🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

O império contra-ataca: o Google responde à ameaça do ChatGPT e volta ao jogo (mesmo sem nunca ter ido embora)

Com a popularidade do ChatGPT, muitos afirmaram que o Google caminhava rumo à extinção. No entanto, a big tech reagiu à altura

18 de maio de 2023
6:12 - atualizado às 16:54
Ícone do navegador Chrome, da Google
Imagem: Shutterstock

Olá, seja bem-vindo à Estrada do Futuro, onde conversamos semanalmente sobre a intersecção entre investimentos e tecnologia — e o tema da coluna de hoje é o Google, um dos membros mais importantes do grupo das big techs

Se tem uma coisa que o tempo te ensina sobre o mercado de ações, é que as narrativas mudam muito mais rápido que os fundamentos. Quantas vezes não vemos papéis derretendo ou subindo euforicamente sem que absolutamente nada de novo tenha acontecido…

Um exemplo perfeito dessa heurística é o que aconteceu com as ações do Google. Nos últimos dois meses, os ativos da empresa precificaram três cenários diferentes: 

  1. Monopólio de mecanismos de busca, líder absoluto e inconteste;
  2. Monopólio letárgico à beira da disrupção;
  3. Renascimento como queridinha dos investidores de inteligência artificial.

A seguir, eu vou te explicar como, em tão pouco tempo, o mercado foi capaz de nutrir (e fazer refletir no preço das ações), cenários tão diferentes.

Oi, queria saber se é o fim do Google

Nos últimos dois meses, dei entrevistas a jornalistas pautados para a escrever sobre o "fim do Google", sobre como o ChatGPT substituiria o mecanismo de buscas — e se a empresa seria lembrada no futuro da mesma maneira que a IBM.

Em defesa da mídia, o Google também não colaborou: após o sucesso inicial (e bastante surpreendente) do ChatGPT, a companhia convocou investidores e jornalistas para uma conferência em que mostraria ao mundo todos os seus recursos incríveis e comparáveis aos da Microsoft.

A conferência foi mais confusa que o antigo programa da Regina Casé: os apresentadores estavam mal preparados, as "novidades" eram todas notícias velhas e, no ápice da confusão, um dos palestrantes notou estar sem o celular em mãos ao realizar uma "demo". 

Aquela conferência pegou mal — para muitos investidores, ficou uma sensação estranha de que o Google estava desesperado. Se a empresa sequer conseguia botar na rua uma apresentação de funcionalidades rivais ao ChatGPT, como conseguiria emplacar de fato um novo produto? Uma remodelagem na razão de ser do mecanismo de buscas? 

Essas perguntas fizeram as ações do Google derreter. 

Na mesma época, o fundador da OpenAI (empresa criadora do ChatGPT) deu uma entrevista polêmica, dizendo que não gostaria de estar na pele de um monopólio letárgico, à beira da disrupção. Essa declaração também pesou, e tenho certeza que desceu quadrado para os executivos do Google.

Era preciso revidar.

Google Keynotes 2023

Na semana passada, agora sim bem preparados, os executivos do Google trouxeram uma apresentação de duas horas mostrando o futuro da inteligência artificial em seus produtos.

No Gmail, vimos a ferramenta fazendo nosso trabalho. Em breve, a função "me ajude a escrever" estará disponível para mais de 2 bilhões de usuários do serviço de e-mails no mundo.

Fonte: Google Keynotes 2023

No mecanismo de buscas, o Google mostrou uma interface super interativa, integrando modelos de linguagem natural (como o ChatGPT) ao mecanismo de buscas que conhecemos.

Do ponto de vista da empresa, há basicamente dois tipos de busca: as que geram a possibilidade de inserir um anúncio, e as que não. As não monetizáveis são maioria na plataforma — e são, também, as que mais se encaixam ao tipo de interação ao estilo ChatGPT.

Em casos como esse, o Google passará a apresentar como respostas iniciais, ao invés de links qualificados graças a SEO, um texto inicial gerado por modelos de inteligência artificial. Caso o usuário se interesse pela descrição, há um botão que o convida a continuar a pesquisa no formato de uma conversa com a AI.

Fonte: Google Keynotes 2023

Caso as buscas sejam monetizáveis, antes da interação com o chatbot, o Google seguirá apresentando links patrocinados, sem causar grandes rupturas à sua vaca leiteira (os anúncios do mecanismo de busca).

Fonte: Google Keynotes 2023

Numa tacada só — ou melhor, num único slide —, o Google impressionou o mundo da tecnologia e acalmou seus investidores.

De volta ao fundamento

Se falarmos em termos práticos, a ascensão da inteligência artificial é um risco ao modelo de negócios do Google: se não um perigo existencial, é pelo menos um convite a reinventar a maneira como os usuários interagem com o produto e a maneira como ele é monetizado.

Em circunstâncias como essa, é normal que a ação passe por um processo de contração de múltiplos: ninguém quer pagar caro numa empresa sob risco de deixar de existir.

No Keynotes, o Google mostrou ao mundo qual será sua abordagem para lidar com essa mudança: ele não pretende competir com a Microsoft, nem com nenhuma das outras Big Techs. Seu objetivo é tão somente seguir como o melhor produto de buscas do mercado — ou seja, competir consigo mesmo.

No ano, graças a esse lembrete aos investidores, as ações do Google sobem mais que as da Microsoft.

Desempenho das ações do Google (azul) e Microsoft (vermelho) em 2023 | Fonte: Koyfin

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ligando os pontos na bolsa: em dia de dot plot do Fed, inflação e rumo dos juros nos EUA ganham destaque; confira essas e outras notícias que mexem com o seu bolso hoje

12 de junho de 2024 - 8:37

Enquanto investidores também aproveitam o Dia dos Namorados, perda da dominância do dólar, recompra de ações da Rede D’Or e MP do PIS/Cofins entram no rada

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O fundo do poço está próximo? Decisão do Fed sobre juros nos EUA, inflação no Brasil, fusão no setor de saúde e outros destaques do dia que indicam o tom do Ibovespa

11 de junho de 2024 - 8:42

Mercado aguarda posicionamento do Fed sobre inflação nos EUA nesta quarta-feira; nova marca de gestora de FII e compra milionária da Ultragaz também entram no radar dos investidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Semana de decisão: Postura do Fed sobre juros e inflação nos EUA vão definir rumo dos mercados no curto prazo

11 de junho de 2024 - 6:51

A quarta-feira será crucial para a narrativa macroeconômica global — e países emergentes como o Brasil podem estar prestes a receber uma má notícia

EXILE ON WALL STREET

Tony Volpon: Samba de uma nota só

10 de junho de 2024 - 20:01

A bolsa americana vem dançando junto com a Inteligência Artificial há um tempo, mas agora ela está focada em uma única empresa: a Nvidia

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa tenta preservar os dedos em meio ao tom negativo das bolsas internacionais, juros nos EUA, IPCA no Brasil e outras notícias que agitam os mercados

10 de junho de 2024 - 8:27

FIIs favoritos para junho, parceria do Brasil com a dona do AliExpress e ajuda ao RS também ganham destaque no radar dos investidores nesta segunda-feira

Mande sua pergunta!

Quero o divórcio, mas moro nos EUA com visto de acompanhante e nossos bens estão em nome de terceiros; e agora?

8 de junho de 2024 - 8:00

Ela ainda não obteve o green card, e ainda teme ficar sem nada após o divórcio, pois os bens da família não estão no nome do marido

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa entre piques e repiques: Bolsa brasileira fica a reboque de dados do payroll nos EUA; confira o que movimenta os mercados hoje

7 de junho de 2024 - 8:34

Ibovespa rompe sequência de quedas e novos ganhos estão sujeitos a dados econômicos dos EUA; mercados também digerem PIB na zona do Euro e superávit comercial da China

SEXTOU COM O RUY

Lucros e dividendos das seguradoras estão em risco após as enchentes? Não para a minha preferida do setor

7 de junho de 2024 - 6:09

Não espero grande redução do lucro por conta da catástrofe nos resultados dessa companhia que, além de um histórico operacional muito resiliente, negocia por múltiplos interessantes

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Na torcida pelos nossos concorrentes

5 de junho de 2024 - 20:01

A decepção com nossos concorrentes México e Índia pode trazer bons frutos para o Brasil?

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Uma vela para cada santo na bolsa: Em dificuldade para acompanhar altas em Wall Street, Ibovespa busca fôlego para voltar a subir

5 de junho de 2024 - 8:27

Expectativas de corte de juros na zona do euro, dados de atividade econômica nos EUA e produção industrial em abril do Brasil agitam as bolsas nesta quarta-feira

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar