🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
CHAMA O JUIZ?

Israel na berlinda: o que é a polêmica reforma do Judiciário e como ela pode mudar os rumos do país

Há meses, os israelenses tomam as ruas do país contra as mudanças propostas por Benjamin Netanyahu. Hoje, o primeiro-ministro conquistou uma vitória importante que pode inflamar ainda mais os ânimos; entenda a história

Carolina Gama
24 de julho de 2023
20:26 - atualizado às 19:44
Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel. - Imagem: Alexandros Michailidis/Shutterstock

Milhares de manifestantes marcharam no último final de semana em direção a Jerusalém e acamparam em frente ao parlamento em uma demonstração de força destinada a bloquear a reforma do judiciário proposta pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. 

Essa não foi a única vez que a reforma do judiciário levou milhares de israelenses a protestar. A verdade é que desde janeiro, Israel tem visto os maiores protestos de sua história — e se 250 mil pessoas saem às ruas por meses, algo muito importante deve estar em jogo, especialmente se considerarmos um país de apenas 9,3 milhões de habitantes. 

E está: uma mudança no judiciário pode transformar significativamente o país e, apesar da oposição massiva, o Knesset — como é conhecido o parlamento israelense — aprovou  nesta segunda-feira (24) outro elemento central da reforma.

  • Aproveite o ‘boom’ da inteligência artificial para buscar lucros: é hora de investir nas ações da empresa de tecnologia que é líder de mercado, cresce todos os anos e está muito barata. Essa e + 4 recomendações de BDRs para comprar agora você pode conhecer GRATUITAMENTE – é só clicar neste link.

Do que se trata a reforma?

O governo de coalizão mais direitista e religioso de Israel, liderado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, quer redefinir vários aspectos da separação de poderes entre executivo, legislativo e judiciário. Como Israel não tem uma constituição, a interação dessas instituições é regulada por leis individuais.

O foco é a chamada cláusula de adequação: até agora, o Supremo Tribunal Federal pode declarar as decisões do governo como inadequadas e, portanto, torná-las nulas e sem efeito. 

O governo de Netanyahu quer acabar com essa cláusula. Depois da primeira votação em meados de julho, a de hoje foi decisiva. De um total de 120 membros do Knesset, todos os 64 parlamentares do governo votaram sim, o que significa que a lei foi aprovada.

A próxima etapa da reforma do judiciário deve ser votada no Knesset no final do ano: se aprovada, daria ao governo mais poderes sobre as nomeações de juízes. Nos últimos meses, no entanto, Netanyahu indicou que pode estar disposto a ceder parcialmente nesta área.

O argumento de quem apoia a reforma

Ao contrário dos 120 membros do parlamento israelense, os juízes não são eleitos diretamente pelo povo. É por isso que o governo e seus apoiadores argumentam que a reforma proposta fortaleceria a democracia em Israel. 

Desse ponto de vista, o judiciário tem muito poder e a reforma proposta melhoraria de fato o equilíbrio entre as instituições.

A reforma do judiciário está sendo impulsionada principalmente por partidos nacionalistas e religiosos na coalizão governista.

E quem critica?

Para os críticos da reforma, o governo está planejando a "destruição da democracia" — um slogan em muitos cartazes e faixas espalhadas por Israel. 

Os manifestantes também fizeram comparações com a Polônia e a Hungria, cujos governos também são acusados de tentar reestruturar o Judiciário. Os dois países são frequentemente considerados problemáticos na União Europeia no que diz respeito ao estado de direito e à separação de poderes, e ambos enfrentam vários processos por infração.

Os críticos argumentam que a reforma do judiciário em Israel poderia causar uma divisão mais profunda da sociedade: no passado, a Suprema Corte defendeu repetidamente valores como a igualdade de gênero e a proteção de minorias sexuais contra restrições religiosas estritas. 

VEJA TAMBÉM — Vale, Itaú, Petrobras e outras: o que esperar da temporada de resultados das gigantes da bolsa

*Com informações da DW

Compartilhe

SÓ UMA PROMESSA?

Vai fechar o banco central, Milei? A nova declaração do presidente da Argentina sobre o futuro do BC do país

17 de maio de 2024 - 18:45

O presidente argentino está na Espanha e deu diversas declarações polêmicas a um público que o aplaudiu calorosamente; veja o que mais ele disse

O CUSTO DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Xi Jinping na Rússia: o presidente da China está disposto a pagar o preço pela lealdade de Putin?

16 de maio de 2024 - 18:37

O líder chinês iniciou nesta quinta-feira (16) uma visita de Estado de dois dias à Rússia e muito mais do que uma parceria comercial está em jogo, mas o momento para Pequim é delicado

UM SUSPIRO

Os juros continuarão altos nos EUA? Inflação de abril traz alívio, mas Fed ainda tem que tirar as pedras do caminho

15 de maio de 2024 - 14:54

O índice de preços ao consumidor norte-americano de abril desacelerou para 3,4% em base anual assim como o seu núcleo; analistas dizem o que é preciso agora para convencer o banco central a iniciar o ciclo de afrouxamento monetário por lá

DESINFLAÇÃO ACELERADA

Boas notícias para Milei: Argentina tem inflação de um dígito e Banco Central promove corte de juros maior que o esperado

15 de maio de 2024 - 10:19

Os preços tiveram alta de 8,8% em abril, em linha com o esperado pelo mercado, que estimavam um avanço de preços entre 8% e 9%

UM PRATO QUE SE COME FRIO

A vingança da China: EUA impõem pacote multibilionário de tarifas a carros elétricos chineses e Xi Jinping quer revanche

14 de maio de 2024 - 20:03

O governo chinês disse que o país tomaria medidas resolutas para defender os seus direitos e interesses e instou a administração Biden a “corrigir os seus erros”

VIVA EL DÓLAR

Vitória para Milei: FMI anuncia novo acordo para desembolsar quase US$ 1 bi em pacote de ajuda à Argentina

13 de maio de 2024 - 15:00

Segundo o fundo, a Argentina apresenta “desempenho melhor que o esperado”, com queda na inflação, reconstrução da credibilidade, programas de consolidação fiscal, entre outros

ESCOLHA A FRANÇA

Em busca de capital estrangeiro, Macron atrai gigantes como Amazon para impulsionar investimentos na França

12 de maio de 2024 - 17:03

O presidente francês garantiu investimentos da Amazon, Pfizer e Astrazeneca, enquanto Morgan Stanley prometeu adicionar empregos no país

TECNOLOGIA EM FOCO

Guerra dos chips: Coreia do Sul anuncia pacote de mais de US$ 7 bilhões para a indústria de semicondutores

12 de maio de 2024 - 13:02

O ministro das Finanças sul-coreano, Choi Sang-mok, disse que o programa poderia incluir ofertas de empréstimos e a criação de um novo fundo

XI JINPING QUE SE CUIDE

A fúria de Biden contra a China: EUA preparam tarifaço sobre carros elétricos e energia solar — nem equipamentos médicos vão escapar

10 de maio de 2024 - 19:58

O anúncio completo, previsto para terça-feira (14), deve manter as tarifas existentes sobre muitos produtos chineses definidas pelo ex-presidente norte-americano, Donald Trump

FORA DO FRONT

Uma resposta a Israel? Assembleia da ONU aprova por maioria esmagadora mais direitos aos palestinos

10 de maio de 2024 - 18:50

O projeto de resolução também apela ao Conselho de Segurança que reconsidere favoravelmente o pedido dos palestinos para a adesão plena à organização

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar