🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Ricardo Gozzi
INTERNACIONAL

Incerteza nos céus da França: o dia seguinte da vitória da esquerda e a primeira decisão de Macron

Coligação de centro-esquerda obtém a maior bancada na Assembleia Nacional da França, mas não forma maioria para governar sozinha; Macron rejeita renúncia de primeiro-ministro

Bandeira da França.

Atribui-se ao ex-governador mineiro Magalhães Pinto a afirmação de que a política muda como as nuvens. “Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”, teria afirmado. Hoje a França confirma essa constatação.

Há apenas um mês, o presidente da França, Emmanuel Macron, decidiu antecipar as eleições legislativas. O motivo foi a vitória da extrema-direita francesa nas eleições para o Parlamento Europeu.

Vista desde o início como uma aposta de alto risco, uma vez que Macron não era obrigado a antecipar as eleições, a decisão do presidente centrista provou-se como tal.

A intenção, nas palavras de Macron, era dar mais “clareza” à sociedade francesa em relação ao atual cenário político do país diante do avanço da extrema-direita por meio do voto.

No entanto, a única certeza entre os franceses é a de instabilidade política no horizonte.

Isso porque o céu mudou rápido na França.

No domingo (7), apenas uma semana depois da vitória da extrema-direita no primeiro turno das eleições legislativas, uma frente de esquerda venceu o segundo turno e obteve a maior bancada na Assembleia Nacional da França.

De acordo com o resultado final da votação, a Nova Frente Popular (NFP) amealhou 182 cadeiras.

A coalizão centrista de Emmanuel Macron perdeu a maioria parlamentar, mas recuperou-se em relação ao primeiro turno e terminou com 168 assentos.

Já a extrema-direita, representada pela Reunião Nacional e aliados, elegeu 143 deputados.

Esquerda e centro se uniram contra a extrema-direita na França

O resultado derivou de um acordo de última hora entre a esquerda e o centro depois de a extrema-direita ter vencido o primeiro turno.

A NFP e a coalizão de Macron retiraram seus candidatos que terminaram em terceiro lugar nas mais de 300 votações distritais que foram para segundo turno no formato triangular.

A estratégia funcionou, ao menos à primeira vista.

Certeza de incertezas na França

Mesmo terminando em terceiro lugar, a extrema-direita cresceu tanto em número de votos quanto de deputados em relação à legislatura eleita em 2022.

Por sua vez, embora tenha recuperado protagonismo, a NFP não conseguiu o mínimo de 289 cadeiras para controlar o Parlamento.

Macron rejeita renúncia de primeiro-ministro

Por ter feito a maior bancada, a coligação de esquerda considera-se no direito de indicar o primeiro-ministro.

Os líderes da NFP têm a expectativa de serem chamados a formar um governo de minoria.

Mas isso pode se transformar em um problema para Emmanuel Macron.

Isso porque a coligação vencedora apresentou como principais bandeiras de campanha a revogação da contestada reforma da previdência promovida pelo atual presidente e a implementação de uma política migratória mais tolerante na França.

Macron tenta ganhar tempo até que retorne da cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nos Estados Unidos, para onde embarcará amanhã.

Hoje, ele deu menos clareza ao cenário político ao rejeitar a renúncia do aliado Gabriel Attal e decidir que ele continuará chefiando o governo “por enquanto”.

Como ainda tem três anos de governo pela frente, Macron agora tenta mitigar o risco de paralisia política.

No entanto, por mais que sua aliança não tenha ido tão mal quanto se temia, Macron sai enfraquecido da eleição antecipada.

Já o líder da NFP, Jean-Luc Mélenchon, e a líder da Reunião Nacional, Marine Le Pen, olharão incessantemente para as nuvens da política francesa até as eleições presidenciais de 2027.

Compartilhe

ATUALIZANDO O PORTFÓLIO

Por que Warren Buffett decidiu vender US$ 1,48 bilhão em ações de um bancão norte-americano

20 de julho de 2024 - 17:48

A Berkshire Hathaway vendeu cerca de 33,9 milhões de ações desta instituição financeira em diversas transações nesta semana

MELHORES MOMENTOS GIRO DO MERCADO

Trump mais vivo do que nunca: os impactos no dólar, cripto e juros — e os principais riscos da provável vitória do republicano 

19 de julho de 2024 - 18:14

Donald Trump saiu do atentado do último sábado mais vivo do que nunca. Agora, se já não era antes, o republicano é o nome mais forte na corrida e provavelmente voltará a ocupar a Casa Branca — e os mercados já estão tentando prever os impactos disso.  A percepção de que o ex-presidente saiu ganhando […]

ELEIÇÕES NOS EUA

Pseudoconciliação e promessa de deportação em massa: o que você precisa saber sobre o último discurso de Trump

19 de julho de 2024 - 11:10

Donald Trump discursou no fim da noite de quinta-feira ao aceitar a indicação do Partido Republicano para concorrer à presidência dos EUA em novembro

UNINDO FORÇAS

O “quarteto mortal”: os países que vão tirar o sono dos EUA e da Europa e podem levar a uma nova guerra global

18 de julho de 2024 - 19:58

Especialistas destacam o poder econômico do Ocidente, mas reconhecem que a missão de conter o avanço do grupo de quatro países não é fácil

MAIS POLÊMICA

CEO de empresa ligada à rede social de Trump é alvo de investigação por fraude nos Estados Unidos

18 de julho de 2024 - 14:00

Patrick Orlando é acusado pela SEC americana de mentir sobre os planos de sua “companhia do cheque em branco” de se fundir com a startup por trás da Truth Social

Restrição monetária

Lagarde mantém juros restritivos na Europa e diz o que é preciso para as taxas baixarem

18 de julho de 2024 - 13:07

Banco Central Europeu procura trazer a inflação da zona do euro para a meta de 2%

ELEIÇÕES NOS EUA

Biden revela o que o faria desistir de disputar presidência contra Trump em entrevista divulgada horas após diagnóstico de covid

18 de julho de 2024 - 10:59

Biden recebeu diagnóstico de infecção por covid-19 na quarta-feira e precisou interromper sua campanha à reeleição

MILES GUO

Ex-magnata chinês aliado de Steve Bannon é condenado por fraude bilionária nos EUA

17 de julho de 2024 - 15:00

Miles Guo vivia exilado nos Estados Unidos e é crítico do Partido Comunista chinês

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

ELEIÇÕES NOS EUA

Lula sobre Trump: “Vai tentar tirar proveito”. A declaração do petista sobre a campanha nos EUA após o tiro em comício

16 de julho de 2024 - 19:57

Nas primeiras entrevistas após o atentado, o agora candidato republicano à presidência disse que foi salvo “por sorte ou por Deus”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar