🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
TENHA NO CARRINHO

BofA recomenda compra destas três ações do ramo de energia elétrica e lista motivos para elas (ainda) estarem baratas

As indicadas são Eletrobras (ELET3), Eneva (ENEV3) e Copel (CPLE6), que ainda não reagiram à retomada dos preços da energia

Renan Sousa
Renan Sousa
6 de julho de 2024
9:33 - atualizado às 9:25
torre transmissão energia elétrica dinheiro
Imagem: Montagem Julia Shikota

Não é de hoje que os analistas do mercado afirmam que a bolsa brasileira está barata — alguns ainda dizem que ela está descontada a tempo até demais. Mas dentro desta cesta de ativos que chamamos de Ibovespa, um setor chamou a atenção dos analistas do Bank of America (BofA). Estamos falando do ramo de geração e distribuição de energia elétrica, que ainda não reagiu aos indicadores considerados como catalisadores positivos para o setor. 

Um relatório publicado na última sexta-feira (5) mostra que os preços da energia subiram mais do que o esperado pelas estimativas do BofA e em um intervalo de tempo menor do que o previsto. 

Essa esticada de preços poderia ser apenas momentânea, o que explicaria a falta de movimento das cotações dos papéis de empresas do setor. Contudo, os analistas enxergam que não se trata de um rali de curto prazo. 

Isso porque os motivos para a alta dos preços incluem um fluxo de água abaixo da média nas principais geradoras do país e um crescimento de 5% da demanda na comparação com o mesmo período do ano passado — o que é considerado um aumento bastante significativo  para o setor. 

Além disso, a análise histórica sugere que esse cenário deve se manter por mais tempo. Por isso, o relatório do BofA indica três empresas do ramo para ficar de olho.

São elas: Eletrobras (ELET3), Eneva (ENEV3) e Copel (CPLE6), que ainda não reagiram à alta de 25% no acumulado do ano dos preços de energia elétrica.

  • Pensando em investir no agro? Confira a lista de melhores ações segundo a Empiricus Research e descubra qual é a empresa do setor que não pode faltar no seu portfólio. Clique AQUI para acessar gratuitamente.

Setor de energia elétrica: um panorama geral de cada empresa

Começando pela Eletrobras, que foi privatizada em junho de 2022, a empresa também já recebeu a recomendação de compra do BB Investimentos, com potencial de alta de 43%. 

Para o BofA, esta é a empresa com maior alavancagem dentro das recomendações, o que faz da companhia a mais sensível às variações do preço de energia. 

Em outras palavras, isso implica em cada variação de R$ 10 no preço do megawatt-hora (MWh) afetar o VPL (medida usada para avaliar o fluxo de caixa de um possível investimento, de olho em valores presentes) em cerca de 6%.

A expectativa do BofA é de que os preços subam para R$ 140 por MWh no longo prazo — ao mesmo tempo, a ação ELET3 está precificada levando em conta R$ 70 por MWh para a energia elétrica. 

Além da Eletrobras

A segunda recomendação de compra do Bank of America é a Eneva. “O aumento da volatilidade dos preços à vista e a bandeira tarifária amarela anunciada recentemente apoiam um olhar mais atento para a empresa no longo prazo”, escrevem os analistas. 

Também há uma revisão potencial de alta de 8% no Ebitda (medida usada pelo mercado para avaliar a geração de caixa de uma empresa) até o fim do ano fiscal de 2024. 

Esse cenário assume um despacho térmico (isto é, o acionamento de usinas termelétricas para geração de energia) de 25% em 2024 — contra expectativas prévias de que essas unidades não seriam ativadas neste ano.  

Por fim, a Copel é a última, mas não menos importante, das empresas do setor. A companhia não é tão alavancada e tem um histórico de risco menor, o que tende a fazer os lucros serem revisados para cima. 

Além disso, o valuation da Copel é de 13% da Taxa Interna de Retorno (TIR, utilizada para prever a receita gerada por um investimento; quanto maior, melhor para a empresa). Ainda na visão dos analistas, o número aponta um desconto dos preços de energia menores praticados pelas concorrentes. 

Da mesma forma, o valuation desconsidera potenciais riscos positivos de rendimentos de dividendos — que o BofA estima ser de 7% nas estimativas para 2024 e 2025.

Quem não deve se dar tão bem no setor de energia elétrica

A ausência de nomes como AES Brasil, Aurea e Engie é explicada pela baixa valorização dos preços de energia mais altos, de acordo com os analistas. 

Tanto AES Brasil quanto Aurea apresentam um TIR real de 8%, enquanto Engie deve registrar algo em torno de 4%. 

Compartilhe

SAIU!

Privatização da Sabesp (SBSP3): a maior oferta de saneamento da história movimenta R$ 14,8 bilhões; confira os detalhes da operação

19 de julho de 2024 - 6:14

A demanda total do mercado pelas ações da Sabesp chegou a R$ 187 bilhões — 53% foram ordens de investidores estrangeiros e o restante de gestoras locais

A MALA TÁ FEITA

Com data para deixar a B3, Cielo (CIEL3) recebe aval dos membros independentes do conselho para OPA

18 de julho de 2024 - 20:02

Leilão marcado para o dia 14 de agosto tem como objetivo vender 902.247.285 ações ordinárias da companhia a R$ 5,60

PERTO DO LIMITE?

Ambipar (AMBP3): Mercado faz contas e especula se controlador pode ser obrigado a fazer OPA

18 de julho de 2024 - 19:13

No entendimento de parte do mercado, Tércio Borlenghi Júnior já ultrapassou o limite de um terço das ações em circulação da Ambipar (AMBP3) em compras

FUSÕES E AQUISIÇÕES

De olho no sucesso de óculos inteligentes, Meta quer um pedaço da EssilorLuxottica, dona da Ray-Ban

18 de julho de 2024 - 17:00

Companhia de Mark Zuckerberg negocia a aquisição de 5% da empresa, participação avaliada em cerca de US$ 5 bilhões

VALE A PENA?

A ação da Vale (VALE3) está barata? Papel está descontado em relação a gigantes gringas; saiba se é hora de aproveitar

18 de julho de 2024 - 15:47

O Itaú BBA calcula um preço-alvo de US$ 14 para os ADRs da mineradora, o que representa um potencial de valorização de 24,8% sobre o fechamento de quarta-feira (17)

IA EM FOCO

Depois da tempestade, setor de chips e semicondutores de Inteligência Artificial (IA) respira após balanço da TSMC

18 de julho de 2024 - 13:48

Empresa taiwanesa ampliou lucro em 36% no segundo trimestre e superou as expectativas, com forte demanda por chips

AQUISIÇÃO

De olho nas importações, BTG Pactual (BPAC11) adquire capital social da Sertrading, empresa de patrimônio de quase R$ 400 milhões

18 de julho de 2024 - 9:46

De acordo com o comunicado enviado à CVM, em quatro anos, o volume transacionado em operações de comércio exterior passou de R$ 5 bilhões para R$ 19 bilhões

EMPREENDEDORISMO

Novo visual e mudança de nome: as apostas da Grendene (GRND3) para conquistar franqueados e abrir mais lojas da Melissa

18 de julho de 2024 - 9:09

Um ano após internalizar a gestão de franquias, a marca famosa por suas sandálias de plástico com aroma de tutti-frutti também lançará novos formatos de lojas

APÓS A CRISE

Lemann e sócios recalculam a rota: Americanas (AMER3) adia publicação do balanço após laudo de investigação independente

18 de julho de 2024 - 7:33

A publicação dos resultados ficou para o dia 14 de agosto, quando também serão divulgados os números do período até 30 de junho

MAIS UM PASSO

Agora vai? Grupo de credores da Americanas (AMER3) adere ao plano de recuperação judicial e abre caminho para novas emissões e pagamentos

17 de julho de 2024 - 20:27

Segundo a varejista, os credores titulares da maioria dos créditos quirografários — aqueles sem garantia — aderiram às deliberações sobre o plano de recuperação judicial do grupo, homologado em 26 de fevereiro de 2024

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar