🔴 AÇÃO QUE JÁ DISPAROU 1.200% E AINDA ESTÁ BARATA – VEJA QUAL

O ChatGPT pode acabar com a indústria do cinema? Por que uma parte de Hollywood decidiu declarar guerra à inteligência artificial

Eu mesmo pensava que a criatividade era uma característica humana irreplicável, mas os algoritmos de inteligência artificial provaram que essa hipótese era falsa

11 de maio de 2023
6:04 - atualizado às 20:56
Robô segurando claquete feito com inteligência artificial da dona do ChatGPT
Robô segurando claquete feito com inteligência artificial da dona do ChatGPT - Imagem: OpenAI

Olá, seja bem-vindo à Estrada do Futuro, onde conversamos semanalmente sobre a intersecção entre investimentos e tecnologia. Um dos temas mais recorrentes neste espaço tem sido os avanços da inteligência artificial

Do fascínio ao medo, nas últimas semanas tivemos, nos EUA, o primeiro protesto organizado de uma classe de trabalhadores reivindicando, entre outras coisas, um arcabouço de regras robusto para que seus postos não sejam eliminados pela inteligência artificial.

Diferente do que você possa imaginar, os trabalhadores em questão são altamente qualificados e bem remunerados: são diretores, produtores e escritores que trabalham com cinema, televisão e streaming.

Parte de Hollywood está em guerra com a inteligência artificial.

Por que Hollywood tema a inteligência artificial?

A resposta para essa pergunta começa pelas mudanças que a indústria tem passado nos últimos anos.

Em geral, mesmo com vários grandes hits, as séries roteirizadas e os filmes tem perdido cada vez espaço nas telas dos consumidores do mundo inteiro.

Por exemplo, de acordo com algumas pesquisas, hoje os americanos gastam cerca de 45% do seu tempo de televisão assistindo ao Youtube, contra 30% há apenas 2 anos.

Se uma mudança como essa já não fosse grande o suficiente para chacoalhar a indústria, ela agora se preocupa com a inteligência artificial. 

Como?

Recentemente, eu li uma entrevista com Joe Russo (um dos diretores de "Vingadores") e Donald Mustard, Diretor Criativo da Epic Games, a empresa que desenvolve a engine Unreal, uma das principais ferramentas de criação de ambientes virtuais utilizada em jogos e filmes.

Na conversa, eles veicularam algumas possibilidades.

Por exemplo, à medida que os modelos de linguagem (como o ChatGPT) se tornam mais poderosos e personalizados (mais adequados às suas demandas, da mesma maneira que sua página inicial do Netflix) e a capacidade de renderizar ambientes digitais em tempo real se tornar abundante, podemos pensar em coisas do tipo:

Você poderia chegar em casa e pedir para o seu assistente virtual (a Alexa, por exemplo), para criar um filme para você.

"Alexa, crie um filme pós-apocalíptico em que eu estou perdido no mundo de "The Last of Us" e me torno um dos principais antagonistas da história".

Em tempo real, um algoritmo como o ChatGPT é capaz de criar a história, enquanto outros fazem a "produção" e você assiste a um show inteiramente desenvolvido por AI.

Essa possibilidade foi discutida por eles nessa entrevista, e claro, ela deveria assustar todos os que trabalham com a produção de conteúdo.

VEJA TAMBÉM - Bancos americanos quebrando... e o bitcoin subindo. O ouro digital vai voltar a brilhar?

O mesmo pode acontecer com a indústria de games

Da mesma forma que um filme pode ser criado em tempo real, por que games com ambientações complexas e várias histórias simultâneas não podem ter seu enredo alterado conforme as decisões dos jogadores?

Apesar de jogos como esse já existirem, todo o processo pelo qual as escolhas impactam a história é previamente roteirizado. 

Ou seja, você até escolhe um caminho, mas opções disponíveis são tão somente aquelas criadas pelos desenvolvedores do game.

Com o desenvolvimento de aplicações de inteligência artificial, essa dinâmica pode mudar, da mesma maneira que eu descrevi acima com a indústria cinematográfica.

Elementos "aleatórios" podem ser adicionados às decisões de personagens chaves do game, de modo que eles se comportem diferente a depender do estilo de cada jogador. 

É possível pensar num futuro em que eu e você joguemos o mesmo game, e tenhamos experiências absolutamente diferentes, praticamente irreconhecíveis. 

Mas esse futuro da inteligência artificial ainda é distópico, certo?

Sim, um futuro como esse não é algo para amanhã. 

Mas, se o protesto em massa da indústria do cinema sugere algo, é que esse futuro está cada vez mais próximo.

Eu mesmo pensava que criatividade era uma característica humana irreplicável, mas já os primeiros algoritmos de AI que chegaram ao mercado provaram que essa hipótese era falsa.

Algoritmos como o ChatGPT são criativos, pois ele decodifica a criatividade tão somente como um processo matemático.

Um algoritmo como o ChatGPT trabalha como uma espécie de "auto complete". A próxima palavra é sempre uma dentre algumas possíveis que maximizam o sentido da frase que o algoritmo está compondo.

Agora, se entre as opções disponíveis, o algoritmo for treinado para escolher a menos provável das respostas possíveis?

Neste caso, você tem uma resposta improvável. E o improvável, muitas vezes, é  algo criativo, não esperado.

Por enquanto, essa criatividade trabalha a nosso favor: o ChatGPT é uma assistente e potencializa o seu trabalho criativo.

A indústria do cinema americano acredita que essa relação simbiótica se transformará numa relação predatória.

Se isso vai acontecer, não é possível saber neste momento. Para os leitores que não têm dificuldade com o inglês, há uma excelente leitura disponível neste link, detalhando a greve, os motivos e suas implicações.

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Você leu o que o Fed escreveu para você?

22 de maio de 2024 - 20:05

O segredo para uma jornada de sucesso como investidor ou como empreendedor começa com algo bem simples… a leitura.

CRYPTO INSIGHTS

O mercado de criptomoedas está influenciando as eleições nos EUA? O que o ETF de ethereum (ETH) tem a ver com a política americana

21 de maio de 2024 - 20:05

Nesta semana uma votação crucial está prevista para acontecer em Washington e pode remodelar o panorama regulatório para os ativos digitais nos Estados Unidos

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Dez anos de “O Fim do Brasil”

20 de maio de 2024 - 20:01

Dez anos de lançamento de “O Fim do Brasil” e, afinal, a que fim chegou a economia do Brasil? Estamos em queda livre em direção ao pior?

Especial IR

Me mudei para Portugal, mas não entreguei a Declaração de Saída Definitiva do País; como regularizar a situação?

18 de maio de 2024 - 8:00

Documento serve para encerrar as obrigações fiscais do contribuinte no Brasil, mas este leitor não a entregou e agora recebeu uma herança

SEXTOU COM O RUY

A Petrobras (PETR4) desabou mais uma vez: surge uma barganha na bolsa com dividendos bilionários?

17 de maio de 2024 - 6:04

Nas últimas várias trocas no comando da Petrobras, não tivemos grandes mudanças no dia a dia da companhia, o que inclusive permitiu ótimos pagamentos de dividendos nos últimos anos, mesmo com CEOs distintos — será que agora também vai ser assim?

CRYPTO INSIGHTS

Os sinais favoritos para entender o curto prazo do bitcoin (BTC)

14 de maio de 2024 - 19:17

A tendência macroeconômica é de expansão de liquidez, e os indicadores de curto prazo que mais gosto estão favorecendo a tese de que estamos próximos do fundo local para a mais recente correção do mercado

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Vai piorar antes de melhorar? Milei começa a arrumar uma Argentina economicamente destruída

14 de maio de 2024 - 6:01

Em poucos meses, Milei conseguiu diminuir inflação, cortar os juros e aumentar reservas do Banco Central da Argentina, mas custo social é alto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: O real vai morrer aos 30?

13 de maio de 2024 - 20:01

A decisão do Copom na semana passada foi inequivocamente ruim. Quando você tem um colegiado dividido entre os “novos” e os “velhos”, alimentam-se os piores medos. O Copom deveria saber disso.

Especial IR

Dúvidas cruéis sobre declaração de ações no IR: isenção, retificação, mudança de ticker, prejuízos e investimento no exterior

11 de maio de 2024 - 8:00

A Dinheirista responde algumas das suas dúvidas mais cabeludas sobre como declarar ações no imposto de renda

SEXTOU COM O RUY

Bolsa barata não basta: enquanto os astros locais não se alinham, esses ativos são indispensáveis para a sua carteira

10 de maio de 2024 - 6:07

Eu sei que você não tem sangue de barata para deixar todo o patrimônio em ações brasileiras – eu também não me sinto confortável em ver os meus ativos caindo. Mas há opções para amenizar as turbulências internas.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar