🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
MUDANÇAS À VISTA

Governo formaliza indicação de Jean Paul Prates para a presidência da Petrobras (PETR4). Saiba quem é o político e o que esperar do futuro da estatal

O processo entre a indicação e aprovação de Prates ao comando da Petrobras deve durar até 60 dias, uma vez que será submetido à aprovação do Conselho e à Assembleia

Camille Lima
Camille Lima
4 de janeiro de 2023
9:54 - atualizado às 10:14
jean paul prates, indicado à presidência da Petrobras
Imagem: Reprodução/Flickr/Montagem Seu Dinheiro

O ano mal começou e as mudanças propostas pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já estão a todo o vapor. Confirmada desde o fim de 2022, o governo formalizou na noite desta terça-feira (03) a indicação do senador Jean Paul Prates (PT-RN) para a presidência da Petrobras (PETR4). Além da chefia da estatal, o petista deverá também ocupar uma cadeira no conselho de administração da petroleira. 

O político era um dos nomes mais cotados para a posição desde a diplomação de Lula como presidente eleito, mas foi apenas a última cadeira a ser anunciada antes da posse presidencial. 

Segundo o Valor Econômico, o atual presidente da petrolífera, Caio Paes de Andrade, enviou carta de renúncia ao conselho de administração da estatal na última sexta-feira. A petroleira confirmou nesta manhã a saída antecipada e imediata de Paes de Andrade dos cargos de presidente e de membro do conselho.

Para substituí-lo temporariamente, o conselho nomeou como presidente interino da companhia o diretor executivo de desenvolvimento da produção, João Henrique Rittershaussen, até que o novo presidente indicado por Lula assuma a posição.

Formado em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e em engenharia de petróleo pela Petrobras, Rittershaussen trabalha na Petrobras há 35 anos, tendo ocupado diversas funções gerenciais.

A indicação de Jean Paul Prates à Petrobras (PETR4)

A nomeação já havia sido antecipada em dezembro por Lula, mas deveria ser formalizada em ofício pelo Ministério de Minas e Energia (MME) à Petrobras.

Segundo documento da petrolífera enviado à CVM ontem à noite, o nome de Prates foi enviado à Casa Civil e, após a análise da documentação e o retorno ao MME, foi encaminhado formalmente à estatal.

Vale destacar que o processo entre a indicação e aprovação de Prates ao comando da Petrobras deve durar entre 40 e 60 dias.

Isso porque, após formalizada a nomeação em ofício ao Ministério de Minas e Energia (MME) enviado à Petrobras, o conselho da companhia deve submeter o nome à aprovação por 11 conselheiros.

Depois de efetivada, a indicação ainda passará por uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para que os acionistas confirmem Prates na presidência, além de seis conselheiros a serem apontados pelo governo.

Quem é Jean Paul Prates?

Nascido em 1968 e formado em Direito pela UERJ e em economia pela PUC-Rio, Jean Paul Prates fez carreira como consultor de óleo e gás no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Norte antes de entrar para a política.

Além disso, Prates ocupou a secretaria de governo de Energia e foi dirigente do sindicato patronal do setor antes de tornar-se senador.

O carioca chegou ao Senado em 2019 como substituto de Fátima Bezerra (PT), após a política ser eleita governadora do Rio Grande do Norte.

Como senador, sua atuação foi marcada por projetos relacionados a práticas sustentáveis e à transição energética. 

Prates foi autor do projeto de lei que regulamenta a geração de energia eólica em alto mar, que está em tramitação na Câmara dos Deputados após aprovação no Senado.

O que esperar do novo comando da Petrobras?

Apesar de a indicação de Jean-Paul Prates por Lula não ter trazido surpresas ao mercado, a escolha pode causar grandes mudanças na Petrobras (PETR4) e ameaçar a atual tese de investimentos na empresa, segundo analistas.

"Quaisquer possíveis mudanças no plano de investimento e na política de preços de combustível podem representar mais riscos para a tese de investimento da Petrobras", escreveu o Citi, em relatório.

Isso porque, logo após o senador ter sido indicado à chefia da petroleira, o carioca afirmou, em conversa com jornalistas, que a política da estatal será alterada.

"Não necessariamente para traumatizar o investidor nem o retorno de investimentos. Vai ser alterada porque a política do país vai ser alterada”, disse Prates.

“A Petrobras faz política de preços para o cliente dela. Ela é uma empresa. Ela faz política de preço de acordo com o contexto do país. A mudança de política de preços, de diretrizes de preço vai ser dada por consórcio do governo. Ministério da Fazenda, MME, Petrobras, Conselho Nacional de Política Energética. [...] Não faz sentido pagar frete em cima de algo produzido aqui.”

Na visão do Citi, a experiência de 37 anos de Jean Paul Prates no setor e as críticas públicas à atual política de paridade de preços (PPI) da petroleira podem aumentar os riscos ao negócio e impactar diretamente a política de dividendos da estatal.

De acordo com o banco, as possíveis possíveis mudanças na estratégia de longo prazo da Petrobras e a incerteza sobre sua futura alocação de capital são os principais riscos à petroleira.

Para os analistas, a troca de comando na empresa e nas diretrizes de gestão pode resultar em múltiplos menores da estatal em comparação com seus pares, além de cortar o dividend yield (rendimento de dividendos) a 8%.

"Uma das áreas de discussão mais importantes, a nosso ver, é a futura política de dividendos da empresa, que pode convergir para o payout mínimo de 25%. Nesse cenário, vemos a ação sendo negociada com um rendimento de dividendos de cerca de 8%, o que implica riscos potenciais de queda no preço da ação", disse o Citi, em relatório.

Compartilhe

NOVOS INVESTIMENTOS

Petrobras (PETR4) anuncia parceria com empresa chinesa para projetos de energias renováveis e transição energética

18 de abril de 2024 - 11:17

Apesar do destaque para energias renováveis, parceria da Petrobras com a China National Chemical Energy Company também inclui acordos comerciais para exploração de petróleo

FABRICANTE DE CHIPS

Mesmo com lucro quase 10% maior, por que investidores penalizam as ações da “rival” da Nvidia, a TSMC?

18 de abril de 2024 - 10:29

Os lucros da TSMC são vistos como um indicador para a demanda global por chips, devido ao seu papel fundamental na indústria de fabricação e à importância de seus clientes

OFERTA DE AÇÕES

Sabesp (SBSP3): governo Tarcísio define modelo de privatização e autoriza aumento de capital de até R$ 22 bilhões; saiba como vai funcionar

18 de abril de 2024 - 10:21

Venda do controle da Sabesp ocorrerá via oferta de ações, com seleção de acionista de referência pelo mercado a partir das duas melhores propostas

O TAL DO MULTIFAMILY

Dona de 5 mil apartamentos, Brookfield aposta no mercado residencial para a renda e diz o que falta para o segmento decolar no Brasil

18 de abril de 2024 - 6:05

Demanda não falta, mas o vice-presidente sênior da gestora lista duas grandes dificuldades que o multifamily enfrenta no país

AS ÁGUAS VÃO ROLAR

A privatização da Sabesp vem aí: cidade de São Paulo dá um passo fundamental para a desestatização da companhia

17 de abril de 2024 - 20:18

Entre os cerca de 370 municípios atendidos pela Sabesp, São Paulo representa entre 45% e 50% da receita total da empresa de saneamento

MERCADO LOGÍSTICO

Muito além de Cajamar: Log (LOGG3) prevê maior demanda por galpões fora do Sudeste, mas ainda nos grandes centros

17 de abril de 2024 - 16:31

No quarto trimestre, por exemplo, a companhia entregou 131 mil metros quadrados em Salvador, Brasília e Maceió

POR QUE A PRESSA?

Vale (VALE3): a surpresa dos dados que fazem as ações subirem e os bancões correrem

17 de abril de 2024 - 14:47

A mineradora apresentou dados operacionais do primeiro trimestre de 2024 e o mercado refez as contas sobre como será o desempenho financeiro da companhia, que ainda tem pedras no caminho — saiba se é hora de comprar ou vender

ELE MERECE?

Tesla pede a acionistas que votem para aprovar pagamento de US$ 56 bilhões a Elon Musk barrado pela Justiça; entenda o caso

17 de abril de 2024 - 13:17

O bônus ao bilionário foi aprovado em 2018, mas o Tribunal de Delaware barrou o pacote após uma extensa disputa judicial entre um dos acionistas da Tesla e o CEO da companhia

O MERCADO NÃO GOSTOU

Vai decidir quando? Oi (OIBR3) adia pela quarta vez assembleia de credores que votará plano de recuperação judicial  — ações tocam mínima na bolsa

17 de abril de 2024 - 12:11

Os papéis da companhia caíram 1,47% e atingiram o menor valor do dia depois que a votação foi postergada junto com o stay period; confira a nova data e o novo horário

ATENÇÃO, ACIONISTAS

Klabin (KLBN11) e Gerdau (GGBR4) vão distribuir mais de R$ 5,5 bilhões em ações; veja como vai funcionar a bonificação

17 de abril de 2024 - 9:56

O bônus funciona como uma distribuição gratuita de novos papéis para os acionistas das empresas — mas existe data de corte para receber a “remuneração”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar