O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-03-25T11:40:58-03:00
Ricardo Gozzi
DEPENDÊNCIA ENERGÉTICA

Seis por meia dúzia? União Europeia assina acordo com os Estados Unidos para reduzir a dependência do gás da Rússia

Objetivo da União Europeia é tornar o bloco independente do gás russo antes do fim da década; acordo faz parte do plano

25 de março de 2022
11:11 - atualizado às 11:40
A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, falando de pé em um púlpito com o presidente dos EUA, Joe Biden, de pé atrás dela
O presidente dos EUA, Joe Biden, à esquerda, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen - Imagem: Christophe Licoppe/Serviço Audiovisual da Comissão Europeia

A dependência energética da União Europeia (UE) é um assunto que insiste em orbitar o noticiário relacionado com a guerra deflagrada pela Rússia na Ucrânia.

A invasão do território ucraniano pelo exército russo, que entra agora em seu segundo mês, levou a UE a buscar meios de reduzir a dependência do petróleo e do gás importados da Rússia.

Afinal, a segurança energética impõe um dilema aos europeus. O gás russo atende atualmente a cerca de 40% da demanda do bloco pelo produto.

Ao mesmo tempo em que os europeus precisam do gás, principalmente nos meses mais frios do ano, para a Rússia, a exportação desse derivado do petróleo é um dos principais meios de geração de divisas - e, consequentemente, do financiamento de suas operações militares.

Interesses em jogo

A guerra levou a Alemanha a suspender a inauguração do Nord Stream 2, o segundo ramal de um enorme gasoduto que liga os campos russos a um terminal alemão.

Antes mesmo do conflito, porém, os Estados Unidos já vinham pressionando a Alemanha a não fornecer os alvarás restantes para a operação do Nord Stream 2.

O acordo entre a União Europeia e os Estados Unidos

A Comissão Europeia, braço executivo da UE, anunciou hoje a assinatura de um acordo com os Estados Unidos por meio do qual os norte-americanos ajudarão na busca por parceiros internacionais para assegurar aos países do bloco pelo menos 15 bilhões de metros cúbicos adicionais de gás natural liquefeito (GNL) até o fim do ano.

Entretanto, o acordo com os EUA abrange apenas uma fração da necessidade energética da UE. Em 2020, a Europa consumiu 541 bilhões de metros cúbicos de GNL. O documento também não esclarece quais países proverão a oferta adicional.

A União Europeia também se comprometeu a buscar a meta de assegurar, pelo menos até 2030, demanda para aproximadamente 50 bilhões de metros cúbicos por ano de GNL norte-americano adicionais, sem descuidar das metas de neutralização das emissões de carbono.

A UE quer economizar 170 bilhões de metros cúbicos de gás até 2030 por meio de iniciativas para fomentar a eficiência energética e a ampliação do uso de energia renovável.

O cálculo é que essas ações permitam ao bloco tornar-se independente do gás russo antes o fim da década, mas sem trocar seis por meia dúzia.

Acordo vem à tona durante visita de Biden à Europa

O acordo vem à tona durante visita de três dias do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, à Europa.

Em entrevista coletiva concedida em Bruxelas, Biden acusou o governo russo de usar o setor energético para "coagir e manipular seus vizinhos" e de usar os lucros da indústria para "guiar sua máquina de guerra".

Por sua vez, a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, enfatizou a “amizade” entre Europa e Estados Unidos e disse que os objetivos do bloco são “reduzir essa dependência dos combustíveis fósseis russos e nos livrarmos disso”.

*Com informações da BBC e da Associated Press.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

CAMINHO ABERTO

TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3); fique por dentro da decisão do tribunal

Uma das prioridades do governo federal, privatização da Eletrobras ainda enfrenta outros obstáculos

CHARLIE BROWN DEU A LETRA

Na mão grande: Putin confisca e subsidiária do Google (GOGL34) na Rússia beira a falência; entenda a história

Governo russo confia na censura e na propaganda para moldar a opinião pública — táticas que lançaram as empresas de tecnologia em uma luta complicada. Ao mesmo tempo, o Kremlin tem procurado impedir que as big techs deixem o país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies