🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-03-04T11:14:13-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
PIB melhor que o esperado

PIB do Brasil cresce 4,6% em 2021 e fica acima do esperado; economia surpreende no quarto trimestre

O PIB do Brasil ficou acima das expectativas de economistas e analistas financeiros, que projetavam um crescimento de 4,5% da economia em 2021

4 de março de 2022
9:04 - atualizado às 11:14
Montagem com fundo verde e amarelo, notas de Real espalhadas e três blocos no primeiro plano, com as letras 'P', 'I' e 'B'; a imagem faz alusão ao PIB no segundo trimestre
PIB segundo trimestre Brasil - Imagem: Shutterstock

A economia brasileira cresceu 4,6% em 2021, de acordo com dados divulgados há pouco pelo IBGE, chegando à cifra de R$ 8,7 trilhões. O resultado surpreendeu positivamente o mercado: a mediana das projeções de 45 economistas compiladas pelo Broadcast apontava para uma expansão ligeiramente menor do PIB do Brasil, de 4,5% em relação a 2021.

Boa parte dessa surpresa veio do resultado obtido entre outubro e dezembro 2021. Nos três últimos meses do ano, o PIB brasileiro avançou 0,5% frente ao trimestre imediatamente anterior; as projeções do mercado financeiro indicavam um crescimento de 0,2% entre os períodos.

O avanço da economia brasileira no quarto trimestre marca uma mudança de ritmo em relação aos meses anteriores. Tanto no segundo quanto no terceiro trimestres, o PIB do país caiu 0,1%, o que configurava um quadro de 'recessão técnica'.

PIB do Brasil em 2021: o que foi bem (e o que foi mal)

A dinâmica da economia ao longo do ano passado mostra uma mudança relevante de perfil, com a agropecuária tendo um desempenho fraco e os setores de indústria e serviços se expandindo de maneira mais firme.

Vale ressaltar, no entanto, que a base de comparação é bastante distorcida, já que os resultados de 2020 foram afetados pelos efeitos da pandemia no PIB do Brasil.

No acumulado de 2021, o PIB da agropecuária recuou 0,2% em relação ao ano anterior, impactado pelo mau comportamento de algumas culturas de lavoura, especialmente cana-de-açúcar, milho e café, e da pecuária de bovinos e leite — condições climáticas adversas afetaram essas atividades. Por outro lado, soja, trigo e arroz deram uma contribuição positiva ao setor.

No lado da indústria, destaque para o segmento de construção civil, que teve expansão de 9,7% na comparação com 2020 — as áreas de transformação e extração de matérias-primas também tiveram um ano positivo. Já as atividades de produção e distribuição de energia elétrica e água tiveram um desempenho ligeiramente negativo, de 0,1%.

Por fim, o setor de serviços foi puxado pelo crescimento expressivo dos subgrupos de informação e comunicação e de transporte, armazenagem e correio, ambos com altas de mais de 10% em um ano.

Veja abaixo como se comportaram os principais subsetores da economia brasileira em 2021:

Sob a ótica da despesa, destaque para a formação bruta de capital fixo (FBCF), que aumentou 17,2% em 2021 na comparação com 2020 — em linhas gerais, o indicador serve como termômetro dos investimentos que estão sendo feitos na capacidade produtiva do país.

Novamente, é importante lembrar que os resultados são calculados em relação a 2020, período bastante atípico para a economia brasileira por causa da Covid-19. Ainda assim, o dado da FBCF mostra uma tendência animadora.

O consumo das famílias ao longo do ano aumentou 3,6% em relação a 2020, enquanto o consumo do governo se expandiu em 2% na mesma base de comparação. As exportações aumentaram 5,8%, mas as importações avançaram num ritmo bem superior, de 12,4%.

Economia no quarto trimestre: surpresa positiva

Nos três últimos meses do ano, o setor de agropecuária voltou a assumir uma posição de protagonismo na economia brasileira, crescendo 5,8% em relação ao trimestre anterior — um desempenho que, no entanto, não foi capaz de tirar o segmento do campo negativo no acumulado do ano. A indústria caiu 1,2%, enquanto os serviços avançaram 0,5%.

Veja abaixo o comportamento de cada subgrupo da economia no quarto trimestre de 2021 e sua contribuição para o PIB do Brasil no período:

  • Agropecuária: +5,8%
  • Informação e comunicação: +3,4%
  • Transporte, armazenagem e correio: +2,6%
  • Outras atividades de serviços: +2,1%
  • Construção: 1,5%
  • Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social: +1%
  • PIB do Brasil no quarto trimestre: +0,5%
  • Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados: 0%
  • Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos: -0,2%
  • Atividades imobiliárias: -0,4%
  • Comércio: -2%
  • Indústrias extrativas: -2,4%
  • Indústria de transformação: -2,5%

Veja que, por mais que o saldo para o PIB como um todo tenha sido positivo, os dados acima mostram algumas tendências que podem ser preocupantes, principalmente no front da indústria: o mau desempenho dos segmentos de extração e transformação na reta final de 2021 indica uma base enfraquecida na virada do ano.

O comércio, em queda de 2%, também não traz notícias particularmente animadoras, especialmente quando consideramos o fortalecimento sazonal desse tipo de atividade nos três últimos meses do ano. Por outro lado, os serviços mostram uma dinâmica positiva e uma continuidade da recuperação vista ao longo de 2021.

Sendo assim, boa parte da surpresa positiva com o PIB do Brasil no quarto trimestre — e no ano de 2021 — se deve à expansão forte da agropecuária no período, o que não é uma notícia ruim a priori; é preciso, agora, ter atenção redobrada aos dados de atividade da indústria e dos serviços neste começo de 2022.

No lado das despesas, a formação bruta de capital fixo no quarto trimestre teve alta de 0,4%, corroborando a percepção de aumento gradual nos investimentos no setor produtivo. O consumo das famílias cresceu 0,8%, enquanto os gastos do governo aumentaram 0,9%.

PIB do Brasil: expectativa vs. realidade

Por mais que o PIB do Brasil em 2021 tenha surpreendido positivamente, puxado pelo fortalecimento da economia no quarto trimestre, fato é que as projeções para 2022 continuam bastante desanimadoras. Segundo o boletim Focus publicado na última quarta-feira (2), o mercado financeiro trabalha com um cenário de crescimento de apenas 0,3% da economia neste ano.

É um reflexo do cenário de inflação ainda elevada e juros acima dos 10%, o que tende a desestimular o consumo e enfraquecer o nível de atividade doméstica. Em paralelo, ainda há a preocupação constante em relação ao cumprimento das metas fiscais do governo e as incertezas ligadas às eleições, o que pode elevar a turbulência econômica no segundo semestre.

E, ainda usando como base as projeções do Focus: o boletim de 7 de janeiro, o último a trazer projeções para a economia de 2021, trazia uma expectativa de crescimento do PIB no ano passado de 4,65% — portanto, em linha com o resultado revelado hoje.

Ainda assim, a percepção de muitos pode ser de decepção. No começo de 2021, os economistas ouvidos pelo Focus trabalhavam com um avanço do PIB do Brasil da ordem de 4,65%. Esse otimismo, no entanto, foi dando lugar à dúvida conforme o desempenho da economia mostrava-se menos intenso que o previsto e a trajetória de política monetária do Banco Central indicava uma elevação forte dos juros ao longo do ano.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

FRUTOS DO CASAMENTO

Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) apresentam relação de troca final de ações; veja quanto os acionistas receberão

Mais cedo, a Superintendência-Geral do Cade aprovou, sem restrições, a venda de parte da frota da Unidas para o Grupo Brookfield, dono da locadora Ouro Verde

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) faz malabarismo para enfrentar volatilidade e seguir acima de US$ 20 mil; confira cotações

O cenário macroeconômico pesou no universo cripto e se juntou à falta de liquidez, exercendo importante fonte de pressão

AGRO EM ALTA

Governo oferecerá mais de R$ 340 bilhões para produtores rurais no novo Plano Safra; valores entram em vigor em julho

O programa do governo federal prevê o direcionamento de recursos públicos para financiar e apoiar a agropecuária nacional

O SOL HÁ DE BRILHAR MAIS UMA VEZ

Cemig (CMIG4) amplia presença em energia solar em negócio milionário; confira os detalhes do negócio

A transação envolve três usinas fotovoltaicas e reforça a estratégia da companhia de crescimento sustentável no mercado de geração distribuída

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa abaixo dos 100 mil novamente, presidente da Caixa pede demissão e o salvador do mundo cripto; confira os destaques do dia

As últimas semanas parecem ter inaugurado um novo modus operandi no mercado financeiro: não há boa notícia ao amanhecer que perdure até o anoitecer.  Alta de commodities, alívio no cenário fiscal, retomada econômica chinesa. Pode escolher a sua arma, nada parece forte o suficiente para enfrentar o temor de uma recessão global e de um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies