🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
DE OLHO NO FUTURO

Itaúsa (ITSA4) quer voltar a pagar dividendos históricos no médio prazo e usar dinheiro da venda da XP para quitar dívidas e investimentos

Prática de pagamento de dividendos, no momento, está atrelada aos valores repassados pelo Itaú Unibanco, mas empresa deve voltar a pagar proventos em patamares recordes nos próximos anos

Jasmine Olga
Jasmine Olga
1 de dezembro de 2022
12:20 - atualizado às 21:44
Itaúsa (ITSA4), holding dos controladores do Itaú
Imagem: Shutterstock

Apesar das diversas incertezas políticas e econômicas de ordem doméstica e global, a Itaúsa (ITSA4), holding e controladora do Itaú Unibanco, está confiante de que pode voltar a pagar os seus níveis históricos de dividendos nos próximos anos. 

Em evento para analistas e investidores nesta quinta-feira (01), o presidente e diretor de Relações com Investidores da Itaúsa, Alfredo Setubal, afirmou que a prática de pagamento de dividendos, no momento, está atrelada aos valores repassados pelo Itaú Unibanco. 

O executivo lembrou que, ao contrário do que aconteceu entre 2017 e 2019, quando o banco distribuiu cerca de 90% do seu resultado, os últimos anos foram mais magros, acompanhando o crescimento do crédito.

Com o Itaú pagando os dividendos mínimos de 25%, os repasses para os acionistas da holding foram reduzidos, mas há expectativa de que, com a maturação das outras empresas investidas — como Alpargatas (ALPA4) e CCR (CCRO3) —, a empresa pode retomar uma redistribuição de 37% a 40% do seu resultado, no patamar histórico. 

A grana da XP Investimentos

O processo de venda da fatia da companhia na XP Investimentos pode ser combustível para chegar mais rápido a esse objetivo. 

Ao longo de 2022, a Itaúsa já vendeu 41 milhões de ações em quatro operações distintas, levantando mais de R$ 2,5 bilhões. Em março a companhia vendeu 12 milhões de ações da XP por aproximadamente R$ 1,8 bilhão. Em julho, foram vendidas 7 milhões de ações da XP, por cerca de R$ 665 milhões. Em outubro foram vendidas cerca de 6,5 milhões de ações por R$ 600 milhões. 

No evento, Setubal lembrou que as ações foram herdadas da distribuição feita aos acionistas pelo Itaú e que não se trata de um investimento estratégico, já que a holding evita ampliar sua participação no mercado financeiro, uma vez que é a controladora do Itaú Unibanco e pode acabar se enquadrando como conflito de interesses. 

O objetivo é que nos próximos anos a holding zere a sua participação na corretora, ainda que o CEO da Itaúsa enxergue a XP como uma boa empresa, e use os recursos com o mesmo direcionamento assumido até agora — pagamento de dívidas, recompra de ações, capitalização de empresas investidas, pagamento de dividendos e melhora do resultado líquido. 

A última operação de venda havia sido feita em novembro, com a alienação de 5,5 milhões de papéis para a própria XP por meio de uma operação de block trade. Atualmente, a Itaúsa segue tendo direito a indicar membros ao Conselho de Administração e Comitê de Auditoria da XP — e ainda detém 6,39% do capital total e 2,27% do capital votante. 

Compartilhe

CRISE NA ESTATAL

Justiça nega pedido por assembleia na Petrobras (PETR4) que atrasaria posse de Magda Chambriard

18 de maio de 2024 - 17:02

Em sua reclamação na Justiça, o deputado do Novo alega que, eventualmente reconhecida a queda do CA em efeito dominó após a saída de Prates

QUASE 10 ANOS DEPOIS

Vale (VALE3), BHP e Samarco fazem nova proposta de R$ 127 bilhões para compensar tragédia em Mariana, mas acordo não deve evoluir agora

18 de maio de 2024 - 14:44

Valor de R$ 127 bilhões oferecido na última proposta, do final de abril, foi mantido, mas as empresas retomariam agora obrigações que tinham ficado de fora

SUBIU, DESCEU

Volta da febre das “meme stocks”: GameStop cai quase 20% em um único pregão, mas fecha semana com ganhos de 23%

18 de maio de 2024 - 13:26

Também pressionaram os papéis da mais famosa “ação meme” a divulgação de dados trimestrais preliminares da empresa

Dá o play!

Óleo no chope da bolsa: como ficam seus investimentos após mais uma intervenção na Petrobras (PETR4)

18 de maio de 2024 - 11:00

O podcast Touros e Ursos recebeu Karina Choi, sócia da Cordier Investimentos, para comentar os possíveis impactos da decisão do presidente Lula de demitir Jean Paul Prates da presidência da estatal

DISPUTA JUDICIAL

Justiça de SP suspende embargo das obras do principal projeto da JHSF (JHSF3) após mais de um mês de paralisação

18 de maio de 2024 - 9:12

O relator do documento é Ruy Alberto Leme Cavalheiro, da 1ª Câmara Reservada ao Meio Ambiente

HORA DE VENDER?

Rumo: por que o Goldman Sachs calcula um potencial de ganho menor para as ações RAIL3

17 de maio de 2024 - 16:19

O banco norte-americano reduziu o preço-alvo dos papéis de R$ 27 para R$ 24,50 — o que representa um potencial de valorização de 16,5% com relação ao último fechamento

CHAMA O VAR

Com mais de R$ 395 milhões em dívidas, Polishop pede recuperação judicial, mas bancões tentam reter valores

17 de maio de 2024 - 15:09

Além da recuperação judicial, a Polishop vem tentando se blindar dos credores financeiros por meio de cautela tutelar

COMPRAR OU VENDER?

A Positivo pode mais? As ações POSI3 já subiram 50% este ano e esse banco gringo conta para você se há espaço para mais

17 de maio de 2024 - 13:46

Os papéis da empresa sobem cerca de 5% nesta sexta-feira (17), embalados pela nova recomendação do UBS BB; confira se chegou o momento de colocar ou tirar esses ativos da carteira

INVESTIMENTOS

Seguro mais seguro: por que o JP Morgan elevou recomendação para IRB Re (IRBR3) mesmo com catástrofe no RS?

17 de maio de 2024 - 11:07

Nas contas do banco norte-americano, o IRB é a companhia de seguros mais exposta ao RS, podendo ter um impacto de 15% a até 30% nos lucros até o fim de 2024

PODE BEIJAR!

3R Petroleum (RRRP3) e Enauta (ENAT3) oficializam fusão e formam uma das maiores operadoras de petróleo do Brasil; ações sobem na B3

17 de maio de 2024 - 9:41

De acordo com os termos do acordo, a 3R irá incorporar a Enauta e deterá 53% da nova empresa resultante da fusão, enquanto os acionistas da segunda empresa ficarão com 47% do negócio

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar