🔴 [TESTE GRÁTIS] NOVO APP PODE GERAR ATÉ R$ 680 POR DIA COM 3 CLIQUES – CONHEÇA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
NEGÓCIO BILIONÁRIO

Tão longe, tão perto: Oi (OIBR3) consegue aval para venda de torres, mas não para usar o dinheiro

O negócio de até R$ 1,697 bilhão tem o potencial de dar algum fôlego ao combalido balanço da Oi, mas quem vai decidir o destino do dinheiro é o TCU; entenda o caso

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
24 de fevereiro de 2023
8:46 - atualizado às 8:47
Fachada de loja da Oi (OIBR3), com o logo da empresa em amarelo sobre uma marquise verde
Fachada de loja da Oi - Imagem: Divulgação

Quando a fase é difícil, nem mesmo uma boa notícia é completa. Em situação financeira delicada, a Oi (OIBR3) conseguiu a anuência prévia da Anatel para a venda das torres de telefonia para a Highline do Brasil. O negócio de até R$ 1,697 bilhão tem o potencial de dar algum fôlego ao combalido balanço da Oi.

Mas o problema é que a superintendência da Agência Nacional de Telecomunicações determinou que o dinheiro seja retido em uma conta bancária. Quem vai decidir o destino dos recursos é o Tribunal de Contas da União (TCU), de acordo com despacho da superintendência da Agência Nacional de Telecomunicações.

A Oi acertou a venda das torres para a Highline do Brasil em agosto do ano passado.

O dinheiro é importante para dar um fôlego à operadora, que enfrenta dificuldades financeiras e ganhou autorização da Justiça para suspender pagamentos a credores.

  • Por que estamos no momento ideal para poder ganhar dinheiro com dividendos? O Seu Dinheiro preparou 3 aulas exclusivas para te ensinar como buscar renda extra com as melhores ações pagadoras da Bolsa. [ACESSE AQUI GRATUITAMENTE]

Oi (OIBR3): O possível destino do dinheiro

Do valor total de até R$ 1,697 bilhão, a previsão era de que a quantia de R$ 1,088 bilhão seria paga à vista na data de fechamento da operação, que aguardava a anuência prévia da Anatel.

A outra parte, de até R$ 609 milhões, seria paga em 2026, dependendo da quantidade futura de itens de infraestrutura a serem utilizados na continuidade do serviço de telefonia fixa após a renovação da concessão, em 2025.

A Oi vendeu um conjunto de 8 mil torres usadas na telefonia fixa, entre outros serviços de telecomunicações. Dessas, 7 mil são consideradas bens reversíveis. Ou seja: são essenciais para a operação da telefonia fixa e precisam permanecer disponíveis para a concessionária do serviço.

Diante disso, o contrato de venda das torres prevê que a Highline se comprometerá a alugar esses itens de infraestrutura para a Oi e para os futuros concessionários.

Até aí, tudo certo, segundo a Superintendência de Controle de Operações da Anatel. "Embora a operação trate de uma quantidade significativa de torres essenciais à telefonia fixa, o contrato reconhece a essencialidade de tais ativos e provê aluguel de espaço seguro para garantia da continuidade do serviço", diz o superintendente Gustavo Santana Borges no despacho.

Por que o dinheiro ficou preso

O problema está na destinação do dinheiro da venda dos bens reversíveis. A Lei Geral de Telecomunicações e o Contrato de Concessões não têm normas sobre o que fazer com os valores de vendas de bens reversíveis.

Há uma regulamentação da Anatel permitindo que a concessionária faça o que bem entender quando se trata da venda de um ativo que deixou de ser essencial. Por exemplo: centrais telefônicas antigas e imóveis desocupados.

Mas esse não é caso das torres da Oi.

Além de não haver uma regra clara, o caso está sob análise do Tribunal de Contas da União (TCU). Já existe um parecer da área técnica da Corte apontando que os valores da venda de bens reversíveis devem ser reaplicados na própria concessão. Esse parecer está pendente de uma posição definitiva pelo plenário da Corte.

Por conta dessa indefinição, a Anatel optou por conceder anuência prévia à venda das torres, mas impôs à Oi a obrigação à abertura de uma conta bancária em que deverá depositar todos os valores da venda.

A reportagem do Estadão procurou a Oi, mas a companhia não se manifestou. A tele entrou em recuperação judicial em 2016, com R$ 65 bilhões em dívidas.

A sentença de encerramento do processo saiu em dezembro de 2022, mas a tele segue com dívida de R$ 35 bilhões. Neste mês, pediu proteção à Justiça contra execuções de credores enquanto tenta uma renegociação. Se não houver acordo nos próximos dias, a Oi deve pedir novamente uma recuperação judicial.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Compartilhe

OTIMISMO RENOVADO

Inter (INBR32) quase dobra de valor em um ano — e há espaço para mais, segundo o BofA. É hora de comprar os papéis do banco digital?

20 de junho de 2024 - 20:01

Com otimismo renovado, os analistas elevaram o preço-alvo para os papéis da fintech — e agora esperam uma valorização de até 26% para os ativos

Alerta de proventos

Dividendos e JCP: Lojas Renner (LREN3), Copasa (CSMG3) e Sanepar (SAPR4) anunciam distribuição de quase meio milhão de reais; confira os prazos

20 de junho de 2024 - 19:10

Valores serão pagos aos acionistas que tiverem as ações das três companhias em junho

Novo guidance

Nem assim a Vale (VALE3) agradou: mineradora revisa estimativas, mas novos números não dão fôlego às ações na bolsa

20 de junho de 2024 - 16:56

Companhia informou novos números sobre Salobo (Pará) e Sadbury (Canadá), entre outros ativos

LEVANTAMENTO DA QUANTUM

Americanas (AMER3) ou Oi (OIBR3): qual é a empresa mais endividada da bolsa brasileira? Confira o ranking das maiores recuperações judiciais da B3

20 de junho de 2024 - 14:18

A disputa foi acirrada, já que ambas as companhias registram dívidas na casa dos R$ 50 bilhões; veja quem liderou o “pódio ingrato”

SINAL VERDE

Justiça acata recuperação extrajudicial do Grupo Casas Bahia (BHIA3) e varejista ganha prazo maior para pagar dívida bilionária

20 de junho de 2024 - 8:20

O cronograma de pagamentos se estendeu de 22 meses para 78 meses — ou de pouco menos de dois anos para seis anos e meio

NA POSSE

A Petrobras (PETR4) vai mudar de novo? As declarações de Lula sobre lucro e impostos da estatal — “Haddad vai ficar feliz”

19 de junho de 2024 - 19:33

O presidente discursou na cerimônia de posse de Magda Chambriard, que assume o comando da petroleira — e deu pistas sobre o que pretende fazer com a empresa daqui para frente

UM EXTRA NA CONTA

Acionistas do Itaú (ITUB4) devem receber mais dividendos bilionários até o fim de 2024 — e quem diz isso é o CEO do bancão

19 de junho de 2024 - 13:09

Milton Maluhy Filho afirmou ter convicção de que uma nova rodada de proventos extraordinários será anunciada neste ano — mas há outras possibilidades para os recursos do banco, incluindo aquisições

QUEM FICARÁ COM ELA

Bola dividida na Sabesp (SBSP3): veja três concorrentes ao posto de acionista de referência na privatização da companhia

19 de junho de 2024 - 10:10

O cobiçado posto está em disputa; afinal, o acionista de referência poderá apontar o nome do futuro presidente da Sabesp, bem como ter outras regalias dentro da companhia

AVANÇO NO PRJ

Light (LIGT3) recebe luz verde da Justiça para plano de recuperação judicial — e terá que pagar R$ 30 mil para alguns credores logo de cara

19 de junho de 2024 - 8:48

Serão contemplados cerca de 28 mil credores da Light, ou 60% dos detentores de dívidas da empresa de energia

QUARTETO DE INFRAESTRUTURA

As 4 ações de energia para se ‘blindar’ do sobe e desce do Ibovespa em 2024, segundo gestor com mais de R$ 35 bilhões em ativos

19 de junho de 2024 - 6:11

Para Marcelo Sandri, sócio e gestor da Perfin, as ações da Eletrobras (ELET3), Equatorial (EQTL3), Eneva (ENEV3) e Energisa (ENGI3) são opções para proteger a carteira

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar