🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
AS QUERIDINHAS DA BAIXA RENDA

Cinco fatores por trás do otimismo com as ações de Direcional (DIRR3) e Cury (CURY3) — e qual delas é a favorita do Itaú BBA

O banco de investimentos revisou as suas estimativas para ambas as companhias e reforçou a visão positiva para o setor

Larissa Vitória
Larissa Vitória
20 de junho de 2024
13:21 - atualizado às 12:25
Ações, incorporadoras, construtoras, Tenda, Direcional, DIRR3 Cury CURY3, Bank of America, Imóvel na planta
Imagem: Shutterstock

Atualmente, poucas ações têm a "combinação única" de um cenário microeconômico favorável, altos níveis de crescimento e carrego atrativo que, para o Itaú BBA, pode ser encontrada em Direcional (DIRR3) e Cury (CURY3).

Em relatório divulgado nesta quinta-feira (20), o banco de investimentos revisou as suas estimativas para ambas as companhias e reforçou a visão positiva para o segmento de construtoras de baixa renda.

Vale destacar que essa é a segunda atualização nas perspectivas de Cury e Direcional nos últimos dias. No início da semana, o Bank of America também recalibrou suas apostas para as ações e revelou sua preferência dentro do segmento: a Cury.

Já a favorita do Itaú BBA entre as duas empresas é a Direcional. Os analistas destacaram no relatório de hoje o dividend yield de 12% para o próximo ano, baixo risco de execução, múltiplos atrativos para DIRR3 e diversificação geográfica das operações.

Mas a Cury também é vista com bons olhos pelo banco, que a coloca na segunda posição em seu ranking do setor. O Itaú BBA lista ainda os cinco motivos por trás do otimismo com as duas construtoras de baixa renda — veja abaixo quais são eles.

1. Momento operacional positivo e potencial de alta

De acordo com o BBA, as condições favoráveis do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) devem seguir permitindo o aumento no número de vendas e lançamentos de imóveis, margens mais altas para 2024 e 2025 e geração sólida de caixa.

"Esperamos que as prévias operacionais permaneçam com dados positivos, provavelmente alinhando as estimativas de consenso com as nossas previsões para setor", diz o banco de investimentos.

2. Crescimento do lucro por ação

Os analistas afirmam que as condições "únicas" oferecidas pelo programa habitacional do governo, em conjunto com o crescimento robusto de lançamentos e vendas visto nas construtoras, já resultam em uma alta "substancial" do lucro. E a expectativa é que o conjunto continue favorecendo os ganhos.

A expectativa é de uma Taxa de Crescimento Anual Composta (CAGR, na sigla em inglês) de 35% a 45% para Cury e Direcional, em constraste com a média de 20% do outros setores do mercado de ações.

3. Dividendos "suculentos"

"Pode não parecer intuitivo, mas a elevada taxa de crescimento deverá ser acompanhado por um forte nível de distribuição de dividendos": a projeção do Itaú BBA é que vendas robustas combinadas às margens elevadas devem permitir uma geração de caixa significativa para o setor em 2025.

Os analistas falam em uma taxa de payout — o percentual de lucro que uma empresa distribuí para os acionistas — de 75% e um dividend yield de 10% a 12% para as construtoras de baixa renda. "Isso posiciona o setor como um dos principais pagadores de dividendos do mercado."

4. Baixa probablidade de notícias negativas

A conclusão do julgamento sobre o rendimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) no Supremo Tribunal Federal (STF), que terminou com uma decisão positiva para a perpetuidade dos investimentos do fundo, eliminou um dos principais fantasmas para o setor imobiliário.

"Além disso, as preocupações com a escassez de financiamento aliviaram com a reafirmação da intenção do governo em complementar o orçamento", acrescentam os analistas.

O Itaú BBA destaca ainda que a inflação da construção, que já foi uma fonte significativa de riscos, "foi controlada durante o último ano" e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) permanece abaixo dos 4% desde junho de 2023.

5. Riscos macroeconômicos limitados

Por fim, o banco de investimentos argumenta que, ao contrário de outros setores, que são afetados pelas preocupações macroeconômicas, as construtoras de baixa renda estão bem posicionadas nesse quesito.

"O MCMV é fundamental para o atual governo, portanto, a abordagem deve continuar a ser de apoio ao programa no futuro. Adicionalmente, as condições subsidiadas reduzem a exposição aos juros de mercado, minimizando o impacto das flutuações das taxas nos retornos esperados."

Compartilhe

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar