🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Semana de decisão: Postura do Fed sobre juros e inflação nos EUA vão definir rumo dos mercados no curto prazo

A quarta-feira será crucial para a narrativa macroeconômica global — e países emergentes como o Brasil podem estar prestes a receber uma má notícia

11 de junho de 2024
6:51 - atualizado às 15:45
Jerome Powell detonando uma bomba contra a inflação
Nenhum corte de juros é esperado para esta semana, mas diretrizes serão fornecidas para orientar as decisões ao longo do ano — e todas elas provavelmente duras. Imagem: Montagem Andrei Morais / Divulgação Federal Reserve / Papa-Léguas

Esta quarta-feira será crucial para a narrativa macroeconômica que tem moldado os mercados globais ao longo do ano. Hoje (11) se inicia a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) do Federal Reserve, que se encerrará amanhã (12).

Complementarmente, na manhã de quarta-feira, antes da decisão do Fed durante a tarde, serão divulgados os dados de inflação de maio nos EUA.

As previsões indicam um aumento mensal de 0,1% no índice de preços ao consumidor, resultando em uma taxa anual de 3,4%, estável em relação ao mês anterior.

Excluindo alimentos e energia, o núcleo do índice deve registrar um aumento de 0,3% no mês, resultando em um avanço anual de 3,5%.

Embora esse valor represente uma ligeira redução em relação a abril, ainda está significativamente acima da meta informal de 2% de inflação anual do Fed.

Os dados de inflação de quarta-feira pela manhã devem confirmar a persistência dos índices inflacionários observados em 2024, ponto central na reunião do FOMC.

O que Powell vai dizer?

Embora os mercados esperem que não haja mudanças nas taxas de juros, a grande expectativa está na coletiva de imprensa de Jerome Powell, presidente do Fed, após a reunião.

Desde o robusto relatório de empregos da semana passada, que superou as expectativas, as chances de um corte de juros em julho foram eliminadas e as de um corte em setembro foram reduzidas.

O surpreendentemente forte relatório de empregos, que relatou a criação de 272 mil empregos não agrícolas em maio, muito acima da previsão consensual de 180 mil, causou quedas nas principais bolsas de valores e destacou as dificuldades atuais em fazer projeções precisas.

Observou-se também no mês um aumento de 0,4% no salário médio por hora, excedendo a expectativa de 0,3%, enquanto a taxa de desemprego aumentou para 4%, acima dos 3,9% registrados em abril.

Esse contexto fez com que a probabilidade de manutenção das taxas de juros antes das eleições de 2024 subisse para mais de 50%, um salto significativo em relação aos cerca de 30% anteriores a esses dados.

Ainda tem o dot plot

Por fim, na mesma quarta-feira, será divulgada a atualização das Projeções Econômicas (SEP) pelo Federal Reserve, mais conhecida como Dot Plot.

Essa compilação trimestral de previsões, que abrange a economia, inflação, mercado de trabalho e taxas de juros, é elaborada pelos sete governadores do Fed e pelos 12 presidentes de seus bancos regionais.

As projeções de março indicavam três reduções na taxa dos fundos federais de 0,25% cada até o final de 2024.

Entretanto, dada a persistência inflacionária e a resiliência do mercado de trabalho, ajustes nessas previsões são esperados.

Se o comitê concluir na reunião de junho que apenas um corte de 25 pontos-base é justificável para 2024, provavelmente em dezembro, os mercados podem reagir negativamente.

Juros mais altos em décadas

Um dos maiores desafios para o Fed atualmente é avaliar o quão restritiva é sua política monetária.

Jerome Powell já reiterou que a taxa de referência atual, a mais alta em mais de duas décadas, é restritiva o suficiente para eventualmente reverter a inflação para a meta de 2%.

Contudo, existe um ceticismo considerável, tanto dentro quanto fora do Fed, sobre se a política atual é eficaz, dado o robusto desempenho da economia e do sistema financeiro.

A nível global, a inflação segue acima das metas estabelecidas pelos bancos centrais, levando alguns, como o BCE e o Banco do Canadá, a cortarem os juros, enquanto outros, como o Banco da Inglaterra e o Fed, sinalizam possíveis cortes futuros, embora o Fed pareça mais hesitante.

O BCE já adiantou que os cortes não necessariamente seguirão uma trajetória linear descendente.

Apesar de não se esperar cortes de taxas esta semana, antecipa-se que mais diretrizes serão fornecidas para orientar as decisões ao longo do ano. Todas elas provavelmente duras.

Este panorama é desfavorável para o mercado de títulos, com os juros em alta nos EUA, e particularmente prejudicial para o mercado de ações, especialmente nos mercados emergentes como o Brasil.

O curto prazo segue desafiador.

Compartilhe

Mande sua dúvida!

Meu imóvel foi invadido, e parece que os ocupantes obtiveram a usucapião; ainda consigo fazer a reintegração de posse?

15 de junho de 2024 - 8:00

É possível “reverter” ou “anular” um processo de usucapião? E invasor pode mesmo conseguir usucapir um imóvel?

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mais um dia na bolsa de valores: barulheira fiscal no Brasil, eleições municipais, divulgação do IBC-Br e outros destaques que agitam os mercados

14 de junho de 2024 - 9:07

Contribuição da B3 para a forte queda do Ibovespa em maio, venda da Cetrel pela Braskem (BRKM5) e eleições no Reino Unido também agitam as bolsas nesta sexta-feira (14)

SEXTOU COM O RUY

Em plena semana dos namorados, chegou a hora de dar um “pé na bunda” na bolsa brasileira?

14 de junho de 2024 - 7:01

As notícias não têm sido muito animadoras, mas o Ibovespa negocia hoje com descontos que foram vistos pela última vez apenas na crise financeira de 2008; saiba qual ação ainda vale a pena

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Som e fúria na bolsa: Ibovespa parte do menor nível do ano com ruído sobre meta fiscal no Brasil e juros altos nos EUA

13 de junho de 2024 - 8:48

Disparada das ações do Méliuz, alteração do FGTS, autonomia do Banco Central e contas do governo Lula também ditam o tom do Ibovespa hoje; confira

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: O que nos separa, agora, é uma mera questão contratual

12 de junho de 2024 - 20:01

Não tem mais essa de experiências informais em relacionamentos, tudo agora é formalizado por um contrato entre as partes

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ligando os pontos na bolsa: em dia de dot plot do Fed, inflação e rumo dos juros nos EUA ganham destaque; confira essas e outras notícias que mexem com o seu bolso hoje

12 de junho de 2024 - 8:37

Enquanto investidores também aproveitam o Dia dos Namorados, perda da dominância do dólar, recompra de ações da Rede D’Or e MP do PIS/Cofins entram no rada

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O fundo do poço está próximo? Decisão do Fed sobre juros nos EUA, inflação no Brasil, fusão no setor de saúde e outros destaques do dia que indicam o tom do Ibovespa

11 de junho de 2024 - 8:42

Mercado aguarda posicionamento do Fed sobre inflação nos EUA nesta quarta-feira; nova marca de gestora de FII e compra milionária da Ultragaz também entram no radar dos investidores

EXILE ON WALL STREET

Tony Volpon: Samba de uma nota só

10 de junho de 2024 - 20:01

A bolsa americana vem dançando junto com a Inteligência Artificial há um tempo, mas agora ela está focada em uma única empresa: a Nvidia

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa tenta preservar os dedos em meio ao tom negativo das bolsas internacionais, juros nos EUA, IPCA no Brasil e outras notícias que agitam os mercados

10 de junho de 2024 - 8:27

FIIs favoritos para junho, parceria do Brasil com a dona do AliExpress e ajuda ao RS também ganham destaque no radar dos investidores nesta segunda-feira

Mande sua pergunta!

Quero o divórcio, mas moro nos EUA com visto de acompanhante e nossos bens estão em nome de terceiros; e agora?

8 de junho de 2024 - 8:00

Ela ainda não obteve o green card, e ainda teme ficar sem nada após o divórcio, pois os bens da família não estão no nome do marido

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar