🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Ruim, mas nem tanto

Inadimplência assombra o Bradesco (BBDC4), mas lucro acima do esperado sustenta as ações na B3

Tom da administração do Bradesco é levemente otimista com o futuro próximo, mas inadimplência ainda não chegou no pico

Flavia Alemi
Flavia Alemi
5 de maio de 2023
12:08 - atualizado às 11:54
Logo do Bradesco
Logo do Bradesco - Imagem: Shutterstock

O Bradesco (BBDC4) apresentou um resultado sem muito brilho, mas nem de todo ruim no primeiro trimestre de 2023, desempenho que está se refletindo nas ações do banco nesta sexta-feira (5). Apesar do lucro ter vindo melhor do que o esperado pelo mercado, a qualidade das métricas de crédito mostrou uma piora relevante.

Logo após a abertura da bolsa, os papéis chegaram a ficar entre as cinco maiores altas do Ibovespa, mas perderam fôlego já na primeira hora de negociação e viraram para o negativo.

Ainda que o tom da administração tenha sido levemente otimista com o futuro próximo, uma frase do CEO, Octavio de Lazari Junior, dita na coletiva de imprensa chamou atenção: "estamos próximos do pico de inadimplência".

Segundo Lazari, as dívidas de clientes vencidas há mais de 90 dias deve subir ainda no segundo trimestre e, talvez, se estender um pouco para o terceiro trimestre.

No final do ano passado, o CEO já havia avisado que a inadimplência iria piorar antes de melhorar e estimava que ela atingiria o pico entre o primeiro e o segundo trimestres de 2023.

Entre janeiro e março, o Bradesco registrou nova disparada da inadimplência, que saltou para 5,1%, de 4,3% no 4T22, nas dívidas vencidas há mais de 90 dias. Em relação ao mesmo período do ano passado, a alta foi de 1,9 ponto percentual.

De acordo com Lazari, a alta da inadimplência vem de safras de clientes antigas e também pelo fato do Bradesco não ter vendido carteiras ativas.

Além disso, o encolhimento da carteira de crédito provocou um efeito denominador - se a carteira tivesse se mantido nos patamares anteriores, o Bradesco calcula que a inadimplência teria crescido menos, cerca de 0,5 ponto percentual.

Para os próximos trimestres, o Bradesco enxerga sinais positivos de uma inadimplência mais controlada, pois as novas safras seriam 95% formadas por clientes de melhor rating.

O CEO do Bradesco, Octavio de Lazari Junior

O que esperar do resto de 2023

De acordo com analistas do BTG Pactual, a piora da inadimplência e a redução do apetite ao risco devem manter os resultados do Bradesco pressionados nos próximos trimestres.

"Embora alguém possa argumentar que o pior para o banco provavelmente já passou, os resultados do primeiro trimestre reforçam nossa visão de que uma grande recuperação da lucratividade ainda está muito longe, o que não acreditamos que esteja refletido nas estimativas de consenso", afirmou o BTG em relatório.

Para o Itaú BBA, o lucro melhor que o esperado não é motivo de comemoração e os resultados trazem risco negativo para as estimativas da operação do Bradesco em 2023.

"Os poucos pontos positivos foram uma menor perda nos resultados de tesouraria e despesas operacionais bem contidas", disse o banco.

Compartilhe

ARROZ EM ALTA

Camil (CAML3) sobe 8% após balanço, mas recomendação de compra não é unanimidade entre os bancos

12 de julho de 2024 - 13:45

Resultados do primeiro trimestre divulgados pela companhia animaram o mercado. No entanto, o impulso motivado pela alta no preço do arroz tem data para acabar

DIVIDINDO A RESPONSABILIDADE

Por que a Vale (VALE3) fechou acordo com a BHP em processos no exterior por rompimento de barragem em Mariana 

12 de julho de 2024 - 12:12

O contrato assinado com a BHP tem relação com os processos de ações coletivas no Reino Unido e Holanda ligados ao rompimento da barragem de Fundão

Reforço de caixa

Eletrobras pode levantar até R$ 3,3 bi com oferta secundária de ações da CTEEP (TRLP4); mercado reage e papel tem a maior queda do Ibovespa

12 de julho de 2024 - 11:28

Companhia anuncia venda de 60 milhões de papéis da subsidiária, que pode ser acrescida de mais 70 milhões caso haja demanda

AINDA UMA PENNY STOCK

Em meio a aumento bilionário de capital, Americanas (AMER3) adia grupamento de ações

11 de julho de 2024 - 19:57

Grupamento de ações ordinárias e aquisição do controle da varejista pelos acionistas de referência com aumento de capital foram aprovados nesta semana pelo Cade

CÉU AZUL

Itaú BBA iniciou cobertura da Latam com recomendação de compra e chances de ação decolar 41%; os motivos você confere aqui

11 de julho de 2024 - 19:01

São três pilares que sustentam uma visão positiva sobre a empresa, e quase todos têm a ver com ajustes após a saída do chapter 11

CONSELHO APROVOU

Por que a Santos Brasil (STBP3) quer devolver R$ 1,6 bilhão aos acionistas? Confira a proposta de redução de capital da companhia

11 de julho de 2024 - 18:57

A operação deve ser realizada sem o cancelamento de ações e com restituição em dinheiro aos investidores, mas ainda precisa ser aprovada pelos acionistas

OPERAÇÃO DISCLOSURE

A fraude bilionária na Americanas (AMER3): procurador do MPF pede a extradição do ex-CEO Miguel Gutierrez na Espanha

11 de julho de 2024 - 18:41

Investigado pela operação Disclosure, o executivo teve a prisão decretada pela Justiça, mas permanece solto por ter cidadania brasileira e espanhola

PARCERIA ENTRE GIGANTES

Um passo rumo à fusão? Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) iniciam venda de rotas compartilhadas pelo Brasil

11 de julho de 2024 - 15:29

Em meio à expectativa de fusão entre duas gigantes da aviação comercial no Brasil, a Azul  (AZUL4) e a Gol (GOLL4) iniciaram nesta quinta-feira (11) a venda de rotas compartilhadas. A parceria conecta as malhas de ambas as empresas por meio de um acordo de compartilhamento de rotas, também conhecido como codeshare, anunciado pela primeira […]

POISON PILL DISPARADA?

Briga interna no conselho de administração da Rossi (RSID3) vai parar na Câmara de Arbitragem do Mercado e pode levar à OPA; ações da companhia recuam

11 de julho de 2024 - 14:31

João Rossi Cuppoloni, que é presidente do CA, e Renata Rossi Cuppoloni, conselhereira efetiva, pediram a instauração de um procedimento arbitral contra os outros três membros do colegiado

IMÓVEIS

Penny stock nunca mais? PDG Realty aprova grupamento e ação dispara na B3; saiba como vai funcionar 

11 de julho de 2024 - 12:50

Grupamento entrará em vigor em 12 de agosto e tem como objetivo tirar a empresa da lista de ações listadas em bolsa cuja cotação é inferior a R$ 1

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar