🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vem intervenção por aí?

Lula e Ciro querem mudar política de preços da Petrobras, mas Tebet defende autonomia da estatal. Veja as propostas dos candidatos para a companhia

No geral, principais candidatos à presidência são contra a privatização da petroleira, mas divergem quanto a venda de subsidiárias e paridade com os preços internacionais do petróleo

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
22 de setembro de 2022
6:30 - atualizado às 21:52
Lula e Bolsonaro, com logotipo da Petrobras ao centro
Lula defende abertamente fim da PPI da Petrobras, enquanto Bolsonaro tem postura ambígua em relação à companhia. - Imagem: Montagem Julia Shikota/Shutterstock

O assunto é Petrobras (PETR3; PETR4). Uma das maiores empresas do Brasil, das mais importantes da bolsa brasileira, queridinha dos investidores em ações e com forte peso na composição do Ibovespa.

É de se esperar que as intenções do governo em relação a uma estatal com tantos predicados sejam de suma importância para os investidores brasileiros - ao menos para aqueles que investem em bolsa.

Num passado não muito distante, durante o governo da petista Dilma Rousseff, a descoberta de escândalos de corrupção e a forte intervenção na política de preços da companhia por parte da União quase quebraram a Petrobras.

A estatal, no entanto, conseguiu se reerguer com o combate à corrupção, o alinhamento dos seus preços às cotações internacionais do petróleo (a chamada Política de Paridade Internacional - PPI) e uma reestruturação com venda de subsidiárias, como refinarias e a BR Distribuidora, a fim de focar na sua atividade mais rentável, a exploração de petróleo em águas profundas.

Mas o sucesso da companhia não é o suficiente para fazer o governo feliz. Foi no mandato de Jair Bolsonaro, por exemplo, que a Petrobras vendeu subsidiárias para focar no pré-sal, mas a disparada do petróleo, que aumentou os preços dos combustíveis e pesou sobre a inflação, levou o presidente diversas vezes a flertar com a intervenção na petroleira e a alteração da política de preços.

Os grandes lucros obtidos com o petróleo mais caro e os fartos dividendos distribuídos pela companhia também foram alvos de críticas do presidente, muito embora a União seja a maior acionista da Petrobras e, portanto, a maior beneficiária dos pagamentos bilionários.

Mas quais os planos de Bolsonaro para a Petrobras, se reeleito? E quais são as visões dos demais candidatos à presidência para a estatal? Este é o tema desta terceira reportagem da série sobre as propostas dos quatro principais candidatos à presidência que podem afetar diretamente o investidor pessoa física.

Se quiser conferir as duas primeiras matérias, deixo os links a seguir:

O que pensam os candidatos sobre a Petrobras

Mesmo com todas as críticas e ameaças de intervenção, Bolsonaro não defende mudar a política de preços da Petrobras num eventual segundo mandato e se mantém favorável à redução do tamanho da companhia. O presidente também colocou a empresa “na fila” para as privatizações, embora não acredite que tal processo saia do papel.

Outros candidatos à presidência da República, porém, são mais enfáticos na crítica aos grandes lucros da estatal, se colocam fortemente contra a sua privatização e dizem que sim, pretendem acabar com a PPI se eleitos - casos de Lula e Ciro Gomes.

Simone Tebet, por sua vez, é a que adota a postura mais favorável ao investidor pessoa física, no sentido de que defende a manutenção da PPI e a autonomia da Petrobras, embora também seja contra a sua privatização.

Veja a seguir as propostas e as ideias dos quatro principais candidatos à presidência para a estatal:

1. Jair Bolsonaro (PL): postura ambígua em relação à Petrobras

O presidente Jair Bolsonaro manteve, em todos os seus anos de governo, uma relação de certa ambiguidade com a Petrobras.

Por um lado, as ações da estatal sofreram nas diversas vezes em que o chefe do Executivo manifestou uma postura mais intervencionista, criticando a política de preços alinhada às cotações internacionais do petróleo e os lucros da companhia, irritando-se com a alta dos preços dos combustíveis e deixando que isso o motivasse a trocar o comando da petroleira.

Durante o mandato de Bolsonaro, a Petrobras teve quatro presidentes, sendo que a última troca de comando foi recheada de polêmicas.

Primeiro, dois conselheiros indicados pelo governo foram rejeitados pelo Comitê de Elegibilidade da estatal, mas a União insistiu nas indicações mesmo assim, e eles acabaram sendo eleitos; além disso, trocas do Comitê de Pessoas tornaram mais fácil para o governo formar maioria em decisões como indicações de executivos, enfraquecendo a governança da companhia.

Por outro lado, Bolsonaro não defende com clareza uma mudança na política de preços da Petrobras. Se antes chegou a dizer que a PPI já havia cumprido seu papel, defendendo um afrouxamento, recentemente o presidente disse que a política de preços não precisaria de fato mudar.

Além disso, a estatal sequer é mencionada nominalmente entre as propostas de governo da sua candidatura à reeleição. E, embora Bolsonaro não acredite na viabilidade da privatização da companhia atualmente, ele também não rejeita a ideia e até incluiu a estatal no Programa de Parcerias de Investimentos, primeira etapa necessária para a privatização.

2. Lula (PT): contra a privatização e a política de preços atual

O ex-presidente Lula não esconde nem disfarça sua posição em relação à Petrobras: é contra a privatização e a atual política de preços. Ele inclusive externaliza isso em suas propostas de governo.

No capítulo “Desenvolvimento econômico e sustentabilidade socioambiental e climática”, fala em "abrasileirar" os preços dos combustíveis, o que dá a entender que pretende acabar com a PPI:

“O país precisa de uma transição para uma nova política de preços dos combustíveis e do gás, que considere os custos nacionais e que seja adequada à ampliação dos investimentos em refino e distribuição e à redução da carestia. Os ganhos do pré-sal não podem se esvair por uma política de preços internacionalizada e dolarizada: é preciso abrasileirar o preço dos combustíveis e ampliar a produção nacional de derivados, com expansão do parque de refino”.

Em entrevista ao UOL no mês de julho, Lula disse que "essa história de PPI é para agradar os acionistas, em detrimento dos 230 milhões de brasileiros" e que "a gente pode reduzir o preço, sim, o presidente não teve coragem", referindo-se a Bolsonaro.

Também segundo suas propostas, o petista se opõe “fortemente à privatização, em curso, da Petrobras e da Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA).”

No mesmo trecho, critica, indiretamente, o processo de desinvestimentos da estatal para focar na exploração de petróleo em águas profundas, alegando que a companhia deveria também investir em refino e distribuição, além de outros produtos e na transição energética.

“A Petrobras terá seu plano estratégico e de investimentos orientados para a segurança energética, a autossuficiência nacional em petróleo e derivados, a garantia do abastecimento de combustíveis no país. Portanto, voltará a ser uma empresa integrada de energia, investindo em exploração, produção, refino e distribuição, mas também atuando nos segmentos que se conectam à transição ecológica e energética, como gás, fertilizantes, biocombustíveis e energias renováveis. É preciso preservar o regime de partilha, e o fundo social do pré-sal deve estar, novamente, a serviço do futuro”, diz o documento.

3. Ciro Gomes (PDT): “quero assenhorear-me dela”

Outro que quer mudar a política de preços da Petrobras é Ciro Gomes, que dedica à estatal um capítulo das suas propostas de governo. Nele, propõe alteração da PPI, “que hoje só beneficia os importadores e acionistas, mas prejudica toda a sociedade brasileira, dado seu impacto sobre a inflação”.

No documento, o pedetista também fala em recuperar e ampliar a capacidade das refinarias da estatal e transformá-la em uma empresa de ponta no desenvolvimento de novas fontes de energia, sobretudo energia limpa, indo na contramão do processo de desinvestimento e foco maior no pré-sal pelo qual vem passando a estatal.

Em maio deste ano, Ciro disse que, para alterar a política de preços da Petrobras, publicaria dois editais. No primeiro, trocaria a PPI por uma “nova estrutura de preços”: “Vai ser custo mais rentabilidade em linha com as petroleiras internacionais. Cai [o lucro da empresa] de 38% para 6,5%”, disse, na ocasião.

Segundo ele, o anúncio causaria uma queda nos preços das ações da empresa, o que motivaria a publicação de um segundo edital “dizendo que o governo entrará comprando tantas ações quantas se queiram vender, até o limite de integralizar novamente 60% do capital da Petrobras”.

“Porque eu quero assenhorear-me dela, para transformar na maior empresa de energia limpa do mundo, colocando em hidrogênio verde, energia solar e eólica, para que prepare o Brasil para a transição energética com velocidade”, disse Ciro, na época.

O candidato também já havia dito que, caso a Petrobras fosse privatizada, a “tomaria de volta”.

4. Simone Tebet (MDB): a favor da autonomia da estatal e da PPI

Embora seja a favor de privatizações, desestatizações e parcerias público-privadas (PPPs) - medidas que deseja implementar em um eventual governo, segundo suas propostas -, Tebet se coloca contra a privatização da Petrobras e diz que não quer “privatizar por privatizar”.

Sua assessora econômica, Elena Landau, em mais de uma ocasião disse que a privatização da Petrobras não seria prioridade em um eventual governo da emedebista, mas que Tebet pretende fortalecer a autonomia da estatal e manteria a atual política de preços, a PPI.

Compartilhe

Fala polêmica

Pedido de impeachment de Lula por críticas a Israel tem mais assinaturas que os que derrubaram Dilma e Collor; mas tem chance de ser aceito?

24 de fevereiro de 2024 - 17:57

Comparação de ação de Israel em Gaza ao Holocausto rendeu mais que polêmicas e um incidente diplomático; ontem, presidente rebateu críticas e voltou a acusar o país de genocídio

TAXOU, ARRECADOU

Como os super-ricos ajudaram o governo a conseguir a maior arrecadação de impostos em quase 30 anos

23 de fevereiro de 2024 - 9:55

Foram R$ 280,6 bilhões recolhidos em tributos no primeiro mês do ano, o maior valor da série histórica iniciada em 1995

COM A PALAVRA, MINISTRO

Os ventos do Norte não movem moinhos? Do que depende a queda dos juros no Brasil, segundo Haddad

22 de fevereiro de 2024 - 11:11

Na mesma entrevista, Haddad disse que as perspectivas para o crescimento do Brasil serão melhores a partir do segundo semestre do ano

ENTENDA A REGRA

Eleições 2024: quem completar 18 anos entre o 1º e o 2º turno é obrigado a votar?

18 de fevereiro de 2024 - 16:48

Vale relembrar que o voto é obrigatório a partir de 18 anos de idade e facultativo apenas aos jovens de 16 e 17 anos, maiores de 70 ou analfabetos

FALAS POLÊMICAS

Lula compara ataques de Israel à Gaza ao Holocausto e diz que irá esperar conclusões de legistas para comentar morte de opositor de Putin

18 de fevereiro de 2024 - 13:33

Em coletiva durante viagem à África, o presidente abordou dois temas sensíveis para a diplomacia internacional e foi criticado pelo premiê de Israel e pela oposição

DEVO E NÃO NEGO...

Pago quando puder: Cuba diz querer quitar dívida com Brasil, mas cita até mudanças climáticas como impedimento

17 de fevereiro de 2024 - 14:07

Integrantes da Fazenda e autoridades cubanas se reuniram no início do mês para discutir a dívida de Havana com Brasília

O DISCURSO DO PRESIDENTE

Em Cúpula Africana, Lula destaca criação de aliança contra a fome e condena conflito Israel-Hamas

17 de fevereiro de 2024 - 11:22

A busca de uma solução para a fome é um dos objetivos do Brasil na presidência do G20

NO EXTERIOR

PF afirma ter encontrado “poupança” de R$ 800 mil para Bolsonaro aguardar tentativa de golpe

15 de fevereiro de 2024 - 11:23

As informações constam em um documento da PF obtido pela revista Veja nesta quarta-feira (14)

O PASSAPORTE TÁ ON

Eu falei faraó! O que Lula foi fazer no Egito em sua primeira viagem internacional do ano

14 de fevereiro de 2024 - 18:05

O país é o segundo maior parceiro comercial do Brasil na África, atrás apenas da Argélia. O presidente chegou nesta quarta-feira (14); saiba o que ele foi fazer por lá dessa vez.

ELEIÇÕES 2024

Lula vai se valer de um velho recurso da política para ajudar Boulos em São Paulo

14 de fevereiro de 2024 - 9:46

No ano passado, o presidente assinou contrato de início de obras de um conjunto habitacional acompanhado de Boulos e agora prepara outros lançamentos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies