🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
PLANO DE PAZ

Elon Musk propõe maneiras para acabar com a guerra na Ucrânia e cai nas graças de Putin; confira o plano do bilionário

O empresário sugere quatro medidas para encerrar os conflitos no Leste Europeu, incluindo refazer as eleições de regiões anexas e o reconhecimento da Crimeia como parte da Rússia

Camille Lima
Camille Lima
4 de outubro de 2022
16:36 - atualizado às 17:23
Elon Musk comentário
Imagem: Shutterstock

Avisem os diplomatas para parar de procurar, o bilionário já encontrou um plano de paz. Apesar de diversos estudiosos buscarem há meses um modo para acabar com a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, Elon Musk aparentemente já tem a solução. Isto é, pelo menos o CEO da Tesla parece pronto para resolver a tensão geopolítica — e ela passa pelo Twitter, é claro.

De volta à sua rede social favorita para opinar em questões problemáticas — desta vez, envolvendo o destino de uma nação inteira —, Musk decidiu perguntar a seus seguidores se eles concordavam com suas quatro propostas para acabar com os conflitos no Leste Europeu.

Porém, se a intenção do bilionário era emergir como um grande representante da paz mundial, a reação foi exatamente contrária.

Os líderes ucranianos não ficaram nada contentes com o executivo, para dizer o mínimo. Já em Moscou, Elon Musk parece ter caído nas graças de Putin. Mas por que os países receberam a mensagem de formas tão opostas? Eu explico abaixo.

As propostas de paz de Elon Musk

Para Elon Musk, existem quatro medidas que poderiam colocar um fim à Guerra na Ucrânia, que se estende há mais de sete meses. Seriam elas:

  1. Refazer eleições de regiões anexas sob supervisão da ONU;
  2. Considerar a Crimeia formalmente parte da Rússia;
  3. Garantir abastecimento de água à Crimeia;
  4. A Ucrânia permaneceria neutra.

Ou seja, o CEO da Tesla propôs que a Ucrânia cedesse permanentemente a Crimeia à Rússia, região invadida por Moscou e anexada da Ucrânia em 2014. 

Vale destacar que esta é uma das exigências do presidente russo Vladimir Putin desde o início dos conflitos, em fevereiro deste ano, para acabar com a operação militar.

Desse modo, novos referendos deveriam ser realizados sob a supervisão da ONU, para que, assim, fossem determinados os destinos dos territórios controlados pela Rússia, e, por fim, que a Ucrânia concordasse com a neutralidade.

Elon Musk destacou ainda que, “se fosse da vontade da população, a Rússia deixaria os territórios anexados”.

O bilionário ainda respondeu a própria enquete no Twitter dizendo que “este provavelmente será o resultado no final”, e destacou que seria “apenas uma questão de quantos morrerão antes disso”.

A questão da Crimeia

Entre as quatro sugestões de seu “plano de paz”, Elon Musk sugeriu que a Ucrânia reconhecesse formalmente que a Crimeia faz parte da Rússia, “como tem sido desde 1783 (até o erro de Khrushchev)”.

Para explicar melhor, o CEO da Tesla refere-se — em uma versão seletiva e alinhada à visão russa — à história da Península da Crimeia.

A Crimeia foi considerada parte da Rússia — na época, a antiga União Soviética — até 1954, quando o primeiro-ministro soviético, Nikita Khrushchov, transferiu a região para a Ucrânia. 

Em 1991, com a dissolução da União Soviética e a independência dos membros, a Crimeia passou a integrar oficialmente a Ucrânia. 

Três anos depois, a Rússia, a Ucrânia e o Reino Unido assinaram o chamado “memorando de Budapeste de 1994”, em que Moscou concordou em respeitar a integridade territorial ucraniana — com a Crimeia inclusa.

No início de 2014, porém, a península tornou-se foco de uma intensa crise entre a Rússia, Estados Unidos e Reino Unido. 

Isso porque a população ucraniana estava dividida em dois grupos: o que buscava uma integração maior com a Rússia e as pessoas que apoiavam uma aliança com a União Europeia. 

A população pró-Ucrânia realizou uma série de protestos contra a influência russa no país, o que gerou a queda do governo do líder pró-russo Viktor Yanukovich. 

Acontece que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, já estava tomando as próprias medidas: em fevereiro daquele ano, o chefe de Moscou começou a enviar milhares de tropas militares adicionais para as bases que o país possuía na Crimeia.

Então, em março de 2014, a Rússia anexou a Crimeia. A Ucrânia, os EUA e o Reino Unido consideraram o referendo ilegal, mas Moscou apoiou o pleito.

Em outro tweet na segunda-feira, Elon Musk abriu uma nova enquete sobre o assunto: “Vamos tentar isso então: a vontade das pessoas que vivem no Donbass e na Crimeia deve decidir se elas fazem parte da Rússia ou da Ucrânia”, que permitia respostas de sim ou não.

Como a Rússia respondeu à enquete?

Como era esperado, o tweet de Elon Musk teve reações bem distintas nos dois países envolvidos no conflito. 

Na visão da Rússia, que seria o lado beneficiado caso as propostas do bilionário fossem oficializadas, as falas do CEO foram extremamente positivas e renderam elogios por parte do Kremlin.

"É muito positivo que alguém como Elon Musk esteja procurando uma saída pacífica para esta situação", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, durante teleconferência.

"Comparado a muitos diplomatas profissionais, Musk ainda está procurando maneiras de alcançar a paz. E alcançar a paz sem cumprir as condições da Rússia é absolutamente impossível.”

Ucrânia insatisfeita com Elon Musk

Do outro lado, os ucranianos — tanto as autoridades quanto a população — demonstraram forte insatisfação com a publicação do CEO da Tesla.

A Ucrânia afirma que nunca irá concordar em ceder terras tomadas à força por Moscou, e destacou que referendos legais não podem ser realizados em território ocupado, onde um grande número de pessoas foi morto ou expulso. 

Na última quinta-feira (29), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, alcançou um dos objetivos militares do Kremlin em relação à invasão da Ucrânia: Moscou formalizou a anexação de quatro províncias ucranianas.

Em referendos realizados nos últimos dias, os eleitores das áreas das províncias de Lugansk, Donetsk, Zaporijia e Kherson, controladas pelo exército russo, decidiram deixar de fazer parte da Ucrânia.

Com isso, Moscou finalmente poderá estabelecer uma conexão terrestre entre o Rostov e a Península da Crimeia.

Logo em seguida, a Ucrânia afirmou estar se candidatando para ingressar na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e disse que não negociaria com a Rússia enquanto Putin fosse presidente.

Uma pesquisa de opinião realizada em Kiev na segunda-feira (03) pelo Rating Group mostrou que um número recorde de ucranianos, de cerca de 83%, deseja que o país se junte à Otan.

Em resposta à enquete de Musk no Twitter, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky abriu sua própria enquete: "Qual @elonmusk você gosta mais: Um que apoia a Ucrânia ou um que apoia a Rússia?". Após mais de 2,4 milhões de votos, 78,8% disseram preferir a primeira alternativa.

Por sua vez, o embaixador da Ucrânia na Alemanha, Andrij Melnyk, fez um tweet em resposta a Musk: “Fod…-se é minha resposta muito diplomática para você”, em tradução livre.

Melnyk ainda afirmou que “agora nenhum ucraniano NUNCA comprará seu maldito Tesla”.

Em seguida, o mestre de xadrez russo, Garry Kasparov, disse: "Isso é uma idiotice moral, repetição da propaganda do Kremlin, uma traição à coragem e sacrifício ucranianos".

Vale ainda destacar que nem mesmo o resultado da própria enquete de Elon Musk no Twitter foi positivo. 

Considerando mais de 2 milhões de votos, aproximadamente 59,1% dos seguidores do bilionário na rede social discordaram de suas propostas.

Um ‘timing’ peculiar

É importante ressaltar que a enquete feita por Elon Musk sobre a política externa da Ucrânia e da Rússia acontece em uma semana agitada para o bilionário.

Isto é, os comentários foram feitos logo após a Tesla entregar dados trimestrais de produção enfraquecidos e, ainda, na mesma semana em que o processo contra o Twitter esquentará nos tribunais norte-americanos.

A fabricante de veículos elétricos produziu um recorde de 365.923 carros no trimestre e vendeu 343.830 automóveis entre julho e setembro de 2022.

Os números vieram bem abaixo da média das projeções dos analistas consultados pela Street Account, da FactSet, que esperavam a entrega de 364.660 veículos no período.

De volta à questão judicial, o CEO da montadora irá depor aos advogados que atuam no Twitter antes de um julgamento marcado para começar em 17 de outubro.

A empresa de mídia social está processando Musk após o bilionário ter desistido de um acordo de US$ 44 bilhões para comprar a plataforma.

Nesta terça-feira, as ações do Twitter (TWTR34) inclusive disparam aproximadamente 20% após rumores de que Musk teria voltado atrás e decidido seguir em frente com a compra da rede social.

Elon Musk não foi o único

O CEO da Tesla não foi o único bilionário a ‘participar’ das negociações de paz e propostas de resolução do conflito na Ucrânia.

No fim de março, negociadores russos e ucranianos iniciaram as primeiras discussões em Istambul — e as negociações contaram com a presença surpresa do bilionário russo Roman Abramovich.

Abramovich foi alvo das sanções do Ocidente após a invasão da Ucrânia pela Rússia e teve seus bens congelados, junto a outros oligarcas russos.

*Com informações de Reuters, CNBC e The Washington Post

Compartilhe

DÊ O PLAY!

Javier Milei já conseguiu avançar muito na Argentina — mas os últimos cortes deixaram a ‘faca’ do presidente cega?

25 de maio de 2024 - 11:00

Esse foi o tema do mais recente episódio do Touros e Ursos, o podcast do Seu Dinheiro, que contou com a presença do nosso colunista, Matheus Spiess

AYUDA, HERMANOS

A motosserra de Milei ficou sem combustível? Entenda por que o dólar voltou a bater máximas na Argentina — e por que isso já era esperado

23 de maio de 2024 - 12:55

Ao mesmo tempo em que o mercado aumentou o apetite por dólares, Javier Milei, o presidente do país, virou capa da revista Time

VAI VOLTAR A SUBIR?

Ata do Fed joga balde de água fria nas bolsas — entenda o que acabou de vez com o apetite por risco dos investidores hoje

22 de maio de 2024 - 16:04

Dirigentes do Fed estão descontentes com o ritmo da queda da inflação nos EUA e veem juros no atual nível por mais tempo

REI CHARLES AUTORIZOU

Primeiro-ministro dissolve o Parlamento e antecipa as eleições gerais no Reino Unido

22 de maio de 2024 - 14:44

Assim, os deputados perdem o seu mandato e agora precisam fazer campanha para a reeleição se quiserem continuar

EL PELUCA

Seis meses de Javier Milei: como está a Argentina hoje para o investidor — e para o viajante — após novo presidente assumir? 

22 de maio de 2024 - 6:20

Desde que assumiu, Milei colecionou algumas vitórias e derrotas no seu primeiro semestre de gestão; conheça algumas delas e saiba se a Argentina ainda é um destino turístico atrativo, do ponto de vista financeiro

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

NO ORIENTE MÉDIO

Helicóptero que levava presidente e ministros do Irã faz pouso forçado; equipes tentam acessar o local

19 de maio de 2024 - 13:23

Houve registro de chuva forte e neblina com algum vento, o que poderia ter causado uma instabilidade na aeronave

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar