⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2022-09-21T22:02:10-03:00
Carolina Gama
POWELL NO 911

Chama o bombeiro! Fed tenta apagar incêndio da inflação com terceira alta de juro de 0,75 pp — veja detalhes

A taxa básica está na faixa entre 3,00% a 3,25% ao ano, depois do quinto aperto monetário de 2022. Essa também é a sexta vez em quase 40 anos que o BC dos EUA sobe o juro nesse calibre.

21 de setembro de 2022
15:07 - atualizado às 22:02
Desenho de um bombeiro apagando as chamas de um incêndio dentro de uma casa
O presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, tentando apagar o incêndio da inflação - Imagem: Freepick-Print/Banco Central da Suíça - montagem: Brenda Silva

Se existisse uma linha direta para a política monetária do Federal Reserve (Fed), certamente ela atenderia no 911 — o número dos bombeiros dos EUA. Em mais uma tentativa de apagar o incêndio da inflação, o banco central norte-americano elevou pela terceira vez seguida o juro em 0,75 ponto percentual (pp). 

Agora, a taxa básica por lá está na faixa entre 3,00% a 3,25% ao ano — o maior nível desde 2008, ano da crise financeira global, e o sexto desse calibre em quase 40 anos.

O quinto aperto monetário do ano teve endereço certo: conter as chamas do índice de preços ao consumidor norte-americano (CPI, na sigla em inglês), que subiu 8,3% em agosto em relação a um ano atrás. 

Embora esse número ainda esteja abaixo dos 8,5% em julho e dos 9,1% em junho, excluindo os preços voláteis de alimentos e energia, a taxa permaneceu elevada. O chamado núcleo do CPI subiu 0,6% em agosto, o dobro dos 0,3% de junho e também o dobro do que os economistas previam.

Por conta disso, alguns investidores apostavam em um aumento ainda maior do juro na reunião de hoje, de 1 pp. Dados compilados pelo CME Group mostravam que a probabilidade de uma alta de 0,75 pp agora era de 80%, contra 20% de chance de uma elevação de 1 ponto. 

Embora a maioria já esperasse um aperto desse calibre, a reação inicial do mercado foi negativa. O Dow Jones, o S&P 500 e o Nasdaq reverteram a alta, passando a operar em queda.

911: a chamada do Fed

No comunicado do Fed que trouxe a decisão, que foi unânime, o comitê de política monetária (Fomc, na sigla em inglês) reafirmou o forte compromisso em devolver a inflação para a meta de 2%.

Segundo o Fomc, a inflação permanece elevada, refletindo desequilíbrios de oferta e demanda relacionados à pandemia, preços mais altos de alimentos e energia e pressões mais amplas sobre os preços.

O documento atribuiu à guerra entre Rússia e Ucrânia uma pressão ascendente adicional sobre a inflação e de queda sobre a atividade econômica global.

O incêndio vai se alastrar? 

Os membros do comitê de política monetária do Fed indicaram um caminho muito mais forte de aumento da taxa de juros à frente para tentar segurar a inflação.

De acordo com o dot plot — o gráfico de pontos que traz as expectativas individuais dos membros do comitê —, a taxa de juros terminará o ano acima dos 4%, em 4,4%, uma revisão para cima de 1 ponto percentual em relação à estimativa de junho.

O comitê então vê a taxa subindo para 4,6% em 2023, 0,8 ponto percentual mais alto do que o projetado em junho. Confira abaixo o gráfico de pontos do Fed de setembro:

A partir de 2024, a tendência é de que o juro nos EUA diminua. Segundo o gráfico de pontos, em 2024 a taxa básica deve encerrar o ano em 3,9% e depois em 2,9% em 2025. No longo prazo, deve haver uma normalização ainda maior, com o juro em 2,5%.

Os sinais de fumaça do Fed

Além do grau do aperto em si, a reunião de política monetária de hoje estava sendo aguardada por conta das projeções econômicas do Fed para este ano e os próximos — e, ao que tudo indica, a chama seguirá ardendo. 

Para se ter uma ideia, o banco central norte-americano passou a prever um crescimento de 0,2% este ano ante 1,7% estimados em junho. 

Além disso, a inflação deve alcançar 5,4% ao final de 2022 ante 5,2% projetados anteriormente, e a taxa de desemprego deve ir a 3,8%, ante 3,7% previstos em junho.

Confira abaixo a mediana de outras previsões feitas pelo Federal Reserve:

PIB dos EUA

  • 2023: 1,2%, de 1,7% previstos em junho
  • 2024: 1,7%, de 1,9% previstos em junho
  • 2025: 1,8%
  • Longo prazo: 1,8%

Inflação medida pelo PCE

  • 2023: 2,8%, de 2,6% previstos em junho
  • 2024: 2,3%, de 2,2% previstos em junho
  • 2025: 2,0%
  • Longo prazo: 2,0%

Taxa de desemprego

  • 2023: 4,4%, de 3,9% previstos em junho
  • 2024: 4,4%, de 4,1% previstos em junho
  • 2025: 4,0%
  • Longo prazo: 4,3%

Powell apaga incêndio em Nova York

Se as bolsas em Nova York reagiram mal ao comunicado com a decisão de elevar o juro em 0,75 ponto percentual, foi só o presidente do Fed, Jerome Powell, começar a falar na coletiva de imprensa, que as coisas em Wall Street se acalmaram — embora por pouco tempo.

Na prática, ele não disse nada muito diferente do que já vinha falando nos últimos meses — talvez o fato de ter seguido o script e não ter contratado uma alta de 1 ponto percentual para o próximo encontro tenha trazido alívio momentâneo ao mercado.

Na coletiva de hoje, Powell reafirmou que o Fed continuará com uma política monetária mais agressiva para trazer a inflação para a meta de 2% ao ano, ainda que isso custe a desaceleração da economia dos EUA.

"Não é possível ter uma economia que beneficie a todos sem a estabilidade de preços ou ter um crescimento sustentando sem a estabilidade de preços. Por isso, não vamos medir esforços para trazer a inflação para a meta e temos as ferramentas necessárias para isso", disse.

Questionado sobre a possibilidade de recessão nos EUA, Powell se limitou a afirmar que uma política monetária restritiva como a que o Fed está conduzindo tem efeitos sobre o desempenho na economia, mas que é difícil prever se haverá recessão e, se houver, qual será a magnitude dessa recessão.

O chefe do banco central norte-americano também não quis se comprometer com outro aumento de juro de 0,75 pp ou de 1 pp, dizendo que as decisões serão tomadas encontro por encontro e de acordo com os indicadores econômicos.

"Não falamos sobre uma alta de 1 ponto percentual na reunião de hoje", disse Powell, reforçando o compromisso do Fed com a inflação em 2%.

O que dizem os especialistas

Para Rafael Marques, economista e CEO da Philos Invest, o comunicado do Fed que trouxe o aumento de 0,75 pp não trouxe grandes novidades, mas teve um tom mais duro.

"A decisão veio dentro do esperado, e o comunicado trouxe poucas alterações, mas sinalizando um pouco mais de pressão, com a declaração de 'taxa de juro mais alta por mais tempo' mais evidenciada", afirmou Marques.

Já João Beck, economista e sócio da BRA, não descarta um aumento mais agudo da taxa de juro nos EUA por conta da inflação.

"De uma forma ou de outra, o mercado projeta uma taxa terminal de 4,5% em março de 2023. Por isso, o Fed ainda tem a opção de manter a porta aberta para um grau de aperto monetário ainda maior", disse.

Celso Pereira, diretor de investimentos da Nomad, acredita que o Fed vai continuar subindo o juro até que a taxa atinja um pico entre 4% e 5%.

"De forma geral, nossa expectativa é de que o cenário de juro mais elevado nos EUA deverá ser mantido até pelo menos o final do ano que vem, considerando as informações atuais e a incerteza sobre a gravidade de uma recessão nos EUA", afirmou.

Já Nicole Kretzmann, economista-chefe da Upon Global Capital, disse que Powell foi coerente com seus últimos discursos, mantendo o tom hawkish — isto é, favorável ao aperto monetário.

"Powell manteve o tom hawkish e evitou dar margem para qualquer interpretação mais branda como já ocorreu em outras ocasiões", disse. "Acreditamos que o Fed terá de ser mais agressivo para fazer a inflação convergir para a meta", acrescentou.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SEXTOU COM O RUY

A ação da 3R Petroleum (RRRP3) disparou mais de 20% em uma semana. E pode ser apenas o começo

7 de outubro de 2022 - 6:09

Apesar dos maiores riscos, o potencial de valorização das ações da 3R Petroleum (RRRP3) também é enorme com a expectativa de demanda forte pelo petróleo por mais algumas décadas

A FORÇA DO VENTO

Copel (CPLE6) desembolsa R$ 1,8 bilhão por complexos eólicos no Rio Grande do Norte; veja detalhes

6 de outubro de 2022 - 19:49

A companhia destaca que os dois complexos estão um região que é considerada como “uma das melhores do mundo para a geração de energia de fonte eólica”

ELEIÇÕES 2022

Lula cede espaço para Bolsonaro no Nordeste e perde 9 pontos, segundo pesquisa Genial/Quaest

6 de outubro de 2022 - 19:25

O petista ainda segue liderando as intenções de voto na região onde sempre foi líder absoluto nas pesquisas, mas avanço do rival é um movimento significativo

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa emplaca mais uma alta, a disparada da Mobly (MBLY3) e o Nobel de Literatura; confira os destaques do dia

6 de outubro de 2022 - 18:51

Ao longo desta semana, o Ibovespa e os principais índices de Wall Street estão seguindo caminhos distintos.  Enquanto na B3 a alta do petróleo e a repercussão positiva do primeiro turno das eleições seguem levando a bolsa a patamares cada vez mais próximos dos 120 mil pontos, Nova York continua de olho na inflação e […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa pega carona com o petróleo mais uma vez e vai na contramão de NY; dólar também avança

6 de outubro de 2022 - 18:35

Embora o dólar tenha acompanhado a tensão internacional, o Ibovespa voltou a ir na contramão de Nova York com a ajuda do petróleo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies