🔴 PRIO3 E +9 AÇÕES PARA COMPRAR AGORA – ASSISTA AQUI

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Copo cheio de espuma

A Ambev (ABEV3) tem inconsistências contábeis a la Americanas? É melhor ir com calma antes de tirar conclusões

O fantasma de Lemann e das Americanas derruba as ações da Ambev (ABEV3) hoje. Mas há pouca semelhança entre os casos

Budweiser, cerveja do portfólio da Ambev
Budweiser, cerveja do portfólio da Ambev - Imagem: Shutterstock

Água no chope da Ambev (ABEV3) nesta quarta-feira (1): as ações da companhia caem mais de 5% e lideram com folga a ponta negativa do Ibovespa. Pode não parecer grande coisa, mas para uma gigante do tamanho da cervejeira, um tombo desses implica numa perda de mais de R$ 10 bilhões em valor de mercado numa única sessão.

A espiral negativa, no entanto, não começou logo na abertura do pregão. Os papéis ABEV3 passaram a mergulhar perto das 11h — não coincidentemente, minutos após uma matéria publicada no site da revista Veja levantar suspeitas sobre um possível rombo bilionário envolvendo a cervejeira.

E, é claro, o mercado está como gato escaldado quando o assunto é inconsistência contábil — ainda mais quando o raio pode cair duas vezes no mesmo lugar. Afinal, assim como a Americanas, a Ambev também tem o trio Jorge Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira, da 3G Capital, como pilares de sua sustentação.

A fumaça se espalhou rapidamente pelas mesas de operação e os papéis ABEV3 foram às mínimas dos últimos seis meses, sendo negociados abaixo da casa dos R$ 13, em meio às incertezas quanto aos eventuais impactos a serem sentidos no balanço da companhia.

Mas o que de fato é espuma e o que é copo cheio nessa história?

As ações da Ambev (ABEV3) não eram negociadas a níveis tão baixos desde meados de junho de 2022. Fonte: B3

Ambev (ABEV3): impostos e imbróglios

Segundo a reportagem de Veja, a suspeita foi levantada pela Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil), uma entidade encabeçada por rivais da Ambev no setor: Grupo Petrópolis, Imperatriz Cervejaria, Krug Bier, e Lund são alguns de seus membros.

A questão parte de um estudo feito pela AC Lacerda. Certas empresas de bebidas, como a Ambev e a Coca-Cola, estariam supostamente se aproveitando indevidamente de benefícios fiscais concedidos a companhias que atuam na Zona Franca de Manaus. Isso porque tais empresas são isentas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Mas Ambev, Coca-Cola e outras não estão nessa região, então qual a questão? Segundo a CervBrasil, ao comprarem componentes para a produção de refrigerantes que são feitos na Zona Franca, as empresas podem reconhecer créditos fiscais, com base na taxa nominal de IPI.

Sendo assim, o estudo da AC Lacerda concluiu que, após anos dessa prática, o rombo gerado por essas distorções à arrecadação fiscal pode ser da ordem de R$ 30 bilhões.

Inconsistências contábeis, empresas de Lemann, cifras bilionárias... o mercado tremeu.

Bebida concentrada ou diluída?

Dito isso, um primeiro ponto a ser frisado é o de que essa cifra de R$ 30 bilhões não diria respeito apenas à Ambev, mas sim a todas as empresas de bebidas que se aproveitariam dessa situação. Seria preciso, portanto, entender melhor como esse possível rombo afetaria cada uma das companhias.

E o BTG Pactual fez justamente isso. Em relatório publicado no fim da manhã, os analistas Thiago Duarte e Henrique Brustolin destacam que os R$ 30 bilhões em questão se referem às estimativas feitas pela Receita Federal em relação às disputas entre a autoridade fiscal e as empresas de bebidas.

Esse imbróglio vem de longa data, e a CervBrasil sempre foi uma crítica vocal da questão. Durante o governo Michel Temer, tentou-se amenizar parte do problema. A taxa nominal de IPI envolvendo tais produtos caiu de 20% para 8%. Portanto, boa parte do benefício deixou de existir desde 2018.

"No caso da Ambev, o impacto deve ser ainda menor, dado que o tamanho do negócio de bebidas não-alcoólicas em relação a todo o negócio é de cerca de 7% do Ebitda consolidado estimado para 2022", escreve o BTG. "Então, qualquer discussão sobre eventuais mudanças na maneira como a Zona Franca funciona devem ser bem diluídas".

Ambev: balanço gaseificado

Ainda de acordo com o BTG, a Ambev (ABEV3) não está totalmente desprotegida de uma eventual perda nas discussões envolvendo a Zona Franca de Manaus. Os itens 8 e 17 do relatório 20-F da companhia no terceiro trimestre indicam uma provisão de R$ 5,6 bilhões para 'possíveis perdas' relacionadas aos créditos fiscais.

"Mas parece justo dizer que, se esses créditos deixarem de existir, as companhias provavelmente transmitiriam parte dos custos para os preços dos produtos." Sendo assim, por mais que o fantasma de um eventual rombo a la Americanas pareça distante, a questão pode sim trazer impactos à companhia.

O Seu Dinheiro entrou em contato com a CervBrasil e com a AC Lacerda, mas não obteve resposta. Nossa reportagem também procurou a Ambev, que nos enviou a seguinte nota:

"As acusações da Cervbrasil não têm qualquer embasamento. Calculamos todos os nossos créditos tributários estritamente com base na lei. Nossas demonstrações financeiras cumprem com todas as regras regulatórias e contábeis, as quais incluem a transparência do contencioso tributário. A Ambev está entre as 5 maiores pagadores de impostos no Brasil."

Compartilhe

PRÉVIA OPERACIONAL

MRV (MRVE3) quebra recorde de vendas no Brasil, mas ainda queima milhões em caixa nos EUA

15 de abril de 2024 - 18:33

Na Resia, incorporadora norte-americana da MRV, há uma regra de ouro: não queimar caixa em 2024. Mas a diretriz ainda não foi refletida nos resultados do 1T24

Ranking

O Galaxy desbanca o iPhone: Apple (AAPL34) perde liderança global de smartphones no 1T24

15 de abril de 2024 - 18:17

Embora o setor esteja em crescimento, a gigante de tecnologia apresentou uma queda de quase 10% nas remessas de iPhone no primeiro trimestre do ano

NA CARTEIRA

JP Morgan tira BRF (BRFS3) da geladeira: ações da dona da Sadia e Perdigão disparam na B3 com recomendação de compra 

15 de abril de 2024 - 10:38

Analistas do banco norte-americano veem BRF barata mesmo após disparada de 173% em 12 meses na B3

FALHA NO ACELERADOR

Mais problemas para Elon Musk? Ações da Tesla caem mais de 1% com notícia sobre demissão em massa e falhas no Cybertruck 

15 de abril de 2024 - 10:10

Montadora do bilionário deve demitir cerca de 10% da sua força de trabalho global, o equivalente a pouco mais de 14 mil pessoas, segundo notícia da Reuters

A PARTIR DE 2025

Saiba como a maior produtora de alumínio do país pretende reduzir emissões em até 30% — parte da resposta: com um investimento de R$ 1,6 bilhão

13 de abril de 2024 - 13:13

A multinacional norueguesa Hydro do ramo de alumínio projeta reduzir em cerca de um terço a intensidade de emissão de dióxido de carbono (CO2) nas operações brasileiras a partir de 2025.  A controladora das maiores operações de alumina e alumínio primário no Brasil diz que a previsão é que a meta seja alcançada após a […]

VITÓRIA!

Prio (PRIO3) fica com 100% de Wahoo: como a vitória deve aumentar a produção da petroleira; ações sobem na bolsa

12 de abril de 2024 - 13:05

A empresa recebeu uma decisão favorável da Câmara de Comércio Internacional em um processo arbitral relacionado à concessão BM-C-30, no campo de Wahoo

REESTRUTURAÇÃO DE DÍVIDAS

Light (LIGT3) assina acordos com credores, em novo passo em direção ao fim da recuperação judicial; ações caem na B3

12 de abril de 2024 - 11:46

Foram celebrados dois acordos com credores e debenturistas envolvendo as subsidiárias Light Sesa e Light Energia; entenda o que vem pela frente

ENGORDOU O PATRIMÔNIO

CEO da Nvidia fica quase R$ 3 bilhões mais rico em um dia. Conheça o bilionário que quase dobrou de fortuna em 2024

11 de abril de 2024 - 18:03

Jensen Huang é a 19º pessoa mais rica do planeta, de acordo com a revista Forbes, com um patrimônio avaliado em US$ 79,5 bilhões (R$ 404 bilhões)

ENTENDA O CASO

Justiça embarga obras de complexo bilionário da JHSF (JHSF3) no interior de São Paulo

11 de abril de 2024 - 16:01

A decisão aconteceu após pedido do Ministério Público, que afirma que a JHSF e outras duas companhias burlaram regras de licenciamento ambiental

DESISTIU DA BATALHA?

Gafisa (GFSA3): Esh Capital diminui participação após perder disputa sobre assembleia; ações caem 6% na B3

11 de abril de 2024 - 11:24

A gestora de Vladimir Timerman reduziu a participação na Gafisa de 20% para 4% do capital

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies