🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-03-04T11:40:31-03:00
Carolina Gama
ESCALADA DA INVASÃO

Rússia x Ucrânia: o risco de guerra nuclear é real? O que esperar de Putin após a tomada de Chernobyl e da maior usina da Europa

Mudança na doutrina permite o uso de armas nucleares táticas no campo de batalha caso presidente russo perca espaço no conflito

3 de março de 2022
17:10 - atualizado às 11:40
Imagem de uma bomba nuclear explodindo e formando a imagem de um cogumelo
Explosão de uma bomba nuclear - Imagem: Pexels

O mundo entrou em estado de alerta quando o presidente da Rússia, Vladimir Putin, colocou suas forças de dissuasão - que incluem armas nucleares - em modo de combate.

Na sequência, o que se viu foi a tomada da região onde está a maior usina nuclear da Europa depois que Chernobyl passou ao domínio russo. Mas o que tudo isso significa? Corremos o risco de uma guerra nuclear?

Para o cientista político Heni Ozi Cukier, embora seja improvável, não se pode descartar completamente esse cenário. 

Ou seja, se houver  uma grande escalada no conflito ou caso Putin se sinta encurralado, a Rússia pode, sim, usar armas nucleares na Ucrânia. 

“É escalar para desescalar, isto é, se os russos se sentirem ameaçados ou perdendo terreno na guerra, eles cogitam o uso de armas nucleares para que negociadores se sentem à mesa e coloquem fim ao conflito”, disse. 

Essa possibilidade virou uma realidade com a mudança da doutrina nuclear russa, que passou a permitir o uso de armas nucleares táticas no campo de batalha.

Diferente das armas estratégicas, as armas nucleares táticas são menores, de curto alcance e com um menor potencial de destruição. 

Rússia e a guerra do imponderável

Uma guerra nuclear é uma possibilidade que assusta, mas que não deixa de ser real ainda mais quando consideramos os últimos movimentos de Putin nessa direção. 

Na quarta-feira (04), as forças militares russas passaram a controlar o território no entorno da usina de Zaporizhzhia, a maior da Europa. 

O ataque à região ocorreu na esteira da tomada de controle da antiga usina de Chernobyl, que aconteceu na última quinta-feira (24), primeiro dia da invasão russa à Ucrânia. 

GUIA PARA BUSCAR DINHEIRO: baixe agora o guia gratuito com 51 investimentos promissores para 2022 e ganhe de brinde acesso vitalício à comunidade de investidores Seu Dinheiro

“Todo mundo ou a maioria pensava que a Rússia nunca iria invadir a Ucrânia e aconteceu. Estamos lidando com o imponderável que se confirmou. Claro que é necessário cautela, mas é algo que está para menos provável do que para impossível”, disse Cukier, em comentário feito aos assinantes da Empiricus. 

Putin mandou um aviso?

Putin alertou na semana passada que se outros países interferissem nos planos da Rússia, eles enfrentariam consequências do "tipo que nunca viram". 

A mensagem foi amplamente interpretada como um aviso para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) não se envolver militarmente de forma direta na Ucrânia.

Até o momento, tanto a Otan como os Estados Unidos deixaram claro que não enfrentarão os militares russos no campo de batalha. A arma que as grandes potências têm usado para conter o avanço das tropas de Putin da Ucrânia é outra: sanções financeiras e econômicas. 

Além de congelar bens de Putin e do ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, norte-americanos, britânicos e europeus miraram o banco central e retiraram alguns credores do país do sistema de pagamentos globais Swift, além de outras sanções econômicas. 

Outros aliados, incluindo Japão, Canadá, Austrália e Coreia do Sul, também adotaram sanções.

Se as sanções falharem, a guerra nuclear é a saída?

Até agora, as grandes potências ocidentais têm sido cuidadosas para não aumentar a tensão, seja na retórica ou em suas ações. 

As Forças Armadas dos Estados Unidos têm seu próprio nível de alerta de prontidão para defesa, conhecido como Defcon. Mas, na terça-feira (01), a Casa Branca informou que não havia motivo para mudar seus níveis de alerta nuclear neste momento.

O Reino Unido tem submarinos nucleares armados nos oceanos e, até o momento, evitou se manifestar sobre isso publicamente. 

Para oficiais de segurança de países da Otan, a situação ainda não é de uma crise nuclear, mas pode se tornar uma.

“Sei que uma guerra nuclear é impensável, mas não é impossível”, afirmou Cukier. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

O FANTASMA DA RECESSÃO

Ata do Fed manda recado: saiba se os próximos passos do BC dos EUA podem tirar o sono dos investidores

6 de julho de 2022

Na reunião de junho, o banco central norte-americano elevou a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, o maior aumento desde 1994, na tentativa de conter uma inflação que não dá tréguas; será que vem mais por aí?

Está vindo aí

Risco de recessão volta a assustar, petróleo amplia perdas e petroleiras lideram quedas do dia; Hypera (HYPE3) e Americanas (AMER3) sobem forte

6 de julho de 2022

Com a queda do petróleo no mercado internacional, papéis de commodities no Brasil têm maiores quedas nesta quarta-feira

MAIS DO QUE UMA VOLTINHA

Multiplan (MULT3), Iguatemi (IGTI11), brMalls (BRML3) ou Aliansce Sonae (ALSO3)? Saiba qual é a queridinha do Itaú BBA

6 de julho de 2022

Papéis das administradoras de shoppings operam em alta nesta quarta-feira (06), embalados pela prévia operacional da Multiplan, que sinalizou que novos recordes estão no caminho da empresa

EXILE ON WALL STREET

Euro(bad)trip: Como a guerra na Ucrânia e a busca por novas fontes de energia para substituir o petróleo russo fizeram o euro despencar

6 de julho de 2022

A moeda única atingiu o seu nível mais baixo em relação ao dólar em 20 anos (próximo do US$ 1), pior que os patamares vistos na crise da dívida no começo dos anos 2010

BOMBOU NAS REDES

Warren Buffett: de entregador de jornal rejeitado por Harvard ao posto de sétimo homem mais rico do mundo; descubra como o megainvestidor conquistou a fortuna de R$ 511 bilhões

6 de julho de 2022

Veja os detalhes da trajetória de Warren Buffett até se tornar o sétimo homem mais rico do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies