🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Carolina Gama
PETROLEIRAS NA CARTEIRA?

Por que a decisão do maior cartel de petróleo do mundo emite um sinal perigoso sobre a economia global — e o Brasil pode fazer parte disso

A Opep e seus aliados, grupo conhecido como Opep+, se reuniram nesta quinta-feira (30) e na pauta do encontro estava um corte na produção de cerca de 2 milhões de barris por dia

Carolina Gama
30 de novembro de 2023
16:16 - atualizado às 16:17
Imagem de barril de petróleo sobre notas de dólar
Imagem de barril de petróleo sobre notas de dólar - Imagem: Shutterstock

Os maiores produtores de petróleo do mundo finalmente se reuniram nesta quinta-feira (30) e em jogo estava mais do que um corte de oferta que ajudaria a sustentar os preços da commodity: a decisão daria sinais da saúde da economia global — e o Brasil pode ter envolvimento direto nisso.

A imprensa estrangeira noticiou que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados concordaram em reduzir a produção em cerca de 2 milhões de barris por dia (bpd) para o início do próximo ano. 

No entanto, o comunicado oficial não especifica se houve acordo para a diminuição da oferta dos integrantes do grupo conhecido como Opep+ e as cotações passaram a cair. 

Os futuros de petróleo iniciaram o dia com mais de 1% de alta na expectativa de que seriam anunciados hoje cortes voluntários de cerca de 2 milhões de bpd, com a Arábia Saudita estendendo um corte voluntário de 1 milhão de bpd que está em vigor desde julho.

Como a decisão ficou em aberto, os futuros imediatamente passaram a operar em queda. O WTI, usado como referência para o mercado norte-americano, recuava 1,98%, a US$ 76,32 perto de 16h, enquanto o Brent — a referência internacional e também para a Petrobras (PETR4) — caía 0,25%, a US$ 82,89. 

O sinal do corte para a economia global e para você

A discussão do corte de oferta da Opep+ neste momento envia mais do que um sinal de que o cartel quer sustentar os preços da commodity — ela mostra como está a saúde da economia global e influencia as decisões de investidores sobre ter petroleiras na carteira. 

Segundo João Piccioni, analista da Empiricus, era esperado que os preços do petróleo subissem na expectativa de cortes adicionais dos grandes produtores, mas ele lembra que a decisão em si esconderia sinais de alerta importantes. 

“Olhando para os EUA, há uma certa queda no consumo dos combustíveis. O preço da gasolina desabou por lá nos últimos meses, enquanto os estoques estão se avolumando. Há 20 dias, o hub de petróleo estava superestocado e a curva do petróleo mostrou que a entrega para três meses estava mais cara do que a do curto prazo”, diz. 

Piccioni explica que todos esses são sinais de que a economia não está conseguindo absorver a produção de petróleo neste momento. 

“A economia está se afogando e não vai consumir o suficiente neste momento. Desde que a curva mostrou que o petróleo para três meses estava mais caro, as coisas voltaram um pouco, mas só o fato de os sauditas estarem dispostos a cortar 1 milhão de barris por dia da oferta é a prova de que simplesmente não tem demanda para entrega no curto prazo”, afirma. 

Há motivos então para ter petroleiras na carteira? Piccioni diz que sim, mas faz uma ressalva importante para os investidores que querem ter exposição ao setor: fugir da compra da commodity em si e apostar nas empresas com fundamentos específicos. 

“Definitivamente não é um bom negócio comprar a commodity em si — a menos que você seja um exímio trader que opere nas pontas longas e curtas. Mas ter petroleiras na carteira faz sentido. Eu apostaria naquelas que pagam bons dividendos, que conseguem fazem bom hedge e tem um bom fluxo de caixa”, diz. 

VALE (VALE3) ESTÁ COM AÇÕES TÃO BARATAS E DIVIDENDOS TÃO 'GORDOS' QUE ATÉ A EMPRESA ESTÁ COMPRANDO?

Brasil na Opep+?

O comunicado da Opep+ pode não ter indicado claramente qual é o novo compromisso de seus integrantes com os cortes de produção, mas explicitou o convite para que o Brasil faça parte do grupo formado por 23 dos maiores produtores de petróleo do mundo. 

De acordo com a assessoria de comunicação do Ministério de Minas e Energia, o ministro Alexandre Silveira analisa a proposta, mas não há uma decisão tomada. A Opep+, no entanto, já confirmou a entrada do Brasil no grupo a partir de 2024. 

“A reunião deu as boas-vindas a Alexandre Silveira de Oliveira, ministro de Minas e Energia da República Federativa do Brasil, que aderirá à carta de cooperação da Opep+ a partir de janeiro de 2024”, diz o comunicado do grupo. 

Fontes próximas a Silveira, no entanto, disseram que o ministro não aceitaria um convite para ingressar o Brasil ingressasse apenas na Opep — cujos membros têm obrigações a cumprir, como o aumento ou a redução da produção de petróleo. 

Na Opep+, grupo formado por 23 países entre membros da Opep e aliados, isso não acontece. Entre os aliados que compõem a Opep+ estão, atualmente, países como Rússia, México, Azerbaijão, Bahrein e Malásia. 

Compartilhe

THE FINAL COUNTDOWN

Contagem final? Como Trump pode consolidar indicação republicana antes do tempo e encarar Biden em novembro

23 de fevereiro de 2024 - 19:55

A vitória de Trump na Carolina do Sul escreveria o capítulo final de uma das histórias políticas mais importantes da última década

A MÁQUINA DE GUERRA VAI PARAR?

O presente de grego de Biden para Putin: 500 sanções dos EUA marcam o segundo ano da guerra entre Rússia e Ucrânia

23 de fevereiro de 2024 - 18:15

A União Europeia (UE) e o Reino Unido também anunciaram medidas punitivas e a resposta de Moscou não demorou muito; veja como o Kremlin reagiu

A SOCIEDADE DA NEVE

Este homem sobreviveu a uma queda de avião e a 72 dias na neve. Aqui está como ele fez isso — e o que você pode aprender

23 de fevereiro de 2024 - 14:32

Nando Parrado encerrou o BTG Summit 2024 com a palestra ‘Lições de Vida’; veja aqui os principais insights da apresentação

SEM FÓRMULA MÁGICA

Argentina precisa de um milagre? FMI dá a receita para os hermanos colocarem a casa em ordem

23 de fevereiro de 2024 - 13:21

Uma das maiores economistas do Fundo esteve na Argentina, onde conversou com o presidente Javier Milei e diversos membros do governo, incluindo o ministro da Economia, Luis Caputo; veja o que ela propôs

O RASANTE DA ÁGUIA

A China vai parar os EUA? As projeções da S&P Global para a maior economia do mundo este ano

22 de fevereiro de 2024 - 17:59

A agência de classificação de risco revisou de maneira significativa as previsões para a economia norte-americana e diz também o que espera da inflação e dos juros por lá

A FATURA VEIO ALTA

O primeiro prejuízo em 20 anos: o preço que o Banco Central Europeu teve que pagar para colocar a inflação de volta aos trilhos

22 de fevereiro de 2024 - 16:46

O BCE reportou 1,3 bilhão de euros (R$ 7 bilhões) em perdas no ano passado e o pior ainda pode estar por vir; entenda essa história

BAIXO NÍVEL, ALTA TENSÃO

Putin ‘FDP’, Biden ‘caubói’ e uma guerra nas estrelas: o que sabemos sobre a mais nova treta entre EUA e Rússia

22 de fevereiro de 2024 - 13:24

Presidentes de EUA e Rússia trocam farpas em meio a especulações de que uma guerra nas estrelas estaria mais próxima do que imaginamos

DEPOIS DO BALDE DE ÁGUA FRIA

Mistério revelado? Ata do Fed dá pistas do que pode acontecer com os juros em março

21 de fevereiro de 2024 - 17:27

Os investidores aguardavam o documento para entender o futuro da taxa referencial da maior economia do mundo e já se reposicionaram depois dos novos sinais desta quarta-feira (21)

A VISTA DE BLINKEN

Outro puxão de orelha em Lula? O que o braço direito de Biden disse para o petista em duas horas de conversa e no meio de uma crise

21 de fevereiro de 2024 - 16:11

O chefe da diplomacia norte-americana esteve no Palácio do Planalto em meio à tensão nas relações entre Brasil e Israel; saiba o que foi assunto neste encontro

FUGINDO DA MORDIDA DO LEÃO

Como Jeff Bezos “driblou” impostos para embolsar uma quantia bilionária com a venda de ações da Amazon

21 de fevereiro de 2024 - 14:30

O dono da gigante do varejo eletrônico vendeu agora mais 14 milhões de ações da empresa, levantando US$ 2,4 bilhões com a transação

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies