🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Micaela Santos
Micaela Santos
É repórter do Seu Dinheiro. Formada pela Universidade São Judas Tadeu (USJT), já passou pela Época Negócios e Canal Meio.
Balanço do semestre

Bitcoin, ouro e dólar são os melhores investimentos do 1⁰ semestre; Ibovespa tem uma das maiores altas de junho, mas é um dos piores do ano

Com volatilidade nos juros futuros e na bolsa, primeira metade de 2024 foi de quem apostou nas proteções; bolsa conseguiu “se salvar” num mês de junho difícil, mas é o terceiro pior ativo do ano

Julia WiltgenMicaela Santos
Julia Wiltgen, Micaela Santos
29 de junho de 2024
11:23 - atualizado às 11:24
Ouro, dólar e bitcoin
Bitcoin, ouro e dólar. - Imagem: Shutterstock

Depois de um mês repleto de ruídos e volatilidade e de perder os 120 mil pontos, o Ibovespa conseguiu fechar junho em alta de 1,47%, aos 123.898 pontos, firmando o terceiro melhor desempenho do período entre os principais investimentos.

Mas ao fazermos um balanço do primeiro semestre, o principal índice da bolsa brasileira fica no pódio dos piores investimentos do ano, amargando uma queda de 7,67%, o terceiro pior desempenho de 2024. Os maiores perdedores do período foram dois títulos públicos indexados à inflação de longo prazo.

Os vencedores do semestre, por sua vez, foram o bitcoin (como já era de se esperar), com uma valorização de mais de 60% em reais, seguido das duas principais proteções da carteira, por excelência: o ouro, com alta na faixa de 30%, e o dólar, que subiu 15% no ano ante o real, na cotação à vista, beirando os R$ 5,60.

Em junho, aliás, o dólar teve o melhor desempenho mensal, com a forte desvalorização do real diante do aumento da percepção de risco fiscal. O ouro teve o segundo melhor desempenho. Já o bitcoin, que foi o campeão em quatro dos seis primeiros meses do ano, viu uma queda de cerca de 5% em reais.

Veja a seguir os rankings completos dos melhores investimentos de junho e do primeiro semestre de 2024:

Os melhores investimentos de junho

InvestimentoRentabilidade no mês
Dólar à vista6,43%
Dólar PTAX6,07%
Ouro (GOLD11)6,06%
Ibovespa1,48%
Tesouro Selic 20260,88%
Tesouro Selic 20290,81%
CDI*0,75%
Poupança antiga**0,59%
Poupança nova**0,59%
Índice de Debêntures Anbima Geral (IDA - Geral)*0,47%
Tesouro Prefixado 20260,01%
Índice de Debêntures Anbima - IPCA (IDA - IPCA)*-0,23%
Tesouro IPCA+ 2029-0,91%
IFIX-1,04%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2032-1,80%
Tesouro Prefixado 2029-1,95%
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2033-2,25%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2040-2,87%
Tesouro IPCA+ 2035-3,37%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2055-4,12%
Bitcoin-4,76%
Tesouro IPCA+ 2045-6,99%
(*) Até dia 27/06. (**) Poupança com aniversário no dia 28.
Todos os desempenhos estão cotados em real. A rentabilidade dos títulos públicos considera o preço de compra na manhã da data inicial e o preço de venda na manhã da data final, conforme cálculo do Tesouro Direto.
Fontes: Banco Central, Anbima, Tesouro Direto, Broadcast e Coinbase, Inc..

Os melhores investimentos do primeiro semestre

InvestimentoRentabilidade no ano
Bitcoin64,41%
Ouro (GOLD11)29,02%
Dólar à vista15,14%
Dólar PTAX14,84%
Tesouro Selic 20295,33%
Tesouro Selic 20265,31%
Índice de Debêntures Anbima Geral (IDA - Geral)*5,27%
CDI*5,18%
Índice de Debêntures Anbima - IPCA (IDA - IPCA)*3,06%
Poupança antiga**2,85%
Poupança nova**2,85%
Tesouro Prefixado 20262,02%
IFIX1,08%
Tesouro IPCA+ 2029-0,91%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2032-2,18%
Tesouro Prefixado 2029-4,09%
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2033-4,75%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2040-4,78%
Tesouro IPCA+ 2035-6,67%
Ibovespa-7,66%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2055-8,11%
Tesouro IPCA+ 2045-13,00%
(*) Até dia 27/06. (**) Poupança com aniversário no dia 28.
Todos os desempenhos estão cotados em real. A rentabilidade dos títulos públicos considera o preço de compra na manhã da data inicial e o preço de venda na manhã da data final, conforme cálculo do Tesouro Direto.
Fontes: Banco Central, Anbima, Tesouro Direto, Broadcast e Coinbase, Inc..

Piora do cenário macro e ruídos políticos

O mês de junho foi marcado mais uma vez pela alta nos juros futuros e uma forte desvalorização do real ante uma piora das perspectivas macroeconômicas, uma derrota importante do governo no Senado, incertezas quanto à sucessão de Roberto Campos Neto à frente do Banco Central e falas do presidente Lula em entrevistas que reverberaram mal no mercado.

Do lado macroeconômico, a incerteza quanto ao início dos cortes de juros nos Estados Unidos, bem como o aumento da percepção de risco fiscal interno levaram o mercado a elevar suas estimativas para juros e inflação neste ano.

A expectativa de que a Selic termine 2024 na casa de um dígito foi abandonada de vez, e ao longo do mês os economistas foram ajustando suas estimativas até a aposta majoritária de que não haverá mais novos cortes neste ano. Assim, a taxa básica de juros deve terminar o período nos atuais 10,50%.

As estimativas de inflação (IPCA) também foram sendo revisadas para cima, e agora espera-se que o índice de preços oficial termine 2024 em 3,98%.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve passou uma mensagem mais otimista para o mercado na sua decisão de juros, mas os investidores agora majoritariamente esperam apenas um corte nas taxas neste ano, de 0,25 ponto percentual, e mais para o fim do ano.

Por aqui, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) interrompeu o ciclo de cortes de juros numa decisão unânime, o que trouxe alívio ao mercado.

Por outro lado, também pesou na decisão do BC, nos juros futuros e no câmbio a percepção de que o arcabouço fiscal foi de certa forma abandonado desde que o governo desistiu da meta de superávit no ano que vem.

Do lado fiscal, a Medida Provisória que limitava a compensação de créditos de PIS/Cofins pelas empresas – e que compensaria a desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia – foi devolvida pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, impondo uma derrota ao governo e um limite ao ajuste fiscal pelo lado da arrecadação.

Para o mercado, isso foi um sinal de que a sociedade já começa a resistir ao aumento da tributação e pressionar por corte de gastos.

Em suas falas no mês de junho, no entanto, o presidente Lula deu a entender que a prioridade do governo é realmente fazer o ajuste fiscal pelo aumento da arrecadação, o que levou a uma reação negativa do mercado, principalmente no câmbio, com a forte desvalorização do real ante moedas fortes.

Para apagar o incêndio, os ministros da Fazenda e do Planejamento, Fernando Haddad e Simone Tebet, vieram a público para dizer que o governo está sim revendo gastos, mas o posicionamento não foi o suficiente para acalmar o mercado.

Também reverberaram mal as duras críticas feitas por Lula a Campos Neto, o que aumentou os temores do mercado em relação à sucessão do presidente do BC, que deixa o cargo no fim do ano.

Lula questionou a neutralidade política de Campos Neto por ele ter comparecido a um jantar promovido pelo governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas.

O petista também criticou o fato de o Copom ter interrompido o ciclo de cortes na Selic, a qual ele considera muito elevada, o que reacende o temor de que, com um indicado de Lula à frente do BC a partir do ano que vem, pode haver alguma intervenção política na política monetária.

Maior percepção de risco impacta nos preços dos ativos

Com a disparada dos juros futuros e a desvalorização do real, os títulos públicos prefixados e indexados à inflação sofreram em junho, pois seus preços caem quando suas taxas sobem.

O movimento tem sido visto ao longo de todo o semestre, uma vez que as estimativas para a Selic ao final do ciclo de cortes veio subindo com o passar dos meses, à medida que a percepção de risco fiscal veio aumentando e o número de cortes de juros esperados nos Estados Unidos veio caindo.

Tal movimento também pesou sobre as ações brasileiras e, consequentemente, o Ibovespa. Nos piores momentos de junho, o principal índice da bolsa brasileira chegou a perder os 120 mil pontos, mas conseguiu se recuperar e até fechar no azul.

Mas as incertezas sobre a trajetória dos juros, do fiscal e também em relação à economia chinesa pesaram no índice ao longo do primeiro semestre.

Os juros altos nos EUA e o dólar forte globalmente – não apenas ante o real –, também drenam o capital da bolsa brasileira para a bolsa e os títulos públicos americanos, levando a uma fuga de dólares do mercado financeiro brasileiro.

Já as taxas pagas pela da renda fixa local, com a intensa desvalorização dos títulos, chegaram a patamares difíceis de ignorar, drenando também os recursos domésticos da bolsa para os títulos públicos e privados.

As remunerações pagas pelos títulos Tesouro Prefixado, por exemplo, já voltaram ao patamar de 12%, enquanto os Tesouro IPCA+ estão pagando quase 6,50% acima da inflação no vencimento, rentabilidades consideradas atrativas em termos absolutos. Fora a manutenção do retorno elevado nos pós-fixados.

Maiores altas do Ibovespa em junho

EmpresaCódigoDesempenho em junho
BRFBRFS322,01%
São MartinhoSMTO321,99%
SuzanoSUZB317,06%
WegWEGE312,36%
JBSJBSS311,89%
MarfrigMRFG39,57%
MinervaBEEF37,74%
FleuryFLRY36,98%
HyperaHYPE36,06%
TotvsTOTS35,95%
Fonte: B3/Broadcast

Maiores quedas do Ibovespa em junho

EmpresaCódigoDesempenho em junho
AzulAZUL4-22,49%
AssaíASAI3-15,11%
YduqsYDUQ3-14,04%
CarrefourCRFB3-9,07%
DexcoDXCO3-8,89%
UltraparUGPA3-6,78%
VamosVAMO3-6,66%
LWSALWSA3-6,47%
Pão de AçúcarPCAR3-5,92%
AlpargatasALPA4-5,69%
Fonte: B3/Broadcast

Maiores altas do Ibovespa no primeiro semestre

EmpresaCódigoDesempenho no semestre
BRFBRFS364,16%
EmbraerEMBR361,46%
JBSJBSS329,55%
MarfrigMRFG327,42%
CieloCIEL324,56%
WegWEGE315,40%
CemigCMIG414,73%
Petrobras ONPETR313,40%
São MartinhoSMTO312,98%
Petrobras PNPETR412,37%
Fonte: B3/Broadcast

Maiores quedas do Ibovespa no primeiro semestre

EmpresaCódigoDesempenho no semestre
AzulAZUL4-54,15%
YduqsYDUQ3-52,72%
CognaCOGN3-49,28%
CVCCVCB3-44,00%
Magazine LuizaMGLU3-43,88%
MRVMRVE3-40,52%
VivaraVIVA3-37,85%
Pão de AçúcarPCAR3-33,50%
LocalizaRENT3-32,88%
LWSALWSA3-32,61%
Fonte: B3/Broadcast

Demanda por ouro impulsiona os preços do metal

No caso do ouro, apesar da manutenção dos juros elevados nos EUA – algo que torna os seguros títulos públicos americanos mais atrativos que o metal, que não paga juros –, a perspectiva de cortes adiante contribui para a escalada da commodity.

Entretanto, o peso maior vem do fato de a demanda por ouro por parte dos bancos centrais ter sido forte ao longo do primeiro semestre, impulsionando seus preços.

Muitas nações atualmente procuram diversificar suas reservas em ativos seguros e moedas fortes para reduzir sua dependência do dólar, principalmente depois das sanções dos Estados Unidos à Rússia após o início da guerra da Ucrânia.

As guerras, aliás, são outro fator a impulsionar a demanda por ouro, visto como ativo seguro em tempos de tensões geopolíticas.

Além do conflito entre Rússia e Ucrânia, a guerra entre Israel e o Hamas e as tensões entre EUA e China em relação a Taiwan movem a necessidade de proteção contra os impactos econômicos dessas disputas.

Mercado cripto se favorece da institucionalização

Entre os principais investimentos, o bitcoin foi o campeão inconteste do semestre, beneficiando-se do lançamento de ETFs de bitcoin à vista nos Estados Unidos, o que contribuiu para a entrada de investidores institucionais nesse mercado, além de motivar a compra da criptomoeda por esses novos fundos, impulsionando os preços.

O movimento beneficiou o mercado cripto como um todo, e a expectativa de lançamento de ETFs semelhantes de Ethereum também vêm impulsionando da segunda maior criptomoeda do mundo e reforçando a institucionalização do mercado cripto.

A valorização em reais do ETH no primeiro semestre inclusive supera a do bitcoin, estando na casa dos 70%.

Compartilhe

POLÍTICA MONETÁRIA

O plano de Campos Neto para sabotar a economia do Brasil por meio do Banco Central, segundo o PT

21 de julho de 2024 - 14:02

Ao dar estocadas no chefe do BC, o partido avaliou que “o bolsonarismo está sem discurso” após o caso de desvio de joias envolvendo o ex-presidente Jair Bolsonaro

DE OLHO NO FISCAL

A luta de Haddad pelo déficit zero: Governo deve anunciar corte temporário de R$ 15 bilhões em gastos no Orçamento 

21 de julho de 2024 - 10:58

Dos R$ 15 bilhões a serem suspensos, cerca de R$ 11,2 bilhões serão bloqueados, enquanto os outros R$ 3,8 bilhões serão contingenciados

LOTERIAS

Haja sorte: Cinco pessoas acordaram milionárias hoje — e a “culpa” é toda da Lotofácil; Quina e Mega-Sena acumulam

21 de julho de 2024 - 9:31

Cinco bilhetes cravaram as 15 dezenas sorteadas no concurso 3160 da Lotofácil; confira os números que saíram na loteria

PHISHING

Apagão cibernético: Criminosos usam queda nos sistemas da Microsoft para aplicar golpes — e Brasil não escapa da mira 

20 de julho de 2024 - 14:58

Os EUA não são o único alvo dos ataques. Por aqui, também há relatos de casos de phishing usando como isca o apagão cibernético

E AGORA, BILIONÁRIO?

Bilionário em apuros? Elon Musk vê fortuna desabar US$ 7 bilhões em apenas um dia. Saiba o que fez o CEO da Tesla perder tanto dinheiro assim

20 de julho de 2024 - 13:48

Após o recuo de 4,02% das ações da Tesla em Wall Street, a riqueza do dono do Twitter e da Space X caiu para aproximadamente US$ 257 bilhões

BOMBOU NO SD

O plano dos irmãos Batista para ficar com a Amazonas Energia, produção da Vale e volatilidade da Ambipar (AMBP3): Os destaques do Seu Dinheiro na semana

20 de julho de 2024 - 10:45

Os irmãos Wesley e Joesley Batista chamaram a atenção após uma empresa do grupo J&F sinalizar interesse no controle da Amazonas Energia; veja as matérias mais lidas da última semana

PANE NO SISTEMA

Bradesco fora do ar: bancos e filiais apresentam falhas em dia de pane em sistemas da Microsoft ao redor do mundo

19 de julho de 2024 - 9:17

A queda dos sistemas aparentemente foi causada por uma atualização da empresa de cibersegurança CrowdStrike

ALGUÉM NA ESCUTA?

Pane em sistemas da Microsoft força cancelamento de voos e desestabiliza serviços financeiros

19 de julho de 2024 - 7:44

A queda dos sistemas aparentemente foi causada por uma atualização da empresa de cibersegurança CrowdStrike

LOTERIAS

Lotofácil tem 3 acertadores e ninguém fica milionário; Mega-Sena e Quina acumulam de novo e prêmios disparam

19 de julho de 2024 - 5:58

Enquanto a Mega-Sena e a Quina “se fazem” de difíceis, a Lotofácil continua justificando o nome e distribuindo prêmios na faixa principal

PENTE FINO

Orçamento 2024: Haddad anuncia congelamento de R$ 15 bilhões para cumprir exigências do arcabouço fiscal

18 de julho de 2024 - 19:40

Segundo o ministro da Fazenda, governo Lula vai bloquear R$ 11,2 bilhões e contingenciar de R$ 3,8 bilhões

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar