🔴 MELHORES MOMENTOS DO MACRO SUMMIT BRASIL 2024 – ASSISTA AQUI

A invasão dos OVNIs foi adiada: entenda por que a tensão geopolítica pode ser ruim para o Brasil

Quando as coisas pareciam caminhar para um desfecho mais positivo, os EUA e a China encontraram nos ovnis um novo jeito de brigar

14 de fevereiro de 2023
7:19
ovni, nave, alien, alienígena
Imagem: Pixabay

A semana começa com mais notícias envolvendo o espaço aéreo da América do Norte. Aviões militares derrubaram neste fim de semana mais objetos não identificados nos céus dos Estados Unidos, na região dos Grandes Lagos, e do Canadá, no território de Yukon. Os famosos ovnis.

Ao que tudo indica, embora ainda não formalmente confirmado, os objetos voadores não identificados eram balões menores do que o balão espião chinês abatido pelos EUA há uma semana na costa da Carolina do Sul.

Para a tristeza dos amantes das teorias de conspiração sobre alienígenas, a invasão extraterrestre ficou para outro dia. O que temos para hoje é a tensão geopolítica entre EUA e a China.

A mútua dependência entre EUA e China

Vale ressaltar que o Pentágono não confirmou os objetos voadores subsequentes como sendo chineses, enquanto Pequim, por sua vez, acusou os EUA de enviar 10 balões ao espaço aéreo da China em 2022. Parece justo, no entanto, perguntar qual é o plano de jogo de Pequim aqui. 

Veja, estamos falando das duas principais economias do mundo, o que faz com que qualquer atrito, como o que vem acontecendo nos últimos anos, chame sempre a nossa atenção (pode afetar a economia mundial).

Com briga ou sem briga, os EUA ainda precisam da China para fabricar as coisas que fabricam e a China precisa dos dólares americanos para manter sua economia funcionando. Ou seja, há uma dependência econômica mútua aqui que não pode acabar do nada, fazendo com que qualquer processo de transformação seja demorado.

Há quem argumente que a alta cúpula chinesa podia nem estar ciente de que o primeiro dispositivo de coleta de informações estava pairando no espaço aéreo dos EUA, enquanto outros indicam que foi um erro geopolítico da parte dos chineses.

O momento não poderia ser pior.

O mundo enfrenta um aperto monetário com poucos precedentes no passado, o que apontaria para uma recessão nos países centrais, enquanto a China luta para finalmente sair das restrições pandêmicas.

O presidente chinês Xi Jinping não é bobo e sabe que para ter um sucesso maior em termos de crescimento precisa que o mundo não caia em uma recessão muito dura e, principalmente, que os EUA não possam retaliar economicamente a China, como fizeram com a Rússia — depois de 2022, qualquer evento geopolítico ganhou peso.

Ora, os EUA continuam sendo o principal parceiro comercial da China, com o comércio bilateral chegando a US$ 2 bilhões por dia. Enquanto a realidade for essa, o governo chinês precisará controlar a sua resposta aos abates americanos dos objetos voadores.

Claro, isso se os últimos forem mesmo de origem chinesa, como tudo sugere — se tivesse realmente sido apenas uma ferramenta de coleta de dados meteorológicos, Pequim não hesitaria em avisar os EUA formalmente o desvio de rota, conforme a diplomacia internacional pede.

Leia também

Quanto pior, pior

A reunião entre Biden e o presidente Xi Jinping na Indonésia no final do ano passado foi projetada para estabelecer laços entre as duas maiores economias e potências estratégicas do mundo. A esperança era fazer com que os funcionários falassem mais e trabalhassem em interesses comuns. E as coisas pareciam caminhar bem.

Ocorre que, mais uma vez, temos as duas principais economias se estranhando. Sabemos que a tendência é que haja nos próximos anos uma regionalização maior, com a divisão do mundo em dois blocos principais, um mais alinhado aos americanos e outro aos chineses. Quanto pior for o ambiente geopolítico, mais difícil será para trabalharmos em uma transição saudável de modelo econômico.

Mesmo assim, a história pode nos mostrar que as disputas geopolíticas nem sempre inviabilizam as relações próximas, especialmente as econômicas. Para ilustrar, o comércio de mercadorias entre os EUA e a China atingiu um recorde em 2022, mesmo com efeitos e sanções em vigor desde a guerra comercial da era Trump.

De qualquer forma, a situação de agora é problemática, porque a economia da China cresceu no ano passado no segundo ritmo mais lento desde a década de 1970, prejudicada pela pandemia e pelos esforços liderados pelos Estados Unidos para manter equipamentos avançados de fabricação de chips longe do território chinês.

Esperava-se que o relaxamento da política de zero-Covid fosse um novo começo, não apenas para a economia, mas também para as relações internacionais, dado o isolamento da China por tanto tempo. Agora, porém, o incidente do balão (ou dos balões) pode tornar mais difícil para a economia chinesa recobrar seu brilho. 

Quanto mais tempo houver falta de clareza, mais estreita será a janela para tornar o objetivo da reunião na Indonésia possível. O problema é que isso afeta não só a retomada chinesa, mas o crescimento global como um todo, podendo prejudicar o Brasil, já em uma situação bastante delicada.

Compartilhe

DE REPENTE NO MERCADO

O que Elon Musk, Javier Milei, Alexandre de Moraes, o halving do bitcoin e a China têm em comum? 

14 de abril de 2024 - 12:00

Acredite: tudo isso movimentou o mercado financeiro esta semana; veja os destaques

Especial IR 2024

Meu dependente paga pensão alimentícia; posso abatê-la no imposto de renda?

13 de abril de 2024 - 8:00

Titular da declaração de imposto de renda declara o pai como dependente, e ele paga pensão alimentícia à mãe dela. E agora?

SEXTOU COM O RUY

Enquanto você se preocupa com a Oi (OIBR3), esta empresa da B3 virou a campeã de qualidade no serviço de internet – e ainda está barata na bolsa

12 de abril de 2024 - 6:07

Para se diferenciar, essa companhia construiu uma infraestrutura de qualidade, que tem proporcionado prêmios de internet fixa mais rápida do Estado de São Paulo, à frente das gigantes de telecom

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Quintal da China, quintal do mundo

10 de abril de 2024 - 19:15

Se a economia chinesa sofre, nós necessariamente compartilhamos dessa desgraça?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Juro real de volta aos 6%: com bolsa na pior e dólar nas alturas, essa é uma nova oportunidade?

9 de abril de 2024 - 6:40

Uma regra prática comum para investimentos em renda fixa no Brasil sugere vender títulos quando os juros reais atingem 3% e comprá-los a 6%

EXILE ON WALL STREET

Além do bitcoin (BTC): esta carteira já rendeu 447% acima da maior criptomoeda do mercado

8 de abril de 2024 - 20:01

Acredito que exista uma forma melhor de pensar sobre a ciclicidade do preço do bitcoin (BTC), que historicamente nos ajudou a gerar alfa neste mercado

BOMBOU NO SD

Argentina entra na rota de ‘paraíso fiscal’, China encara mesma crise do Japão e inteligência artificial “sugando” o Ibovespa — veja tudo o que foi destaque na semana

6 de abril de 2024 - 13:36

A crise e os seus reflexos no país vizinho no Brasil despertaram o interesse dos leitores do Seu Dinheiro nos últimos dias

IR 2024

Pago escola e plano de saúde de um filho ilegítimo; posso abater esses gastos no imposto de renda?

6 de abril de 2024 - 8:00

Filho não assumido rende deduções no imposto de renda? A Dinheirista responde dúvidas de leitores sobre o IR 2024

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Lições da renda fixa — um intervalo assimétrico

3 de abril de 2024 - 20:01

De 2010 para cá, mediante a ajuda da balança comercial, a maturação do Copom e a lapidação das metas fiscais, os juros reais passaram a respeitar uma zona limítrofe de 3% a 6%, com raras exceções

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

A inteligência artificial está “sugando” recursos das bolsas — inclusive do nosso Ibovespa

2 de abril de 2024 - 6:58

No início dos anos 2000, se entendia que os mercados emergentes, de alguma forma, se aproximariam dos desenvolvidos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies