🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Cinco insights de investimentos das maiores gestoras de fundos brasileiras

Conheça cinco diferentes visões sobre o cenário atual de gestoras que gostamos, sugerimos e alocamos na série Os Melhores Fundos de Investimento

9 de outubro de 2023
11:09 - atualizado às 16:54
Dedo aponta para gráfico de ações de tecnologia
Mercados - Imagem: Shutterstock

Em comemoração aos cinco anos do Seu Dinheiro, preparamos este artigo especial para você que nos acompanha desde o início aqui na coluna Linha D’Água – próxima de seu aniversário de um ano, daqui a dois meses.

Como homenagem a esse marco importante para o portal, e como agradecimento a você, leitor, comento hoje os cinco insights mais importantes das conversas que tivemos nas últimas semanas com cinco gestores das maiores casas brasileiras: Marco Freire, da Kinea; Carlos Woelz, da Kapitalo; Felipe Guerra, da Legacy; Fabiano Rios, da Absolute; e Mário Torós, da Ibiuna.

Todas elas representam alocações importantes nas carteiras sugeridas aos assinantes da série Os Melhores Fundos de Investimento, estes que poderão acompanhar as conversas completas no relatório de amanhã – você é meu convidado para conhecer todos os detalhes desses papos.

Marco Freire (Kinea): juros americanos devem ficar mais pressionados por mais tempo, o que implica em emergentes com juros mais altos

De acordo com Freire, o fato de os EUA permanecerem com juros mais altos por mais tempo impede cortes mais expressivos em outras regiões, principalmente emergentes.

“Reduzir a inflação de 8% para 3% é uma coisa. De 3% para 2% é outra completamente diferente, muito mais difícil”, comenta o gestor, reforçando a dificuldade de convergência da inflação americana à meta.

Segundo ele, se o Brasil, por exemplo, tentar cortar muito os juros, terá sérios problemas. O relatório Focus de hoje precifica uma taxa Selic de 9% ao final de 2024. Assim, se a taxa americana ficar acima de 5,5% – o que o mercado atribui probabilidade considerável –, ninguém irá comprar a moeda brasileira, em um ambiente fiscal instável e com um prêmio de risco tão baixo em relação à economia americana, “safe haven” (“porto seguro”, em tradução livre) em momentos de disfuncionalidades globais.

O portfólio atual da estratégia macro do Kinea Atlas, principal multimercado da casa, é composto de uma carteira “bear” (ou seja, mais pessimista com o mercado) de modo geral. Com isso, Freire reforça a convicção em posições compradas em dólar contra moedas de países europeus e a moeda chinesa e tomadas em juros de emergentes, como África do Sul e Chile.

“Se os EUA permanecem com juros altos e o mundo está bem, está tudo certo. Porém, se os EUA têm juros altos e o mundo não está bem, é um problema”, reforça o gestor.

ONDE INVESTIR EM OUTUBRO? Analistas da Empiricus Research revelam suas principais recomendações para o mês em entrevista completa para o Youtube do Seu Dinheiro. Assista agora:

Carlos Woelz (Kapitalo): janela possivelmente (mas não muito) boa para o Brasil à frente 

Woelz acredita que há atualmente uma janela possivelmente boa para o Brasil. A chance de um soft landing – convergência da inflação à meta sem prejuízo significativo à atividade – nos EUA, na sua opinião, ainda que seja em torno de 30%, é maior do que ele acreditava há seis meses, cenário que seria favorável para a economia brasileira.

Como, porém, sua maior probabilidade está atribuída a uma desaceleração global, o gestor está hoje com posições levemente aplicadas em juros no Brasil.

Entretanto, ele lembra que para os ativos brasileiros terem boa performance, o título americano de 10 anos precisa parar de subir. “No fim, é tudo uma posição aplicada em Treasury de 10 anos”, comenta.

Felipe Guerra (Legacy): nunca houve um ciclo de cortes menor do que 450 pontos-base, será mesmo que dessa vez será diferente?

O principal cavalo da carteira de Guerra hoje é a posição aplicada em juros no Brasil. De acordo com o gestor, o mercado está precificando cortes em patamares de até 50 pontos-base, porém nunca houve um ciclo de cortes menor do que 450 pontos-base no passado, do pico ao vale da taxa. 

Por isso, Guerra acredita ser difícil a taxa terminal da Selic ficar em patamares muito maiores do que 10,5% ou 11%, o que abre oportunidade para as posições aplicadas em seu portfólio – classe em melhor momento para operar do que a renda variável na sua opinião.

Fabiano Rios (Absolute): expectativa de bons resultados trimestrais para as empresas, apesar do cenário desafiador

Apesar do cenário aparentemente ruim para ativos de risco e de ter reduzido as posições compradas em Bolsa nos últimos dois meses, Fabiano acredita ser um momento favorável para a classe, mantendo o viés comprado.

“As grandes empresas americanas apresentarão resultados do terceiro trimestre surpreendentemente bons, mais do que o mercado imagina, além da sazonalidade positiva para o fim do ano”, conta.

A posição comprada em bolsa americana é carregada por bastante tempo — enquanto muitos multimercados operaram na ponta vendida —, permanecendo mesmo nesse cenário de juros mais altos, sendo sua principal convicção contra a tendência de mercado, apesar de em menor nível em relação ao passado recente.

Mario Torós (Ibiuna): o Brasil e sua “contabilidade criativa”

De acordo com Torós, “o Brasil é o país com a maior dívida e o pior déficit dentre os emergentes sistematicamente relevantes”.

Localmente, as condições externas têm impactado a trajetória das contas públicas e o mercado permanece em dúvida sobre o atingimento da meta de déficit primário zerado para 2024 — na prática, ninguém mais acredita nesse objetivo.

Dessa forma, a Ibiuna acredita que as discussões em torno do relaxamento da meta em seu primeiro ano de vigência comprometem a credibilidade da nova âncora fiscal já na largada. A consideração sobre a retirada dos precatórios do resultado primário ao classificá-los como despesas financeiras faz parte da “contabilidade criativa” do governo, de acordo com a casa, já vista em suas administrações anteriores.

O portfólio da estratégia hoje concentra sua exposição em operações aplicadas em países emergentes, principalmente nos que possuem maior perspectiva de relaxamento monetário neste terceiro trimestre, diante dos prêmios de risco presentes ao final do mês.

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mais um dia na bolsa de valores: barulheira fiscal no Brasil, eleições municipais, divulgação do IBC-Br e outros destaques que agitam os mercados

14 de junho de 2024 - 9:07

Contribuição da B3 para a forte queda do Ibovespa em maio, venda da Cetrel pela Braskem (BRKM5) e eleições no Reino Unido também agitam as bolsas nesta sexta-feira (14)

SEXTOU COM O RUY

Em plena semana dos namorados, chegou a hora de dar um “pé na bunda” na bolsa brasileira?

14 de junho de 2024 - 7:01

As notícias não têm sido muito animadoras, mas o Ibovespa negocia hoje com descontos que foram vistos pela última vez apenas na crise financeira de 2008; saiba qual ação ainda vale a pena

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Som e fúria na bolsa: Ibovespa parte do menor nível do ano com ruído sobre meta fiscal no Brasil e juros altos nos EUA

13 de junho de 2024 - 8:48

Disparada das ações do Méliuz, alteração do FGTS, autonomia do Banco Central e contas do governo Lula também ditam o tom do Ibovespa hoje; confira

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: O que nos separa, agora, é uma mera questão contratual

12 de junho de 2024 - 20:01

Não tem mais essa de experiências informais em relacionamentos, tudo agora é formalizado por um contrato entre as partes

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ligando os pontos na bolsa: em dia de dot plot do Fed, inflação e rumo dos juros nos EUA ganham destaque; confira essas e outras notícias que mexem com o seu bolso hoje

12 de junho de 2024 - 8:37

Enquanto investidores também aproveitam o Dia dos Namorados, perda da dominância do dólar, recompra de ações da Rede D’Or e MP do PIS/Cofins entram no rada

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O fundo do poço está próximo? Decisão do Fed sobre juros nos EUA, inflação no Brasil, fusão no setor de saúde e outros destaques do dia que indicam o tom do Ibovespa

11 de junho de 2024 - 8:42

Mercado aguarda posicionamento do Fed sobre inflação nos EUA nesta quarta-feira; nova marca de gestora de FII e compra milionária da Ultragaz também entram no radar dos investidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Semana de decisão: Postura do Fed sobre juros e inflação nos EUA vão definir rumo dos mercados no curto prazo

11 de junho de 2024 - 6:51

A quarta-feira será crucial para a narrativa macroeconômica global — e países emergentes como o Brasil podem estar prestes a receber uma má notícia

EXILE ON WALL STREET

Tony Volpon: Samba de uma nota só

10 de junho de 2024 - 20:01

A bolsa americana vem dançando junto com a Inteligência Artificial há um tempo, mas agora ela está focada em uma única empresa: a Nvidia

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa tenta preservar os dedos em meio ao tom negativo das bolsas internacionais, juros nos EUA, IPCA no Brasil e outras notícias que agitam os mercados

10 de junho de 2024 - 8:27

FIIs favoritos para junho, parceria do Brasil com a dona do AliExpress e ajuda ao RS também ganham destaque no radar dos investidores nesta segunda-feira

Mande sua pergunta!

Quero o divórcio, mas moro nos EUA com visto de acompanhante e nossos bens estão em nome de terceiros; e agora?

8 de junho de 2024 - 8:00

Ela ainda não obteve o green card, e ainda teme ficar sem nada após o divórcio, pois os bens da família não estão no nome do marido

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar