🔴 MELHORES MOMENTOS DO MACRO SUMMIT BRASIL 2024 – ASSISTA AQUI

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
RECALCULANDO A ROTA

MRV (MRVE3) corta operações e reduz metas de crescimento para recuperar rentabilidade; confira os planos da companhia para os próximos três anos

A mudança de foco da companhia foi anunciada pelo copresidente Rafael Menin durante um encontro com investidores e analistas promovido nesta terça-feira

Larissa Vitória
Larissa Vitória
7 de fevereiro de 2023
13:47 - atualizado às 13:31
Foto da sede da MRV (MRVE3) em Minas Gerais
Imagem: Rodrigo Gomes/Divulgação

Nos últimos anos, a MRV (MRVE3) expandiu suas operações e apostou em diversas avenidas de crescimento. Daqui para frente, porém, a companhia mudará a rota e pegará a estrada com destino a uma rentabilidade maior e alavancagem menor

A mudança de foco da companhia foi anunciada pelo copresidente Rafael Menin durante um encontro com investidores e analistas promovido nesta terça-feira (7).

O executivo reconheceu que, desde o início da pandemia de covid-19, algumas das decisões da empresa não foram acertadas e — em conjunto com o ambiente macroeconômico desafiador — resultaram em margens e ganhos abaixo da média histórica.

“O que mais nos incomoda hoje é o nível de alavancagem e de caixa. Faremos o possível para colocar a companhia em um padrão diferente de rentabilidade”, afirmou.

O objetivo, porém, não significa que a empresa irá fechar suas subsidiárias e concentrar-se apenas em recuperar as margens da operação original no Brasil. Luggo, Urba e Resia devem seguir crescendo nos próximos anos, mas em taxas mais controladas.

Os planos da MRV para manter o crescimento da Resia e reduzir a queima de caixa

A redução no ritmo é necessária para diminuir também a exigência de caixa da companhia. A MRV reportou uma queima de R$ 1,69 bilhão entre janeiro e setembro do ano passado, cifra 320% superior à registrada no mesmo período de 2021.

Boa parte da soma, ou cerca de R$ 1,16 bilhão, foi consumida pela Resia. A incorporadora norte-americana destacou-se nos últimos balanços pelos bons índices de venda e margens, mas exigiu um investimento alto.

A MRV chegou a considerar uma capitalização com sócios privados e até mesmo uma oferta de ações (IPO) para financiar a subsidiária. Os planos, porém, foram interrompidos pelas condições adversas de mercado.

Agora, a companhia espera que a Resia siga crescendo de forma orgânica, sem a necessidade de um aporte da capital nos próximos três anos.

Os recursos necessários para a operação sairão de empréstimos para a construção — dívidas no nível do projeto, que não afetam os covenants da MRV — ou do capital próprio da Resia.

Vale destacar que o mesmo cenário que impediu a capitalização da incorporadora também deve atrapalhar seus resultados. Segundo o CEO Ernesto Lopes, a expectativa é que as novas vendas tenham uma margem menor. “Mas a situação é temporária e deve melhorar muito a partir de 2024”, indicou Lopes.

O executivo espera vender cerca de duas mil unidades até 2025 a um preço médio de US$ 340 mil. Com isso, a subsidiária deve contribuir com uma soma entre R$ 440 milhões e R$ 480 milhões para o resultado líquido consolidado da MRV.

Como fica a operação brasileira?

Já no Brasil, onde o foco da MRV é a incorporação, o principal desafio é a recuperação das margens e a geração de caixa.

Para isso, a companhia abandonou a ambiciosa meta de entregar 70 mil unidades por ano. Agora, o plano é manter-se no nível atual de 40 mil unidades e aumentar gradualmente o preço médio das vendas.

Além do corte no número de projetos, a construtora também reduzirá geograficamente as operações, saindo de 40 cidades nas quais atua. Serão deixadas para trás praças com mercados menos lucrativos para focar em São Paulo e grandes regiões metropolitanas de outros estados.

A MRV aposta ainda na simplificação do portfólio, lançamento e construção por módulos e no aumento de preços cerca de 5% acima do Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) — que mede a inflação nos canteiros de obras.

O objetivo final das mudanças é reportar uma margem bruta de 33% e uma pequena geração de caixa ainda neste ano. O percentual implica em um crescimento de 13,5 pontos percentuais no indicador, que fechou os nove primeiros meses de 2021 em 19,5%.

Compartilhe

VITÓRIA!

Prio (PRIO3) fica com 100% de Wahoo: como a vitória deve aumentar a produção da petroleira; ações sobem na bolsa

12 de abril de 2024 - 13:05

A empresa recebeu uma decisão favorável da Câmara de Comércio Internacional em um processo arbitral relacionado à concessão BM-C-30, no campo de Wahoo

REESTRUTURAÇÃO DE DÍVIDAS

Light (LIGT3) assina acordos com credores, em novo passo em direção ao fim da recuperação judicial; ações caem na B3

12 de abril de 2024 - 11:46

Foram celebrados dois acordos com credores e debenturistas envolvendo as subsidiárias Light Sesa e Light Energia; entenda o que vem pela frente

ENGORDOU O PATRIMÔNIO

CEO da Nvidia fica quase R$ 3 bilhões mais rico em um dia. Conheça o bilionário que quase dobrou de fortuna em 2024

11 de abril de 2024 - 18:03

Jensen Huang é a 19º pessoa mais rica do planeta, de acordo com a revista Forbes, com um patrimônio avaliado em US$ 79,5 bilhões (R$ 404 bilhões)

ENTENDA O CASO

Justiça embarga obras de complexo bilionário da JHSF (JHSF3) no interior de São Paulo

11 de abril de 2024 - 16:01

A decisão aconteceu após pedido do Ministério Público, que afirma que a JHSF e outras duas companhias burlaram regras de licenciamento ambiental

DESISTIU DA BATALHA?

Gafisa (GFSA3): Esh Capital diminui participação após perder disputa sobre assembleia; ações caem 6% na B3

11 de abril de 2024 - 11:24

A gestora de Vladimir Timerman reduziu a participação na Gafisa de 20% para 4% do capital

FOI DADA A LARGADA

Oferta de ações da Boa Safra (SOJA3): companhia pretende levantar até R$ 388 milhões com nova emissão

11 de abril de 2024 - 9:48

Empresa pretende usar os recursos para expandir o negócio de armazenamento; controladores se comprometeram a colocar dinheiro novo na oferta

VOO DE FRANGO?

BRF (BRFS3) volta a ser empresa “de dono” e mais que dobra de valor na B3. O que está por trás da disparada — e o que esperar das ações

11 de abril de 2024 - 6:13

Agora “oficialmente” sob controle da Marfrig, BRF acumula alta de mais de 170% em 12 meses na B3; saiba o que os analistas pensam da empresa de proteínas

DINHEIRO NO BOLSO

Santander (SANB11) vai depositar R$ 1,5 bilhão na conta dos acionistas; saiba mais sobre os proventos anunciados pelo banco

10 de abril de 2024 - 18:37

Terá direito ao provento quem estiver na base de investidores do banco ao final do pregão de 19 de abril

PISOU NO ACELERADOR

Cury (CURY3) inicia o ano lançando quase R$ 2 bilhões e executivo diz por que a construtora foi na contramão do mercado

10 de abril de 2024 - 18:24

De acordo com Leonardo Mesquita, vice-presidente comercial da construtora, a decisão de lançar mais no início do ano já é adotada há alguns anos e tem um propósito

CHIPS DE IA

Após prejuízo bilionário, Intel promete lançamento de chip “mais rápido que o da Nvidia” para acirrar disputa em inteligência artificial

10 de abril de 2024 - 18:17

A companhia lançou nesta semana um novo semicondutor voltado para IA que promete oferecer “melhorias significativas de desempenho para tarefas de treinamento”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies