🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Crise no governo

Bolsonaro x PF? Policiais federais reagem à declaração do presidente sobre reajuste: ‘Não ficaremos calados’

Em meio às reivindicações de reajuste aos servidores, Bolsonaro deu declarações que podem colocar a PF em rota de colisão com o governo

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
30 de abril de 2022
9:26 - atualizado às 10:44
O presidente Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Isac Nóbrega/PR

O recuo do presidente Jair Bolsonaro (PL) na promessa de reestruturação da Polícia Federal (PF) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) aprofundou a briga com sindicatos e associações de classe.

Diante da sinalização de que o governo vai manter um reajuste único para todo o funcionalismo, sem condições especiais para as polícias da União, entidades que representam delegados, peritos, policiais e servidores da PF divulgaram uma nota conjunta nesta sexta-feira, 29, prometendo reagir.

"Os policiais federais não receberão esse duro golpe calados", diz o texto. Mais cedo, em entrevista à Rádio Metrópole, de Cuiabá (MT), Bolsonaro confirmou que o governo deve manter o aumento de 5% para todos os servidores federais. A declaração vem uma dia após manifestações de policiais federais em diferentes Estados.

A PF esperava recomposição mais ampla e tratamento diferenciado para a categoria, como já havia indicado o presidente. O anúncio de um pacote de aumento unificado desencadeou protestos que se estendem há pelo menos duas semanas.

Bolsonaro já havia sinalizado que poderia abandonar a promessa de um reajuste mais robusto para a PF se outras categorias que também reivindicam aumento não abrissem mão do pleito. Até então, o presidente vinha repetindo que os R$ 2 bilhões reservados no Orçamento para o aumento dos servidores iriam para policiais federais, policiais rodoviários federais e agentes penitenciários.

Representantes de classe se reuniram com o ministro da Justiça, Anderson Torres, para tentar costurar um acordo e ainda tinham esperança de que o governo apresentasse uma alternativa. O delegado federal Luciano Leiro, presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), disse que o recuo do presidente é um 'desrespeito'.

"Caso isso aconteça, o legado do presidente da República deste governo será de completa desvalorização dos policiais federais. Nós não ficaremos calados", afirma.

Os policiais federais estiveram entre as principais bases de apoio para vitória do presidente em 2018. Sem o reajuste prometido, Bolsonaro provoca a insatisfação da categoria a seis meses da eleição.

A delegada federal Tania Prado, presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Federal do Estado de São Paulo (SINDPF-SP), diz que o 'nível de indignação dos policiais está elevado'.

"Nunca ocorreu tamanho descaso na esfera federal como agora", critica. "O governo se tornou o principal agente de enfraquecimento das polícias. O presidente, com base em falácias, não apoia o projeto de reestruturação das polícias da União, mesmo como orçamento de R$ 1,7 bilhões aprovado e reservado para tanto. Não há óbices legais, mas simplesmente falta de vontade política do presidente."

O presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), Marcos Camargo, também reagiu ao recuo do presidente e disse que a conduta de Bolsonaro é 'grave e inadmissível'.

"É de se estranhar um recurso do governo, que publicamente prometeu uma reestruturação, em função justamente da importância, da complexidade e da responsabilidade da atividade dos policiais. O que nós pertencemos com esse recuo é um total descaso e uma total falta de compromisso com a valorização e o reconhecimento da importância da atividade dos policiais", diz.

Servidores do BC retomam greve

Os servidores do Banco Central (BC) devem retomar a greve na próxima terça-feira (3), e por tempo indeterminado. A decisão foi aprovada, por ampla maioria, na reunião geral do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), nesta sexta-feira (29).

“As principais razões [para a retomada da greve] foram o descumprimento por parte do presidente do BC em conseguir, em abril, uma reunião entre o sindicato e o Ministro [da Casa Civil] Ciro Nogueira, a não apresentação de uma proposta alternativa aos 5% e a não apresentação de uma proposta sobre a parte não-salarial de nossas demandas”, disse Fábio Faiad, presidente do sindicato, ao Seu Dinheiro.

A greve dos servidores do BC começou em 1º de abril estava suspensa desde o último dia 20, na tentativa de negociação entre a diretoria da autarquia e o governo. Eles reivindicam um reajuste salarial de 27% e a reestruturação da carreira.

O governo, por sua vez, propôs aumento de 5% nos salários dos servidores, o que foi considerado “insuficiente”.

*Com Estadão Conteúdo

No podcast Touros e Ursos desta semana, a equipe do Seu Dinheiro comenta a aquisição do Twitter por Elon Musk — e as consequências desse movimento para a rede social e para o bilionário. É só dar play!

Compartilhe

PEC das Praias

Inconstitucional. É o que diz juiz do RN sobre taxa para terreno de marinha

11 de junho de 2024 - 16:04

Para o juiz, demarcação dos terrenos de marinha leva em conta informações do Brasil Imperial

GOVERNABILIDADE

Governo de Lula em perigo? Como a crise com o Congresso colocou a gestão do petista em situação “de risco”

10 de junho de 2024 - 18:02

Segundo levantamento, o I-Gov de Lula chegou ao pior patamar registrado ao longo do mandato, atingindo 40,4% em maio

DURANTE VIAGEM A PEQUIM

“O Brasil é a China dos Trópicos”: por que Alckmin usou uma frase criada há 65 anos para descrever a relação entre os dois países

7 de junho de 2024 - 16:33

Em visita a Pequim, o vice-presidente recorreu a uma frase criada pelo sociólogo Gilberto Freire para falar sobre o momento de parceria estratégica com a China

UM DRIBLE NO JABUTI

Vai ou não vai ter taxação das comprinhas da Shein, Shopee e AliExpress? Entenda de uma vez por todas o “jabuti” que será (ou não) votado no Senado hoje

5 de junho de 2024 - 10:27

O projeto de taxar as varejistas estrangeiras uniu parlamentares da oposição e da situação, que pedem uma alíquota de 20% sobre as compras feitas no exterior

ELEIÇÕES 2024

Com apoio de Lula, João Campos lidera intenções de voto no Recife; veja quem é o candidato de Bolsonaro na capital pernambucana

2 de junho de 2024 - 9:00

Além de Bolsonaro, Campos vai enfrentar candidatos apoiados pela governadora Raquel Lyra na disputa pela reeleição na prefeitura do Recife

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Quem é o melhor padrinho político na eleição para prefeitura de São Paulo? Eleitores de Lula e Bolsonaro reeditam disputa com Boulos e Nunes

1 de junho de 2024 - 16:47

Porém, o levantamento ainda indica que, seja quem for, o apoio dos protagonistas do pleito de 2022 não será capaz de transferir nem metade dos votos aos candidatos apoiados

COM A PALAVRA

Quem irá suceder a presidência na Câmara? Vice-presidente Alckmin elenca 4 “ótimos nomes” — e fala sobre eleições de 2026

1 de junho de 2024 - 14:12

A eleição acontecerá em fevereiro de 2025; como Lira já está em seu 2º mandato, não poderá concorrer novamente

BLUSINHAS MAIS CARAS

Foi pouco? Executivo diz que redução de 25% para 20% na taxação de compras internacionais em lojas como Shein, Shopee e AliExpress foi “diminuição injusta”

1 de junho de 2024 - 9:33

Apesar de diferente do ideal para os varejistas locais, a mudança ainda é favorável a eles, já que qualquer outro caminho seria mais vagaroso

COM A PALAVRA

Tarcísio copiou Haddad? Ministro afirma que ajuste fiscal do governo paulista é inspirado em plano da Fazenda

31 de maio de 2024 - 13:01

O ex-prefeito de São Paulo ainda disse que o trabalho de corte de gastos é contínuo

REVÉS NA CÂMARA

Congresso reedita disputa entre Lula e Bolsonaro e provoca derrota ao governo ao votar vetos presidenciais

29 de maio de 2024 - 11:12

Entre os reveses sofridos pelo Planalto estão a derrubada dos vetos presidenciais à “saidinha” de presos do regime semiaberto e vetos à LDO

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar