem alterados, incluindo aqueles atualmente ocupados por conservadores de alto perfil, incluindo o Ministro das Finanças, Jeremy Hunt, e o próprio Sunak.

A votação desta quinta-feira é a primeira eleição geral do Reino Unido desde 2019, quando o então líder conservador Boris Johnson conquistou a maior vitória majoritária do partido desde 1987 sobre o Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn.

Isso ocorreu por conta das promessas de concluir o processo do “Brexit” de deixar a União Europeia, que havia se atolado em um impasse político.

Sucessão de escândalos

O governo de Johnson foi marcado por vários escândalos públicos, incluindo o caso “Partygate”, no qual políticos importantes violaram as regras de bloqueio durante a pandemia de Covid-19, levando à renúncia relutante de Johnson em julho de 2022.

Ele foi sucedido por Liz Truss, que ficou apenas 44 dias no cargo antes de renunciar devido à chamada crise do mini orçamento, que abalou os mercados financeiros.

Sunak, ex-ministro das Finanças do Partido Conservador, empreendeu um período de relativa estabilidade política. No entanto, o país tem batalhado contra uma grave crise de custo de vida, com crescimento econômico lento.

O legado de 14 anos de governo conservador — com o partido conquistando o poder por meio de um acordo de coalizão sob o comando de David Cameron em 2010 — tem sido o tema central desta campanha eleitoral.

O público tem das 7h às 22h, horário local, para votar em seu candidato parlamentar local. As cédulas serão contadas durante a noite, e o resultado deverá ser divulgado na manhã de sexta-feira.

Será o fim do Brexit?

Já se passaram oito anos desde que pouco menos de 52% do eleitorado britânico votou pela saída da União Europeia, em uma decisão monumental que dividiu amigos, familiares e a nação.

Hoje, pesquisas sugerem que a mesma divisão pode produzir um resultado diferente na atual votação, já que os eleitores têm questionado se a vida fora da união econômica e política ficou realmente melhor.

Mas, se o Partido Trabalhista — que se opôs ao Brexit, mas prometeu “respeitar a vontade do povo britânico” — vencer eleições como sugerem as pesquisas, analistas preveem um degelo nas relações entre a UE e o Reino Unido e, talvez, até mesmo uma reaproximação.

O Partido Trabalhista, por sua vez, está lidando com cautela com o espinhoso assunto do Brexit e qualquer relação futura com a UE caso vença, como forma de não assustar o eleitorado indeciso.

Tem defendido que não tentará se juntar novamente ao mercado comum europeu ou até promover uma união aduaneira que caracterizam a estrutura econômica da UE, o que facilita o comércio entre os estados-membros, mas sinaliza que quer melhorar as relações com Bruxelas.

A relutância dos trabalhistas em divulgar seu potencial plano pós-eleitoral em relação à UE, o maior parceiro comercial do Reino Unido como bloco, é vista em grande parte como consequência de sua ânsia de atingir os eleitores conservadores descontentes.

Reaproximação suave com a UE

Embora o Partido Trabalhista tente melhorar as relações com a UE se vencer a eleição, analistas dizem que é improvável que o bloco faça tudo o que pode para tornar a vida mais agradável para o Reino Unido.

Até agora, a UE sempre se manteve firme em sua posição de que a Grã-Bretanha não seria capaz de “escolher a dedo” as vantagens de sua antiga filiação à UE que gostaria de manter.

Afinal, a UE tem seus próprios problemas, com uma ascensão de governos de extrema direita e relações intra e inter-UE fragmentadas como resultado. Além disso, está lidando com questões sobre sua posição econômica global, imigração ilegal e guerra à sua porta na Ucrânia.

“Teremos um governo do Reino Unido que desejará mudar o relacionamento [com a UE], mas, se isso terá sucesso, é outra questão”, disse o especialista em pesquisas do Reino Unido, John Curtice, à CNBC.

*(Com informações da rede de TV CNBC)

Compartilhe

ELEIÇÕES NOS EUA

Não deu para Biden: presidente dos EUA cede à pressão e desiste da reeleição — saiba o que acontece daqui para frente 

21 de julho de 2024 - 15:44

No que depender de Biden, sua vice Kamala Harris deve ser o nome do partido para enfrentar Donald Trump nas urnas em 5 de novembro; Trump se manifesta sobre a desistência

ATUALIZANDO O PORTFÓLIO

Por que Warren Buffett decidiu vender US$ 1,48 bilhão em ações de um bancão norte-americano

20 de julho de 2024 - 17:48

A Berkshire Hathaway vendeu cerca de 33,9 milhões de ações desta instituição financeira em diversas transações nesta semana

MELHORES MOMENTOS GIRO DO MERCADO

Trump mais vivo do que nunca: os impactos no dólar, cripto e juros — e os principais riscos da provável vitória do republicano 

19 de julho de 2024 - 18:14

Donald Trump saiu do atentado do último sábado mais vivo do que nunca. Agora, se já não era antes, o republicano é o nome mais forte na corrida e provavelmente voltará a ocupar a Casa Branca — e os mercados já estão tentando prever os impactos disso.  A percepção de que o ex-presidente saiu ganhando […]

ELEIÇÕES NOS EUA

Pseudoconciliação e promessa de deportação em massa: o que você precisa saber sobre o último discurso de Trump

19 de julho de 2024 - 11:10

Donald Trump discursou no fim da noite de quinta-feira ao aceitar a indicação do Partido Republicano para concorrer à presidência dos EUA em novembro

UNINDO FORÇAS

O “quarteto mortal”: os países que vão tirar o sono dos EUA e da Europa e podem levar a uma nova guerra global

18 de julho de 2024 - 19:58

Especialistas destacam o poder econômico do Ocidente, mas reconhecem que a missão de conter o avanço do grupo de quatro países não é fácil

MAIS POLÊMICA

CEO de empresa ligada à rede social de Trump é alvo de investigação por fraude nos Estados Unidos

18 de julho de 2024 - 14:00

Patrick Orlando é acusado pela SEC americana de mentir sobre os planos de sua “companhia do cheque em branco” de se fundir com a startup por trás da Truth Social

Restrição monetária

Lagarde mantém juros restritivos na Europa e diz o que é preciso para as taxas baixarem

18 de julho de 2024 - 13:07

Banco Central Europeu procura trazer a inflação da zona do euro para a meta de 2%

ELEIÇÕES NOS EUA

Biden revela o que o faria desistir de disputar presidência contra Trump em entrevista divulgada horas após diagnóstico de covid

18 de julho de 2024 - 10:59

Biden recebeu diagnóstico de infecção por covid-19 na quarta-feira e precisou interromper sua campanha à reeleição

MILES GUO

Ex-magnata chinês aliado de Steve Bannon é condenado por fraude bilionária nos EUA

17 de julho de 2024 - 15:00

Miles Guo vivia exilado nos Estados Unidos e é crítico do Partido Comunista chinês

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar