🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView

Surreal! O ‘peso-real’ deixou todo mundo histérico, mas inutilmente; entenda por que moeda comum não vai sair do papel

Uma ideia ruim acabou sendo explicada da maneira errada para um jornal com um pouco mais de credibilidade e peso-real rendeu uma confusão enorme

24 de janeiro de 2023
6:09 - atualizado às 10:48
argentina, real, brasil, peso, criptomoedas
Imagem: Montagem Seu Dinheiro

Os participantes do mercado financeiro, os veículos de notícias e as redes sociais passaram por um momento de histeria coletiva com a notícia cheia de equívocos de um grande jornal estrangeiro sobre a criação de uma moeda entre Brasil e Argentina.

O ruído chamou a atenção de gente importante, uma vez que é um absurdo bem grande. O problema é que a história foi contada e espalhada da maneira errada.

Mas vamos por partes.

A ideia de uma moeda compartilhada não é nova e já teve entre seus defensores o ex-ministro da Economia, Paulo Guedes, que a chamava de “peso-real”.

Agora ventilada pelo governo atual e autoridades argentinas, o projeto se trata, na verdade, não da utilização de uma moeda única latino-americana, nos moldes do euro, mas, sim, de uma moeda virtual para ser usada bilateralmente em transações financeiras e comerciais dos países.

"Ah, mas começa assim mesmo e depois avança". Não, não começa não.

VEJA TAMBÉM - Brasileiros vivem "dias de rico na Argentina", mas cuidado ao levar o seu dinheiro para lá: descubra a forma mais vantajosa ade fazer isso

O que está sendo discutido afinal

Em primeiro lugar o que foi colocado é o início de um estudo colaborativo de viabilidade econômica, não um preparo propriamente dito, como foi ventilado no fim de semana.

O pano de fundo seria o experimento de 2008, após a crise do subprime, em que os países adotaram trocas nas moedas de origem, por conta da volatilidade internacional.

De maneira similar, o objetivo do estudo, somente iniciado, é o de identificar alguma chance de mitigar os efeitos da volatilidade e desvalorização do peso argentino, diante da inflação galopante do país.

Como se trata de um parceiro comercial relevante do Brasil, a situação monetária do vizinho atrapalha os controles comerciais. Não há, portanto, uma essência de união monetária, apesar do alinhamento entre os governos.

Imagina quanto tempo isso iria levar

Em segundo lugar, mesmo uma união monetária como a da zona do euro precisou de mais de três décadas para sair do papel.

Imaginem o tempo necessário para realizar o mesmo experimento na América Latina, com tantos problemas nos dois países e perante uma exacerbada volatilidade e polarização política.

São necessárias inúmeras etapas de harmonização de políticas fiscal e cambial entre os países, movimento do qual não estamos nem próximos com a união alfandegária do Mercosul.

Instituições e legislações comuns

Sem falar nas instituições supranacionais e em algum conjunto de leis em comum.

Por isso, quando muito, tratamos aqui não de uma moeda nacional, mas um veículo que minimize as dificuldades de aceitação do peso no mercado internacional, como uma espécie de "clearing" (serviço de compensação e liquidação de ordens de compra e venda eletrônicas) para mercado Brasil-Argentina, dado que a restrição de dólar pode prejudicar o comércio com Argentina ou outros países.

Melhor que o peso real? Executivo gringo dá sugestão de moeda “ousada” para Brasil e Argentina; veja 

Politicamente inviável

O que nos traz ao terceiro ponto, que é a falta de viabilidade política. Não apenas o assunto parece não ter unanimidade dentro do próprio governo, como também haveria uma oposição muito forte em Brasília, em especial a partir de fevereiro, com o novo Congresso mais à direita do que o atual proporcionando uma oposição mais ferrenha.

Em outras palavras, portanto, a iniciativa morre na praia quando olhamos para o futuro. Não é uma prioridade e, consequentemente, não haveria razão para o governo gastar munição com a temática, considerando outros temas econômicos mais relevantes, como o novo arcabouço fiscal de Rogério Ceron, secretário do Tesouro, e a reforma tributária de Bernard Appy, secretário especial de reforma tributária.

peso real

Melhor que o peso real?

Executivo gringo dá sugestão de moeda “ousada” para Brasil e Argentina; veja aqui

Powered by Empiricus Research.

A retórica parece que só se tornou mais evidente por conta da viagem do presidente Lula aos vizinhos nesta semana, começando com a própria Argentina, que está visivelmente usando a bandeira para fins eleitorais, uma vez que há eleição presidencial neste ano.

Por outro lado, considerando que se trata da primeira viagem internacional de Lula e que o atual presidente vê no chefe de estado argentino um amigo, ficaria muito difícil simplesmente desmentir a situação toda do dia para a noite.

Veja também - A forma mais barata de levar dinheiro para a Argentina

Outros problemas

Adicionalmente aos pontos já expostos, a proposta acaba tocando diversos problemas econômicos.

Ocorre que, ao entrar em uma união monetária, os países membros devem ter uma combinação de flexibilidade e simetrias de forma que atendam aos critérios propostos pelo modelo de Mundell Fleming, o que não é o caso: 

  1. a diferença da taxa de juros entre os dois países é enorme, impossibilitando uma política monetária que acomode as duas condições (primeiro gráfico abaixo); e
  2. a diferença deriva da inflação argentina (segundo gráfico); seria uma idiotice para o Brasil financiar a redução de prêmio de risco da dívida da Argentina.
Fontes: Steno Research, Bloomberg e Macrobond
Fontes: Steno Research, Bloomberg e Macrobond

Dessa forma, tirando o mal-estar para os agentes de mercado e para o próprio governo brasileiro criado pela entrevista para o Financial Times do ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa, não temos muito com que nos preocupar.

Pelo menos temos boas piadas sobre o nome da moeda: gosto de Surreal, o Real do Mercosul.

Compartilhe

de repente no mercado

3 perguntas para a semana: onde investir em março? O Brasil pode finalmente ‘decolar’? Vou receber um ‘PIX’ nas próximas semanas?

3 de março de 2024 - 12:00

E mais: quais moedas podem subir junto com o bitcoin? E como planejar um ano sabático?

TRILHAS DE CARREIRA

Burnout ou mimimi? O perigo da banalização de termos médicos e a falta de empatia no trabalho

3 de março de 2024 - 8:00

A imprecisão no uso diagnósticos e a trivialização de temas de saúde mental não apenas minam a seriedade dessas questões, mas também obscurecem a importância da conscientização em saúde mental nos espaços corporativos

Especial IR 2024

Imposto de Renda 2024: Sou MEI há 5 anos e nunca declarei IR, mesmo sendo obrigado; posso me dar mal?

2 de março de 2024 - 8:00

O microempreendedor individual (MEI) pode ser obrigado a declarar como pessoa física! Veja o que fazer quando se deixa de entregar a declaração

SEXTOU COM O RUY

A Oi (OIBR3) é uma pechincha? Se você quer ter um sono tranquilo e bons lucros, olhe para outra empresa do setor

1 de março de 2024 - 6:05

Essa companhia distribuiu R$ 4,8 bilhões em dividendos e, como o grosso do investimento em fibra parece ter ficado para trás, a expectativa é de que esses proventos aumentem ainda mais

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Solução de quatro estados

29 de fevereiro de 2024 - 20:02

Como faremos para balancear extremos opostos por meio de um único instrumento mediano nos mercados financeiros?

Diário de Bordo

O que eu penso sobre o bitcoin?

28 de fevereiro de 2024 - 10:29

Diário de Bordo de 28 de fevereiro de 2024

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Campos Neto e Powell navegam em águas incertas: o que esperar dos próximos passos dos banqueiros centrais para os juros

27 de fevereiro de 2024 - 6:29

A trajetória das taxas de juros no Brasil e nos EUA será decisiva para as expectativas dos investidores e a direção dos ativos de risco

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Qual o caminho mais rápido e efetivo para o sucesso no mercado?

26 de fevereiro de 2024 - 20:03

Seja lá qual for o caminho do sucesso, ele começa por uma boa educação. Nada é mais estruturante e transformacional.

LINHA D'ÁGUA

Por que FoFs de previdência privada serão os grandes vencedores das mudanças recentes na tributação

26 de fevereiro de 2024 - 18:46

Esse tipo de fundo mantem a mesma característica tributária de um exclusivo de previdência, mas, por ser um fundo coletivo, de varejo, não tem o limite de R$ 5 milhões de patrimônio

DE REPENTE NO MERCADO

Fênix à solta: Weg (WEGE3) ressurge como ‘fábrica de bilionários’; Oi (OIBR3) deixa de ser penny stock e Nvidia ‘fura’ a bolha da inteligência artificial

25 de fevereiro de 2024 - 12:00

E mais: estrategista-chefe recomenda 3 ações que estão em ‘raríssimo momento na bolsa’ e por que você deveria correr para comprar um imóvel logo

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies